Confronto: God of War Collection na PlayStation Vita

Gerido com cuidado?

Os dois primeiros God of War estão entre os mais espectaculares jogos PS2 - grandes feitos técnicos nos últimos anos da consola, ambos merecedores de um salto para HD através das excelentes remasterizações PS3 do Bluepoint Games. Já a Vita tem recebido uma história mista de conversões PS2, Metal Gear Solid 2 e 3 sofreram um impacto visual devido a resoluções sub-nativas, e a Jak and Daxter trilogy corria em níveis baixos de performance. Então o que se passa com a God of War Collection na Vita?

Estando o Bluepoint ocupado com outras coisas, o Sanzaru Games encarrega-se dos trabalhos e é desde logo claro que estamos perante algo sub-nativo. Tal como nos principais lançamentos na plataforma, ambos os jogos correm a 720x408 antes da resolução ser convertida para as dimensões de 960x544 do ecrã. O resultado é algo mais desfocado e esborratado do que esperávamos, ainda mais afetado pela palete de cores em tons acinzentados e acastanhados. Visualmente, vale a pena dizer desde já que quase tudo em termos de texturas, geometria e iluminação vem das edições caseiras - mas este corte na qualidade de imagem afeta o nosso apreciar desse facto.

Outra grande desilusão é a gestão das cutscenes pré-renderizadas usadas frequentemente, onde o Sanzaru parece ter cortado de forma significativa os bens originais (espremendo ambos os jogos para uma mera transferência de 3.3GB). Esta redução resume-se a forte compressão no áudio e vídeo na Vita, resultando em diálogo abafado e feios artefactos de bloqueio macro nas cutscenes.

No entanto, mais espantoso é o uso de espessas barreiras pretas para enquadrar estas cutscenes. Correm a 796x506, significando que a história frequentemente se desenrola numa janela muito mais pequena do que no gameplay. Transições para e do gameplay são muito feias, a coleção não parece ter um acabamento de qualidade. Em muitas remasterizações HD, converter bens 4:3 pré-renderizados em definição normal para 16:9 HD é um enorme desafio. É provavelmente o elemento mais fraco no trabalho do Bluepoint na PS3 mas mesmo com a vantagem de trabalhar num ecrã mais pequeno, o Sanzaru falha por completo.

"Os bens do GOW original são usados na Vita virtualmente sem arranhões mas a experiência central desaponta comparada com os jogos PS2, quanto mais com as remasterizações PS3."

God of War Collection comparado na PS3, Vita e original PS2 (via PS3 retro-compatível). Vejam em ecrã completo e 720p para a melhor experiência.

Mas como se comparam os visuais com as outras versões? Para igualar as três, capturamos a versão PS2 via HDMI usando uma PS3 retro-compatível e escolhemos os modos de leitura progressiva e ecrã panorâmico do jogo. A versão Vita por padrão passa para o esquema de ecrã panorâmico cortado da PS2 - infelizmente cortando o topo e fundo para a imagem 4:3 original e esticando os elementos da IU para encaixar no rácio de aspeto 16:9. Isto foi uma crítica na PS3 e na Vita não vemos melhoria. Ainda assim, com este esquema fomos capazes de construir um vídeo de comparação em três formatos e uma galeria de comparação com 46 imagens.

Olhando além do impacto na qualidade de imagem na Vita, os bens in-game são praticamente iguais aos das versões caseiras. Espantosamente aproximados, até à opacidade das sombras dinâmicas dos personagens ou as texturas nos mapas de detalhes nos bosses ao perto. A PS3 tem a seu favor o forte uso de brilho na iluminação em redor de sombras, apesar de ser um pequeno ajuste e o modelo de iluminação é de resto convertido na perfeição para a Vita.

Uma diferença no filtro de texturas também divide as três, a pura ausência dele na PS2 causa um tremor visual nas texturas distantes e isto distrai. A Vita corrige bem isto, tem estradas de tijolo mais suaves à custa de um esborratado no chão após certo ponto. Felizmente isto é mitigado pelas dimensões mais pequenas do ecrã da Vita e apenas se nota quando a imagem é aumentada para comparação com a PS3.

PlayStation 2PlayStation VitaPlayStation 3
Aqui vemos a versão Vita contra a PS2 e PS3 - ambas convertidas para igualar 960x544. A versão portátil inferioriza o brilho da iluminação usado na PS3, como visto perto do final da sala.
PlayStation 2PlayStation VitaPlayStation 3
As distâncias de visão estão iguais às das versões caseiras, é genuinamente impressionante o quanto converteu da remasterização HD para a PS3 do Bluepoint Games.
PlayStation 2PlayStation VitaPlayStation 3
As enormes secções pré-renderizadas aguentam-se bem na Vita, bens básicos das texturas estão iguais em enormes estruturas e inimigos.
PlayStation 2PlayStation VitaPlayStation 3
O aliasing é um problema na Vita, a resolução é convertida de uma interna de 720x408. No entanto, o filtro de texturas está muito melhorado o que ajuda a reduzir o pixel crawl em texturas distantes como visto na PS2.
PlayStation 2PlayStation VitaPlayStation 3
Efeitos alfa tais como fogo e água estão iguais à versão PS2. Shaders de água também são iguais, apesar de secções debaixo de água taxarem a Vita em termos de performance.
PlayStation 2PlayStation VitaPlayStation 3
Alguns efeitos ocasionais desapareceram da Vita, tais como o chuveiro de partículas aqui consoante Kratos se agarra à mão dourada. No entanto, é uma anomalia perante um quadro maior.
PlayStation 2PlayStation VitaPlayStation 3
Kratos de perto. Temos algo idêntico aqui, apesar de encontrarmos momentos estranhos na Vita como a textura inexistente debaixo dos seus pés. Felizmente isto não acontece durante o jogo.
PlayStation 2PlayStation VitaPlayStation 3
Em ação contra a Hydra no primeiro GOW, o Sanzaru não tomou atalhos ao converter as animações para a Vita nos QTEs.

Pegando na abertura com o Colosso em GOW2, vemos o quão bem foram convertidas as peças pré-programadas para a Vita. Eventos Quick-time são bem geridos pelo motor, como seria de esperar, todas as facetas da geometria do jogo, animação e efeitos aguentam-se fielmente comparados às versões caseiras. Tem bom aspeto para uma versão portátil mas esta determinação para alcançar paridade visual é paga na performance.

Desapareceu o alvo de 60fps das versões PS2 e PS3, no seu lugar temos mudanças entre 20-30fps em todo o jogo. Está completamente v-synced ao contrário do jogo PS2 mas longe de operar no alcance habitual da série - e muito longe dos 40-60fps dos originais. A resposta a cada botão é lenta, especialmente quando existem perspetivas distantes de um cenário ou quando o ecrã fica repleto de inimigos. Como tal, isto contabiliza como a maior fraqueza da versão Vita e com quedas para 18fps é impossível ver isto como a forma ideal de jogar qualquer um dos jogos.

Tudo isto é uma pena pois o esquema de controlo na Vita é de resto um par perfeito. São feitos esforços para acomodar os controlos táteis, ativamos habilidades ao tocar no ecrã e o painel traseiro é usado para compensar os botões L2 e R2. É muito fácil ativar por acidente um save point desta forma caso os dedos embarrem na parte de trás mas no geral é uma boa forma de contornar para abrir baús ou portas.

"Fora a resolução, os visuais in-game aguentam-se na sua maioria comparados com os da PS3 mas aparentemente à custa do gameplay."

Afetada por uma performance lenta entre os 20-30fps, a versão Vita do primeiro GOW fica pálida quando comparada com as versões PS2 e PS3 com os seus alvos de 60fps. Vejam a ligação em baixo para análise ao segundo jogo.

Análise alternativa:

God of War Collection Vita: veredito Digital Foundry

Os que esperam uma remasterização HD nas linhas da excelente God of War Collection PS3 vão claramente ficar desiludidos. A resolução aumenta apenas 28% sobre a dos originais e apesar de haverem melhorias na qualidade de imagem, a conclusão geral é que o código original PS2 é melhor jogo no todo.

Comparado com as remasterizações 720p60 PS3 do Bluepoint Games, a queda na qualidade é alarmante (algo que podes testar facilmente - a versão digital é Cross-Buy, significando que ao comprares a versão Vita recebes a versão PS3). O uso da resolução sub-nativa significa que temos uma apresentação esborratada com conversão de resolução durante gameplay. Cutscenes pré-concebidas também sofrem imenso na qualidade comparadas até com o jogo PS2, a forte compressão de vídeo e o uso de barreiras pelo todo torna óbvias as cenas geradas com o motor.

Mas a maior desilusão é a performance. Apesar de completamente v-sync, temos uma corrente a constantes 20-30fps - por vezes menor - muito distante dos suaves 60fps na PS3 com um claro impacto na experiência de jogo. Fora o estranho erro aqui e ali, os visuais são iguais aos das outras versões mas isto teve prioridade sobre o gameplay. O resultado final é que God of War Collection na Vita talvez valha a pena se fores um fã acérrimo que procura algo para a portátil mas esses mesmos jogadores vão ficar desanimados com a falta de brilho das conversões.

Publicidade

Salta para os comentários (8)

Sobre o Autor

Thomas Morgan

Thomas Morgan

Senior Staff Writer, Digital Foundry

32-bit era nostalgic and gadget enthusiast Tom has been writing for Eurogamer and Digital Foundry since 2011. His favourite games include Gitaroo Man, F-Zero GX and StarCraft 2.

Conteúdos relacionados

ArtigoOs melhores jogos de Dragon Ball

Uma lista só com jogos "Super Saiyan".

Artigo10 alternativas gratuitas a Fortnite

Estes jogos são excelentes alternativas e dão-te variedade.

Microsoft promete um salto geracional com a Xbox Scarlett

"Conseguimos atingir os 4K mas também ir até aos 120 fotogramas por segundo."

Também no site...

Microsoft promete um salto geracional com a Xbox Scarlett

"Conseguimos atingir os 4K mas também ir até aos 120 fotogramas por segundo."

ArtigoOs melhores jogos de Dragon Ball

Uma lista só com jogos "Super Saiyan".

Comentários (8)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários