Colin McRae: DiRT 2

O voador.

Em 1985 nasceu a Codemasters, fundada por Richard e David Darling que obtiveram grande êxito no mercado do Zx Spectrum, graças aos seus jogos de acção. Mas quando falamos da Codemasters o que nos vem logo a mente? Pois é, jogos de carros. Ao longo da sua história o sucesso foi enorme em torno de jogos de corridas como a série Micro Machines, Toca e claro Colin McRae.

A Codemasters apostava na vertente Rally na série do mítico piloto. Mas em 2007 com Colin McRae: DiRT a série mudou de ares, usando pela primeira vez um subtítulo, agora a aposta foi para as corridas Off-Road com camiões, buggies. Mas mesmo com a série refrescada, isso não resultou em grande sucesso. Por isso a grande aposta para este ano por parte da Codemasters é a sequela Colin McRae: DiRT 2.

Para produzir o DiRT 2, os criadores utilizaram o motor gráfico EGO, o mesmo que foi usado em Race Driver Grid. Nota-se uma alteração nas cores utilizadas, o pó, os brilhantes e as cores coloridas dão um ar muito mais natural ao jogo. Tudo isso para assim agradar a todos os amantes de jogos de carros e voltar ao sucesso de outros tempos, uma tarefa árdua devido à enorme exigência dos fãs.

Neste novo jogo a Codemasters pretende que o jogador se sinta na pele de um verdadeiro piloto, podendo desde o início registar o nosso nome, a nacionalidade e até a alcunha com que pretendemos ser conhecidos, eu escolhi “ranger” em homenagem ao Chuck Norris.

Como núcleo central temos uma auto-caravana, que encontrámos num estado degradante, tudo desarrumado, comida espalhada por todo lado, moscas a sobrevoar a zona, em suma, tudo muito sujo e num autêntico caos devido às festas que la houveram. Da janela dá para reparar na festa que decorre no exterior, nos milhares de pessoas que passam a falar alto, na nossa equipa, nos helicópteros a passar, publicidade por todo o lado e as tendas das outras equipas. Tudo nos faz crer que estamos mesmo lá.

1
Efeito de luz incrível.

Voltando à nossa desarrumada auto-caravana, deparámo-nos com muitas opções, todas elas bastante fluídas, com uma apresentação bastante simples que explica passo a passo aos iniciados, dando todos os detalhes necessários antes de uma corrida. Em my stuff podemos ver as missões do género Long Jumper e Overtake que efectuámos durante as corridas, tanto em single-player ou multiplayer. Podemos nos relacionar com as estrelas principais do jogo de forma a escolher o nosso co-piloto. Nos extras temos acesso a download de conteúdos e os vídeos que vamos desbloqueando ao longo do jogo.

Da opção multiplayer on-line vou falar mais à frente. Por fim temos o Dirt Tour, onde estão todas provas que iremos disputar. Temos também uma televisão onde constantemente vão passando vídeos de provas reais X-games, vídeo-clips, vídeos de algumas provas de rally e até mesmo os grandes feitos de Ken Block. No exterior temos as opções (do costume), em News existe uma revista que nos informa o nosso progresso no jogo e também as informações sobre o último, o recente e o próximo torneio (com acesso on-line). My Rides é o nosso “STAND”, onde temos vários carros à escolha, desde carros de rally como o Mitsubishi Lancer Evolutionx, o carro usado por Colin Mcrae, Subaru impresa WRX STI 1995, até ao velhinho Ford Escort MKII.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Kojima nega estar envolvido num novo Silent Hill

Mas confirma que está a desenvolver novo projecto.

ArtigoAgora é um bom momento para subscrever ao PS Plus

Está em promoção e recebes quatro jogos de uma vez.

Jogos PS4 lançados a partir de Julho também têm de correr na PS5, segundo aviso da Sony aos estúdios

Também recomendou fortemente actualizar jogos existentes para a próxima consola.

Comentários (24)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários