ATV Offroad Fury Pro

Fúria em todo-o-terreno... Pois.

Além de genérico, o título deste jogo é discriminatório para consigo. Se o jogo oferece a possibilidade de correr com ATVs (quadriciclos todo-o-terreno), motas, camiões e outros veículos, porque não enaltecer esse facto logo à partida? Está certo que a Climax pouco se esforçou no que que diz respeito a realmente diferenciar as conduções entre veículos ou a imputar algum realismo às reacções destes, mas a verdade é que estão presentes em largo número ao longo das diferentes categorias.

Na vertente “portátil” do jogo, o modo “Single Event” permite alterar várias especificações da corrida e completá-la num curto espaço de tempo, mesmo que os tempos de loading não sejam ideais. Numa oferta mais complexa, “Championship” envolve, como indica o nome, competir em variados campeonatos em diferentes partes do mundo, com o objectivo de desbloquear conteúdo (como pistas e veículos).

Além destes dois modos de jogo “essenciais”, mais algumas distracções estão disponíveis, como um modo onde podemos correr sem qualquer limitação de voltas ou oponentes em pista ou a possibilidade de melhorar os tempos de volta ou de corrida (regra geral, uma corrida implica cinco voltas à pista); aos quais se juntam outros modos menos ortodoxos, nomeadamente o “Pool” em que utilizamos veículos como bolas numa estranha recriação do bilhar.

Se juntarmos a isto as mais de sessenta pistas disponíveis para escolha, a oferta até que é bastante satisfatória. Desertos, planicies geladas, estádios (ou seja, pistas dentro de portas) a variedade de cenários onde são colocadas as diferentes pistas é também de louvar.

s
Não é um ATV.

Caso mesmo assim desejem criar pistas, existe um editor, que apesar de limitado por uma interface e controlos muito pobre, permite trazer ao jogo trajectos da vossa autoria.

A música não é, em si, má. Mas pareceu-me mal escolhida para o jogo que acompanha; um pouco como os sons dos motores, dos impactos ou do colocar das mudanças. Não é desapontante, mas também não impressiona ninguém. E o mesmo se pode dizer dos gráficos.

Além da variedade de modos para um jogador, o suporte online é também bastante sólido. Seja em ad hoc ou infrastructure. É possível jogar contra até outros quatro oponentes (o número máximo de participantes por corrida), correr em pistas criadas por vós ou participar em torneios. Tudo bastante funcional e sem dificuldades técnicas.

É difícil apontar verdadeiras falhas a este jogo de corridas, revela-se um esforço frustrado essencialmente por não oferecer nada de realmente novo ou especialmente competente. Ainda assim, a sua variedade de modos e opções, acompanhados pela simplicidade em controlar os veículos com sucesso indica um trabalho competente da parte da Climax. Mas pouco mais.

6 /10

Conteúdos relacionados

ArtigoQual a sensação de jogar The Last of Us: Part 2?

As nossas primeiras impressões da versão final.

Sony, Microsoft, Riot Games e Bethesda unidas contra o racismo

"Todas as vidas não importam até que as vidas dos negros importem"

Codemasters adquire a licença WRC

Acordo de 5 anos arrancará em 2023.

Também no site...

Director de Scorn diz que optar por cross-gen limita a versão de próxima geração.

O hardware mais fraco ditará limitações no mais forte.

ArtigoQual a sensação de jogar The Last of Us: Part 2?

As nossas primeiras impressões da versão final.

Codemasters adquire a licença WRC

Acordo de 5 anos arrancará em 2023.

David Ayer diz que o seu Suicide Squad foi transformado numa comédia

A sua versão tinha inspirações nos filmes de Nolan.

Comentários (2)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários