Battlefield 2042 pré-review | Trunfos na manga

Portal e Hazard Zone impulsionam a série no bom caminho.

O lançamento de Battlefield 2042 está próximo. Já na próxima sexta feira, quem comprar a Edição Gold ou Ultimate poderá começar a jogar. Segue-se depois, a 19 de novembro, o lançamento global da versão Standard. Após o adiamento, está a chegar finalmente o momento que muitos aguardam com grande expectativa. Tive o privilégio de experimentar o jogo nos últimos dias, a convite da Electronic Arts, que desde já agradeço, conseguindo assim já uma boa perspetiva do que esperar no lançamento. Jogado no PC, as sessões foram dedicadas a todo o conteúdo do jogo, onde tive a oportunidade de jogar os vários modos, All-Out Warfare, Hazard Zone e Portal, numa ampla variedade de mapas.

A primeira parte foi dedicada ao All-Out Warfare, com os modos Breakthrough e Conquest. Já havia experimentado intensamente o Conquest durante a beta e já se encontrava muito robusto. Continha alguns problemas e omissões que estão agora corrigidas, desde o mapa de grande escala que não funcionada ou até o ping que era problemático. Aqui é mantida toda a estrutura do modo e saliento com satisfação que é um regresso às origens. Breakthrough regressa, esteve presente em BF 1 e BF V, com uma estrutura polida que torna este modo bastante aliciante e mais acelerado que Conquest.

All-Out Warfare é uma experiência padrão que faz regressar o que tornou a série Battlefield tão popular. Tudo parece no seu lugar, desde os veículos, armas, especialistas, com a cooperação a fazer grande parte da experiência, mas, mesmo jogando mais individualmente, conseguimos boas sessões em ambos os modos.

Já na segunda parte do que tive oportunidade de jogar, chegou o momento muito aguardado por mim: a Hazard Zone. Ainda que a DICE não queira aproximar este modo de uma experiência battle royale, paira no ar essa sensação. Na realidade, é bastante distinto e acolho o descartar dessa associação. Em Hazard somos uma equipa de quatro elementos / especialistas, com a missão de recuperar as Data Drives, quantas mais melhor. O tempo para a extração está em contagem decrescente desde o momento que aterramos de helicóptero, temos de ser rápidos e coordenados.

Aqui a cooperação é vital e muito importante, desde o momento da escolha dos Especialista e até ao arsenal que selecionamos. É uma dança que tem de estar muito bem sincronizada, pois para além das equipas adversárias temos também a presença de forças territoriais que protegem os dados que tentamos extrair. Este modo constitui uma oportunidade única para Battlefield, que finalmente parece ter encontrado uma abordagem diferente com tons de frescura.

A última parte que joguei foi inteiramente debruçada sobre o muito promissor Portal. É uma extraordinária ferramenta / modo de jogo, que irá possibilitar infinitas configurações de experiências Battlefield nunca antes vistas. Estamos na presença de algo até revolucionário, que prolongará a longevidade para patamares astronómicos. Se estamos na ótica de jogador, é uma montra gigantesca de modos de jogo, onde apenas está dependente da criatividade de quem os cria. A junção de conteúdos de Battlefield 1942 com Bad Company 2, Battlefield 3 e 2042, dão acesso a sessões completamente únicas, como a que joguei, denominada por Vip Fiesta. Duas equipas num mapa de menor escala, onde o Vip era escolhido aleatoriamente e cada equipa tentava abate-lo para chegar em primeiro lugar à pontuação exigida. Muito divertido, principalmente pela junção de elementos dos vários jogos da série, desde o arsenal passando pelos pelo nosso personagem.

"Estamos na presença de algo até revolucionário, que prolongará a longevidade para patamares astronómicos."

Mas Portal vai mais longe, quando encarado como uma ferramenta de construção de modos de jogo. É um leque de opções sem precedentes, entregue de mão beijada a todos, é gratuito e qualquer um pode elaborar a sua experiencia multijogador que sempre sonhou. Basta para isso fazer registo na página dedicada a Portal e seguir livremente a sua imaginação. Estamos perante algo fresco e que poderá marcar uma mudança de comportamentos de outros estúdios. Parabéns à DICE.

Este poderá ser um grande lançamento para Battlefield 2042, denota-se um extraordinário empenho por parte da DICE em entregar algo onde os fãs sentem que foram incluídos e sobretudo ouvidos. Essa preocupação passa muito por escutar todo o feedback da comunidade e o analisar, para dessa forma adaptar o jogo de modo a ir ao encontro do que os jogadores querem jogar. Ao mesmo tempo temos a ousadia da produtora em realmente inovar, com a presença de experiências como Hazard Zone e Portal. Novos jogadores também serão incutidos a experimentar este nova aposta, já que a presença de modos de jogos completamente afastados da experiência original podem ser o condão que a série necessitava. A nossa análise está a caminho, estejam atentos!

Salta para os comentários (14)

Sobre o Autor

Adolfo Soares

Adolfo Soares

Director

É o nosso homem do PC, por isso qualquer coisa é com ele. É também responsável pelo Eurogamer, bem como dá uma perna nas notícias.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Os melhores jogos para oferecer este Natal a quem tem uma PS5

Estás com dúvidas em qual comprar? Nós ajudamos.

Netflix mostra pequeno teaser da série Resident Evil

Cerberus é a estrela desta pequena amostra.

Novas informações sobre BioShock 4

Das profundezas até às nuvens, para aterrar na Antártica.

Cristiano Ronaldo eleito como um dos melhores da Champions em FUT22

Os melhores da Fase de Grupos chegam ao jogo.

Comentários (14)

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários