Guardians of the Galaxy review - diversão limitada

Ação e aventura que entretém, mas com problemas à mistura.

Marvel's Guardians of the Galaxy, Os Guardiões da Galáxia da Marvel, se preferires, são o mais recente esforço da Square Enix e Eidos Montreal para transportar para os videojogos os super-heróis da Marvel Comics. Após os Vingadores, é a vez dos Guardiões conquistarem o direito aos seus videojogos e para um fã das bandas desenhadas desta companhia, é praticamente impossível não ficar empolgado. A popularidade das produções da Marvel Studios está a permitir que projetos como este aconteçam e é um momento de entusiasmo assistir à chegada de um jogo focado neste caricato grupo de personagens, que provavelmente desfruta de maior sucesso no mundo do cinema do que nas BDs.

Este jogo é uma experiência de ação e aventura para um jogador, com a perspetiva na terceira pessoa, que promete levar-te por alguns dos mais marcantes locais de um canto da galáxia Marvel Comics. Controlando Peter Quill, o Star-Lord, exploras a nave Milano (a casa dos Guardiões) e outros locais que te vão deixar maravilhado, conversas com diversas figuras e frequentemente terás de escolher uma resposta para sentir que causaste impacto nos acontecimentos, sem esquecer que terás de combater ao lado de Drax, Gamorra, Groot e Rocket que precisam de ordens tuas para usar habilidades especiais e se tornarem realmente úteis nestas batalhas. Na maioria do tempo a IA é má e eles nem fazem nada, mesmo com chuva de inimigos à sua frente. É um dos maiores problemas do jogo, mas já lá irei.

Algo que deves ter muito em conta é que este Guardians of the Galaxy é um jogo totalmente linear (com alguns cantinhos para esconder segredos e te fazer explorar mais os arredores, mas sem disfarçar a linearidade total), numa experiência que quase poderias sentir ser uma espécie de Uncharted adaptado para o espaço e para este grupo de personagens. A linearidade numa experiência singleplayer não é um ponto negativo, não me compreendas mal, mas quando a experiência parece expandir-se por capítulos a mais, esse design poderá tornar-se cansativo quando começas a aproximar-te do final. Especialmente porque o sistema de combate também não enverga profundidade suficiente para justificar entre 12 a 14 horas de gameplay e poderás sentir que existem mecânicas artificiais para dar a sensação de progresso ao estilo RPG.

Linearidade cinematográfica

Guardians of the Galaxy é um jogo totalmente linear, mas enverga um grande sentido cinematográfico, e se optares pelo modo a 4K, a qualidade visual consegue tornar-se sensacional. O preço são 30fps e isso torna a ação muito menos divertida. É uma pena que o modo a 60fps exija um sacrifício tão grande da qualidade de imagem, mesmo numa PS5, onde o jogamos. Existem planetas com paisagens incríveis, criaturas enormes e edifícios que preenchem o ecrã, Guardians of the Galaxy é um jogo bonito de ver, no modo qualidade de imagem, onde a performance pode tornar-se horrível. O design linear coloca o foco na ação e nos personagens de uma forma que permite à Eidos Montreal controlar com uma mão mais firme a experiência e se gostas de jogos deste estilo, vais gostar dos momentos em que exploras os cenários com as botas gravitacionais de Quill e tentas resolver alguns puzzles para progredir.

A Eidos Montreal trabalhou o jogo para se assumir quase como um filme, uma experiência cinematográfica interativa multifacetada pois além dos níveis em si, onde decorre a ação, tens imensas cutscenes, imensos diálogos interativos e a possibilidade de passar tempo na Milano antes de entrar em cada nível. No entanto, não tens a possibilidade de escolher o planeta para onde queres ir, regressar a outro planeta por onde já passaste ou sequer explorar livremente os locais. Aqui a Eidos Montreal assume total controlo para te conduzir ao longo de uma experiência totalmente linear e recompensa-te com um formato focado na narrativa e nos momentos épicos.

O design de níveis alterna entre seguir em frente no nível, procurar itens necessários para adquirir mais habilidades para Quill combater, descobrir fatos extra espalhados pelos níveis, pedir a ajuda dos outros membros para chegar a novos locais (existem vários puzzles simples) e claro, os combates de grande intensidade que exigem estratégia e dar ordens a Groot, Rocket, Gamorra e Drax.

Combates intensos e ligeiros elementos RPG à mistura

Tratando-se de um jogo totalmente linear, já contas que os elementos RPG sejam muito ligeiros onde o XP para desbloquear habilidades ou itens para melhorar Quill são limitados pelo design em si. No entanto, os combates conseguem ser muito divertidos e mesmo controlando apenas Quill, a constante necessidade de comandar os outros membros dos Guardiões e o foco em fraquezas variáveis para os diferentes tipos de inimigos ajuda a aumentar profundidade de um sistema relativamente simples. O sistema de combate poderá contribuir imenso para a sensação que o jogo tem um capítulo ou dois a mais, mas as boss fights (que pecam por escassas) e alguns momentos que exigem estratégia ajudam e muito a contrariar essa possível sensação.

Controlando Quill, disparas as suas armas para despachar inimigos e quando queres, podes invocar o menu dos Guardiões e pedir que usem uma habilidade específica. Todos os inimigos têm um elemento ao qual são sensíveis e a profundidade procurada pela Eidos Montreal passa por te colocar perante inimigos que te obrigam a usar o disparo alternativo das armas de Quill para atordoar os inimigos e causar mais dano, até surgir um indicador na sua cabeça para usares um golpe especial e o eliminar. Se alguns inimigos são sensíveis ao gelo e perdem de imediato o escudo quando usas esse disparo alternativo, que os congela no lugar onde estão, o disparo elétrico faz com que a eletricidade se expanda para os inimigos à volta que ficam atordoados durante vários segundos. Existe ainda o disparo do vento que puxa para ti os inimigos distantes e o do fogo, que deixa os inimigos a arder e a sofrer dano durante algum tempo.

Enquanto disparas para causar dano e te moves acrobaticamente pelos cenários, graças às botas de Quill, terás de alternar constantemente entre os 4 tipos de disparos especiais, o que imprime alguma estratégia nos procedimentos. Foi altamente divertido sentir que os meus reflexos e atenção foram constantemente desafiados para triunfar. No entanto, senti que ao desbloquear somente o disparo do fogo no Capítulo 13 (de um total de 16), a Eidos Montreal manipulou artificialmente a dificuldade, uma vez que muito antes disso surgem inimigos sensíveis ao fogo. Isto apenas como um exemplo. Se os 4 tipos de disparos especiais surgissem mais cedo, os combates mantinham a diversão e livravam-se da sensação de dificuldade artificial embutida pela Eidos Montreal, para tentar criar a ilusão que a experiência pode durar mais tempo e que existe progressão de mecânicas para o justificar.

Quanto aos elementos RPG, recebes XP no final de cada combate e se perderes, reinicias o checkpoint e tens de enfrentar novamente os inimigos e conquistar a mesma XP. Não há forma de contornar o design estabelecido e tentar ficar mais forte antes do estipulado pela equipa de desenvolvimento. As habilidades permitem desencadear mais movimentos especiais de cada um dos 5 Guardiões e também ajudam o jogo a brilhar.

Guardians of the Galaxy está repleto de momentos brilhantes e divertidos, alguns deles nos combates. Descobrir o que cada habilidade de Drax, Groot, Gamorra ou Rocket faz é muito importante pois as alturas em que a estratégia é necessária são mais do que muitos. Podem fazer a diferença. Algumas habilidades de Groot prendem os inimigos no local, Rocket pode usar granadas que causam dano de área, enquanto Gamorra e Drax podem causar imenso dano a um inimigo. Fiquei surpreendido com a profundidade que a Eidos Montreal conseguiu injetar num sistema de combate que é relativamente simples.

Um jogo empolgante quanto baste, mas uma imensa falta de polimento

Com momentos visuais incríveis, uma experiência incrivelmente cinematográfica para um jogador e um sistema de combates divertido que exige estratégia, Guardians of the Galaxy tem tudo para triunfar, mas a Eidos Montreal parece ter falhado algumas coisas no design. Mesmo que os elementos RPG não consigam cumprir em pleno a tentativa de tornar a experiência menos simples do que na verdade é, diria que é a falta geral de polimento que mais me marcou no jogo e tirou-lhe muito do brilho que está escondido.

Marvel's Guardians of the Galaxy é um jogo bem ao estilo que adoro. É uma experiência linear e singleplayer, que adapta os Guardiões da Galáxia das bandas desenhadas e com muito para gostar. No entanto fica a sensação que o gameplay é simples demais, não consegue sustentar o jogo durante tantas horas e que alguns capítulos estão a mais. Além disso, problemas nas animações e colisões reforçam a sensação que o jogo precisa de uma grande dose de polimento extra. Estamos a horas do lançamento e parece que a equipa precisava de mais alguns meses para o polir. Se gostas das BDs da Marvel e de experiências para um jogar de ação e aventura com ligeiríssimos elementos RPG, talvez possas passar facilmente por cima dos problemas, mas a verdade é que prejudica mais do que gostaria de admitir o desfrutar da experiência.

A Eidos Montreal comunicou que dentro de horas será apresentada uma importante atualização e após a testarmos voltaremos para partilhar as descobertas. Se parte dos problemas forem melhorados e a qualidade geral envergar muito mais polimento, poderemos atualizar a análise.

Prós: Contras:
  • Momentos visuais incríveis, especialmente no modo 4K
  • Gameplay simples, mas que exige estratégia para os momentos mais intensos
  • Muito humor nesta boa recriação dos Vingadores do espaço
  • Banda sonora de grande qualidade
  • As boss fights são escassas, mas são divertidas
  • Boa longevidade para um jogo singleplayer linear
  • É lamentável o sacrifício na resolução se quiseres jogar a 60fps
  • Diversos bugs nas animações e deteção de colisão com os cenários
  • Poucos incentivos para repetir o jogo
  • Poderás sentir que existem demasiados capítulos e sentir fadiga dos combates
  • Problemas na inteligência artificial dos aliados nos combates

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (13)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Também no site...

PS Plus no Japão conta com Judgment em dezembro

Japoneses recebem ofertas diferentes.

Jogadores não conseguem fazer mira em Battlefield 2042

Problemas com o rato no PC. Joguem de comando!!

The Matrix Awakens descoberto na PS5

Uma experiência no Unreal Engine 5.

Godfall Challenger Edition gratuito na Epic Games Store

É a mesma versão do PlayStation Plus.

Comentários (13)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários