Skydrift Infinity - Review - Um recreio nos céus

Pronto para descolar.

Um remaster eficiente no tratamento arcade, ao acrescentar novas manobras e aviões, mas parco em conteúdos e com visuais algo datados.

Por estes dias é a versão Xbox Series X/S de Microsoft Flight Simulator que opera as delícias dos fãs de simuladores de aviação. Com o tráfego aéreo em alta, é provável que muitos não tenham reparado na passagem de Skydrift Infinity, um remaster do original produzido pela Digital Reality, para PC, Xbox 360 e PS3, no já distante ano de 2011. Por contraste com o simulador da Microsoft, esta é uma experiência do tipo arcade, na qual manobramos aparelhos aéreos em ambientes demarcados do globo, em acesos despiques. Controlam-se aviões como quem conduz um kart numa pista. Corta a meta em primeiro aquele que não é apenas o mais rápido nas manobras, mas quem também tira partido dos power ups disponíveis e é mais rápido e certeiro no botão dos disparos, porque aqui também pode haver combate quando sai um power up que permite enviar um míssil ao adversário.

Skydrift Infinity é um remaster de um jogo com quase dez anos. Infelizmente, não se apresenta melhorado graficamente, o que começa por ser algo datado à priori, mas acrescenta outros melhoramentos, nomeadamente uma pista nova, um conjunto de manobras inéditas e ecrã para 4 jogadores ao nível multiplayer local. Não obstante o bom trabalho da HandyGames (o jogo é publicado pela THQ), percebe-se que é um título com alguma idade, de há duas gerações de consolas. No entanto, é no ritmo arcade e na consistência das suas corridas que podemos encontrar a maior valia do jogo. A partir de aeronaves de recreio, acessíveis de tripular e leves, o que permite manobras de grande agilidade e uma agradável sensação ao comando, entramos em divertidas e desafiantes "dog fights". É um pouco "old school", verdade, já que não é o típico jogo de combate e também está longe de uma simulação como a apresentada pela Microsoft.

Percorrido o tutorial depressa nos apercebemos que o registo destas corridas aéreas é sobretudo o arcade. Contornar obstáculos, passar por aberturas estreitas entre as montanhas, fazer voos rasantes e pelo meio coleccionar power ups, lançando o caos nas corridas derrubando os adversários, são algumas das tarefas a executar do primeiro ao último instante de cada prova. Os 30 fps da versão Switch, plataforma que serviu de análise, não contemplam grandes veleidades, mas o ritmo e fluidez são aceitáveis se jogarmos com a consola em modo "docked".

1
As manobras são eficazes em contexto de combate mas é muito difícil evitar os disparos pelos rivais.

A solo ou em multiplayer

O principal modo de jogo, a solo, é a campanha. Esta reveste-se de várias fases, cada uma com seis corridas em ambientes diversos. Para passarmos à fase seguinte temos de completar todos os eventos da fase anterior. Além disso, há regras específicas dentro de uma prova, o que significa que nunca repetem os desafios numa mesma fase da campanha. Os percursos, ou pistas se quisermos usar o termo, apresentam vários ambientes. Da ilha paradisíaca ao porto onde os barcos são desmantelados, passando pela montanha, por tundras e um vulcão, parece que vamos viajando por diferentes zonas do globo. Aqui não andamos muito alto. Quase sempre voamos junto ao solo, passamos rasantes na água do oceano e até atravessamos cascatas. O périplo é muito extenso e o desenho dos circuitos obedece ao de uma montanha russa.

O confronto com rivais controlado pelo computador é significativo. Há atalhos que podem ser explorados, facultando pequenas vantagens, mas a luta começa com o acesso aos power ups. A IA faz um óptimo trabalho e por vezes é árdua de acompanhar, ao ponto de perdermos várias posições ao mínimo erro e ser difícil voltar a conquistar a posição dianteira. Os primeiros têm a vantagem de poder apanhar algum power up mais proveitoso, enquanto que os últimos ficam com o que sobra. No entanto, há múltiplas formas de ganhar posições. Tirar partido das manobras como o voo rasante que faz aumentar o "boost", dá uma pequena vantagem. A escolha da aeronave em função da pista também pode fazer diferença, com oito novos aparelhos para um total de 16. A personalização é incentivada graças às múltiplas "skins", embora o efeito disto seja mais relevante ao nível do multiplayer.

As aeronaves variam de características; velocidade, condução, equipamento, desenho etc. Nem todas estão disponíveis de início. São desbloqueadas à medida que avançamos pelas diferentes fases da campanha. Maioritariamente são máquinas de recreio, embora com uma boa dose de imaginação. Dos clássicos biplanos aos futuristas, há imensas opções para descobrir e explorar, tanto no contexto da condução como na perseguição aos rivais, lançando a metralhadora e os projécteis como forma de ataque. A condução é bastante arcade e simples, generosa ao ponto de permitir que pequenos embates ou toques em paredes não bloqueiem o avanço. Mas embates em cheio não são tolerados e acabam numa bola de chamas, com respawn imediato do aparelho e a perda de preciosos segundos.

2
Junto ao solo, em voo rasante, aumenta o boost.

Um Mario Kart sobre asas

Com tantos "power ups" disponíveis, diferentes regras de objectivos por corrida e pistas em forma de circuito, a sensação que dá ao voar é uma espécie de kart sobre asas. Por vezes a gestão dos power ups é tão frenética que nos sentimos entre o caos, a perder sucessivas posições em carambolas de fogo ou acções que nos retardam o avanço. Mesmo a obtenção da posição dianteira não permite grandes vantagens, somos mais um alvo à mercê de um míssil ou de uma bomba do avião que segue no encalço, quando escutamos o barulhinho do míssil na nossa direcção e tentamos aquelas manobras de evasão ao estilo Top Gun.

A condução e todos os momentos de acção são interessantes. A jogabilidade é desafiante e as diferentes aeronaves proporcionam corridas com alguma indefinição. Tanto podemos partir na última volta em último e vencer, como entrar na derradeira volta à frente para perder, logo adiante, preciosas posições. Paira a incerteza sobre o vencedor e o grau de dificuldade é bastante aceitável. Mas este é um jogo que depressa conhece os seus limites. Os modos de jogo não são extensos, os layouts das pistas são escassos e nem a opção de correr no sentido oposto chega para obviar a uma clara limitação dos percursos, que se estende também às aeronaves, para além de um design algo datado no tempo.

Skydrift Infinity é um daqueles jogos do tipo arcade que resulta bem para umas corridas breves e um modo campanha com alguma longevidade, mas conta com limitações nas consolas, ao correr a 30fps, com visuais algo datados e poucos modos de jogo. E, por último, os melhoramentos deste remaster não chegam para levar a cabo uma boa distinção perante o original. É pena que seja praticamente o mesmo jogo de 2011, pois de outro modo, com mais algumas mexidas e conteúdo suplementar capaz de fazer a diferença, poderia destacar-se, dez anos depois. Não é o caso, ainda que para quem não jogou o original e queira disputar umas corridas aéreas sem a complexidade de um simulador ou de um Ace Combat, encontra aqui uma proposta com alguma asa.

Prós: Contras:
  • Corridas rápidas e desafiantes
  • Manobras das aeronaves
  • Esquema de power ups
  • Modo campanha
  • Diferentes tipos de corridas
  • 4 jogadores em multiplayer local
  • Limitado a 30fps nas consolas
  • Visuais sem grandes melhorias
  • Poucos conteúdos face ao original

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (2)

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (2)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários