Razer Barracuda X review - Um headset para todos dominar

Versátil, confortável e leve, mas com compromissos.

O novo Barracuda X da Razer foi desenhado a pensar na versatilidade e nos utilizadores que querem apenas um headset para múltiplas plataformas. Afinal, ter que comprar mais do que um headset devido a problemas de compatibilidade parece um desperdício de dinheiro e só vai deixar o teu setup com menos espaço para outras coisas. A grande vantagem do Razer Barracuda X é a sua compatibilidade com quatro plataformas: PC, PlayStation, Nintendo Switch e smartphones com entrada USB-C. É essencialmente um headset desenhado para reinar sobre os restantes no que toca a compatibilidade e versatilidade, resta é saber como se comporta nos diferentes tipos de uso.

A versatilidade deste headset começa a ser visível a partir do momento em que abres a caixa. Para além do headset, vais encontrar três cabos e um dongle USB-C que serve de receptor wireless. Os cabos são de 3.5 mm, USB-C para USB-A, e um USB-A com extensor USB-C na outra ponta (para que possas encaixar o receptor e garantir compatibilidade com plataformas mais antigas). O Barracuda X não é um headset bluetooth, usa a tecnologia proprietária Hyperspeed Wireless da Razer para assegurar que a latência é mínima. Isto explica a necessidade para a existência do dongle USB-C, visto que nenhuma consola tem suporte nativo para este protocolo de comunicações.

Com tantos cabos, sentimos falta de uma bolsa de transporte ou, pelo menos, de um pequeno saco para podermos arrumar as coisas seguramente, sem haver o risco de perder peças importantes (o dongle USB-C é bastante pequeno e pode-se perder facilmente). Em último caso, podes utilizar a própria caixa do headset como solução de arrumo, mas não é uma solução elegante.

Fácil de ligar, sem instalação de apps ou visita às definições

O Barracuda X funciona à primeira. É realmente fácil ligar o headset por wireless a qualquer plataforma. Apenas tens que inserir o dongle USB-C no smartphone ou numa consola como a Nintendo Switch ou PlayStation 5, e depois pressionar uns segundos no botão de ligar localizado no auricular esquerdo. Não precisas de configurar nada, nem de instalar aplicações. De realçar que o headset não é compatível com as consolas Xbox por wireless, mas funciona perfeitamente se ligares ao comando através do cabo de 3.5 mm.

Muito leve e confortável

A Razer desenhou este headset para ser mais leve do que todos os outros headsets semelhantes de marcas concorrências. O Barracuda X pesa apenas 250g e parece uma pena na nossa cabeça quando está colocado. Apesar da leveza, agarra-se bem. Não é um headset ideal para fazer exercício (não tem protecção contra o suor), mas experimentamos fazer umas corridas e uns saltos para testar a aderência e encaixe. Resultado: o headset praticamente não se deslocou. É perfeitamente viável se quiseres utilizá-lo fora de casa, desde que não esteja a chover.

Sem a típica estética gamer

Há quem fuja dos produtos gamer devido à frequente estética gritante e exagerada. O Razer Barracuda X não é mais chocante que um headset "normal" de marcas como a Sony ou Bose. Os produtos da Razer costumam ter detalhes ou pequenos elementos a verde para simbolizar a marca, mas o Barracuda X é completamente preto. O logótipo da marca está na parte exterior de ambos os auriculares, mas não está pintado com nenhuma cor - tem apenas um contorno que reflecte ligeiramente a luz. Uma vantagem deste headset é que o microfone é removível, adaptando-se facilmente a situações em que não necessitas de comunicar.

O som tem qualidade?

As drivers do Barracuda X são baseadas no design TriForce presente no BlackShark V2, um headset que tem uma nitidez sonora muito boa e aprimorada para ouvires os pequenos detalhes enquanto estás a jogar competitivamente. No entanto, para reduzir o peso e o tamanho, a Razer diminuiu essas drivers de 50 mm para 40 mm. Tecnicamente, drivers maiores não correspondem automaticamente a qualidade de som, mas neste caso, a qualidade sonora fica abaixo daquilo que outros headsets da marca oferecem. O som não é terrível, mas não impressiona. Falta-lhe impacto e graves mais poderosos. Quando colocas o som no máximo, pode sair um pouco distorcido.

20210712153145_IMG_1187

Quanto ao microfone, tem um padrão de captura cardioid, afinado para capturar sobretudo a área da tua voz. Tem também supressão de barulhos para que os teus companheiros não ouçam o teu cão a ladrar ou sons irritantes vindos de uma ventoinha ou ar condicionado. Na ponta o microfone tem uma pequena esponja que ajuda ainda mais a eliminar sons indesejados. A qualidade do microfone não é tão "clara como cristal" como a Razer promete - nota-se que o som é ligeiramente abafado devido à supressão de barulho - mas ninguém vai ter problemas em perceber as tuas palavras. Para um microfone que pode ser removido, está muito bom.

O plástico predomina nos materiais

O Barracuda X é bastante leve e confortável devido à construção em plástico pouco espesso, mas isso tem um inconveniente: o headset aparenta ser um pouco frágil. Por um lado, a Razer desenhou o headset para ser versátil e para que o possas usar em qualquer ocasião. Por outro, os materiais dão a sensação de fragilidade. O headset não se vai desfazer em mil pedaços se cair ao chão, mas não me sentiria confortável em colocá-lo numa mochila juntamente com outras coisas ou numa mala. O arco que une os dois auriculares tem uma fina peça de metal para dar sustento à estrutura, se bem que se dobra muito facilmente e com pouca resistência.

Um headset de vários ofícios, mas não é mestre de nenhum

Ultimamente, o Razer Barracuda X faz aquilo a que se propõe: é um headset excepcional se procuras compatibilidade com diversas plataformas de gaming. É até viável para utilização fora de casa graças a uma direcção estética minimalista, ainda que não tenha outras funcionalidades como cancelamento de som e protecção contra gotículas e poeira. Na qualidade sonora, não passa do satisfatório. Não vais ficar desiludido, mas também não ficarás encantado. Há outros headsets da marca melhores neste quesito, mas claro, falta-lhes esta versatilidade. Há que escolher o que consideras melhor e mais importante para ti. Um dos destaques do Barracuda X é a bateria, que dura até 20 horas (mais do que a concorrência). Não é um headset perfeito, mas por 99,99 euros está bem colocado. É um preço justo para aquilo que oferece.

Prós: Contras:
  • Extremamente leve, esqueces-te que o tens na cabeça
  • Grande compatibilidade e versatilidade
  • O microfone pode ser removido
  • Estética stealth
  • Preço justo
  • O som não tem a mesma qualidade de outros headsets da Razer
  • Não tem bolsa de transporte
  • Construção frágil

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (0)

Sobre o Autor

Jorge Loureiro

Jorge Loureiro

Editor

É o editor do Eurogamer Portugal e supervisiona todos os conteúdos publicados diariamente, mas faz um pouco de tudo, desde notícias, análises a vídeos para o nosso canal do Youtube. Gosta de experimentar todo o tipo de jogos, mas prefere acção, mundos abertos e jogos online com longa longevidade.

Conteúdos relacionados

PlayStation 5 review - Uma consola premium

Sony entrega uma verdadeira experiência de próxima geração.

Razer Viper - Análise - O Ferrari dos ratos

Cliques ultra-rápidos para quem procura o melhor.

Digital Foundry | Nvidia GeForce RTX 2080 Super - Análise - Evolução, não revolução

Mais núcleos, mais frequências e RAM melhorada - mas será assim tão rápida?

Também no site...

Comentários (0)

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários