Deathloop não é um roguelike, é um jogo de história

Não entendes o conceito? Nós explicamos.

Deathloop da Arkane Studios é um jogo que tem levantado muitas dúvidas e questões. Para além do facto de ser uma nova propriedade intelectual, o conceito apresentado nos trailers e gameplays não é imediatamente compreensível. Até agora muitos acreditavam que o jogo se trata de um roguelike como Hades, Returnal e Deadcells, mas Dinga Bakaba, o director do jogo, afastou essa hipótese num evento digital recente ao qual tivemos a oportunidade de assistir. É verdade que Deathloop pede elementos emprestados ao género roguelike - por exemplo, o loop temporal é reiniciado no final de cada dia e tens que começar de novo se não encontrares uma forma de quebrar o ciclo - contudo, Dinga Bakaba insiste que Deathloop está mais próximo de um jogo tradicional com campanha / história, dentro dos moldes de Dishonored.

Do que vimos, Deathloop é um cocktail de vários conceitos, misturados meticulosamente para dar origem a um título que pode ser visto como uma sequela espiritual de Dishonored, mas também uma nova interpretação do género roguelike. A jogabilidade é descrita como Dishonored com armas de fogo, envolvendo também muitas habilidades especiais. Pode ser um jogo rápido, com muita acção, mas o stealth é viável e recomendado mediante a situação. Há, tal como em Dishonored, foco na verticalidade e na exploração dos cenários para encontrar variadas formas de eliminar um alvo (existe sempre mais do que uma forma) e toda a acção decorre num sítio chamado Black Reef, composto por quatro distritos que podemos visitar em quatro períodos diferentes do dia: de manhã, ao meio-dia, de tarde, e à noite.

Como quebrar o loop temporal?

A personagem que controlamos é Colt, um assassino que se vê preso dentro do loop temporal criado pelos Visionários, um grupo de cientistas que deseja encontrar uma forma de viver para sempre. O desafio de Deathloop é encontrar uma forma de escapar deste ciclo eterno, o que segundo a teoria de Colt, envolve assassinar os Oito Visionários que podem ser encontrados nos diferentes distritos de Black Reef. A Arkane Studios descreve o seu novo jogo como uma campanha de puzzles e assassínios porque conseguir assassinar os oito visionários dentro do ciclo temporal é como resolver um grande puzzle. Um ciclo temporal é o equivalente a um dia, que está dividido nos períodos já referidos em acima. Quando passas pelos quatro períodos de um dia - manhã, meio-dia, tarde, e noite - o ciclo reinicia e começa de novo.

O teu conhecimento de Black Reef e das suas diferentes áreas vai aumentado a cada ciclo. Além disso, é possível tornar Colt mais forte e evoluir as suas habilidades, com o jogo a tornar-se mais fácil com o tempo (foi dito que inicialmente é bastante desafiante). No vídeo de jogabilidade a que assistimos, Colt descobre a combinação para um cofre. A combinação ficará contigo para sempre e repete-se a cada ciclo, ou seja, das próximas vezes que passares por aquele sítio, vais saber como abrir o cofre. É um exemplo de como o jogo vai ficando mais acessível. O que é interessante em Deathloop é que podes descobrir novos locais para explorar conforme o período do dia, ou seja, uma área pode estar fechada se visitares à noite, mas podes estar aberta se passares por lá de manhã.

O jogador tem a liberdade para saltar arbitrariamente entre períodos temporais, o que facilita bastante a exploração. Por outras palavras, não és obrigado a repetir o ciclo manhã > meio-dia > tarde > noite, podes simplesmente começar de tarde, saltar para manhã, depois ir para a noite, e terminar no meio-dia. A cada morte, esgotas um período temporal. Basicamente, se morreres de manhã, tens que esperar pelo próximo ciclo temporal para poder jogar novamente nesse período. Usando esta mecânica, o puzzle de Deathloop é encontrar uma forma de assassinar os oito alvos (os visionários) no ciclo de um dia. Para isso terás que explorar muito bem Black Reef, obtendo novas informações - nomeadamente, onde podes encontrar cada alvo num período temporal - e evoluíndo Colt para teres acesso a melhores habilidades e armas.

O teu mundo pode ser invadido por outro jogador

Deathloop não foi apenas influenciado pelo género roguelike, há elementos da série Souls. O teu jogo pode ser invadido por outro jogador na pele de Julianna, descrita como a pior inimiga de Colt. Julianna é uma das visionárias e acredita que o seu propósito é proteger o eterno ciclo temporal, dedicando-se exclusivamente a impedir Colt de completar a sua missão. Não foi explicado como é que os jogadores podem jogar com Julianna (ou se é possível jogar offline para não ser invadido), mas sabemos que é uma personagem com a sua própria evolução - separada da evolução de Colt. Jogando na pele desta personagem, há uma série de objectivos que vão aparecendo, como causar uma certa quantidade de dano a Colt, por exemplo.

"O teu jogo pode ser invadido por outro jogador na pele de Julianna, descrita como a pior inimiga de Colt"

A presença de um jogador inimigo certamente torna Deathloop um jogo mais interessante, para não dizer desafiante. Os trailers mostram bastante acção, mas inicialmente será difícil replicar isso. O director do jogo disse que no início o stealth é praticamente obrigatório para sobreviver. Apesar de existir eventualmente exploração, a secção inicial é linear, uma forma de introduzir o jogador às diferentes mecânicas e estilo do jogo. Se estás com medo da dificuldade, relaxa. Dinga Bakaba admite que o seu jogo não é propriamente casual, mas vende-o como mainstream, requerendo apenas algum tempo para aprender como funciona. "Um jogo mais atípico do que complexo", foram as suas palavras.

Depois de bastante confusão e discussão acerca do tipo de jogo que Deathloop é, este evento veio seguramente aclarar as ideias e acalmar quem receava que este seria mais um roguelike muito desafiante. Não tivemos, infelizmente, a oportunidade de jogar, o que ajudaria ainda mais solidificar as nossas impressões, mas o nosso interesse e curiosidade subiram consideravelmente depois do que vimos e do que nos foi dito. Agora é esperar pelo lançamento: Deathloop será lançado em exclusivo para a PS5 a 14 de Setembro de 2021.

Salta para os comentários (5)

Sobre o Autor

Jorge Loureiro

Jorge Loureiro

Editor

É o editor do Eurogamer Portugal e supervisiona todos os conteúdos publicados diariamente, mas faz um pouco de tudo, desde notícias, análises a vídeos para o nosso canal do Youtube. Gosta de experimentar todo o tipo de jogos, mas prefere acção, mundos abertos e jogos online com longa longevidade.

Conteúdos relacionados

Battlefield deve ser visto como um serviço, diz EA

Fala em elementos “gratuitos para começar a jogar”.

Halo Infinite poderá ter modo Battle Royale

Ficheiro de áudio na beta assim sugere.

Novo Call of Duty Mobile em desenvolvimento

Activision quer manter aposta nesta plataforma.

Chernobylite - review - Radioatividade

Conceitos interessantes sem a robustez necessária.

Também no site...

Produtor de Project Zero quer desenvolver uma nova sequela

Espera que o relançamento do mais recente ajude nisso.

Switch acima os 89 milhões de unidades vendidas

Mario Kart 8 DX acima dos 37 milhões de unidades vendidas.

Battlefield deve ser visto como um serviço, diz EA

Fala em elementos “gratuitos para começar a jogar”.

Comentários (5)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários