O que estamos a jogar - 10 Abril

Rise, League, Destiny e Guilty Gear.

10 de Abril de 2021

Olá, bem-vindo a esta nossa rúbrica semanal, na qual falamos de alguns dos jogos que temos jogado nas últimas semanas ou que ainda estamos a jogar nestes dias de confinamento. Estes são os jogos que nos entusiasmam e que mesmo com tempo limitado, não conseguimos resistir a jogar.

Nós por aqui temos sempre muito que fazer, sempre atarefados com novos jogos, novidades da indústria, e claro, há que manter a nossa comunidade informada e a par de que se passa. Tentámos chegar a todo o lado, e isso retira-nos aquele tempo especial para relaxarmos e jogar o que mais amamos. Há sempre aquele jogo especial que não conseguimos largar, e agora irão ficar a saber o que temos andado a jogar às "escondidas".

Guilty Gear Xrd: Rev. 2 (PS4)

2

As promoções nas lojas digitais são por vezes uma tentação e há pechinchas impossíveis de evitar. Nas promoções recentes da PlayStation Store comprei o jogo Guilty Gear Xrd: Rev 2 por um euro e dezanove cêntimos. Refiro que o jogo foi lançado em 2017 para a PS4, PC e arcadas japonesas, onde é um fenómeno. Na altura do lançamento, o jogo recebeu algumas críticas devido à inclusão de poucas personagens face à versão anterior. No entanto, possui imensos modos de jogo e as personagens fazem a diferença numa história com novos caminhos explorados.

Jogo Guilty Gear desde a PlayStation, embora só nas consolas PS3 e PS4 tenha jogado por mais tempo, após Blazblue. Mesmo não integrando o meu top 3 de séries de fighting games favoritas de sempre, sou admirador deste trabalho da Ark System Works. Creio que o grau de dificuldade com que acolhe um novato na série pode ser visto como um teste e um desafio à complexidade estratégica de combate. Existe uma base muito grande de trabalho, sobretudo em aprender a dominar bem qualquer personagem. De resto, comprime uma arte interessante e na cena musical abre com grandes doses de rock'n roll. Não direi que Xrd: Rev 2 me tenha levado a mudar aquilo que pensava anteriormente sobre a série. Que não é fácil começar a jogar como acontece num Street Fighter ou até um King of Fighters, mas oferece um conteúdo respeitável e que nas mãos de um jogador bem treinado é de uma liga à medida dos melhores.

Vítor

League of Legends

Chogath_0

Esta semana estive bastante ocupado no geral, por isso o tempo para jogar fora do horário de trabalho não foi muito. Continuei a minha lenta jornada em League of Legends para chegar a nível 30 (estou agora a nível 22). Nestas últimas partidas Cho'gath tem sido o meu Champion de eleição. Adoro a mecânica do seu Ultimate, que à medida que vai comendo jogadores adversários e criaturas, vai crescendo em tamanho e poder. Um Cho'gath bem alimentado é um tanque difícil de derrotar e um terror para a equipa adversária.

O processo de aprendizagem de League of Legends tem sido satisfatório. Gosto de novos desafios e este é um jogo com imenso para aprender. Dito isto, há definitivamente um problema de contas Smurf e de jogadores AFK, pelo menos por enquanto. Espero que à medida que o meu nível for subindo, que estes problemas diminuíam. Ainda assim é frustrante ter que lidar com companheiros de equipa que de repente não saem da base (uma enorme desvantagem para o resto da equipa) ou jogadores com anos de experiência que decidem criar uma nova conta ou pedir a conta emprestada a um amigo para aumentarem o ego a derrotar jogadores menos experientes.

A Riot Games devia mesmo arranjar uma solução. Jogadores menos pacientes e determinados podem desistir do jogo nos primeiros níveis.

Jorge

Destiny 2 (PC)

Esta semana dei por mim a regressar a um dos videojogos que mais joguei em toda a minha vida como jogador, contando é claro com o original, e agora a sequela. Estou a falar de Destiny 2, que larguei há quase 2 anos para agora lá voltar e matar um pouco as saudades. Seja jogado com amigos, que é a melhor forma de o jogar, e até numa de lobo solitário a percorrer os inúmeros eventos disponíveis. Raids, Strikes, Gambit, Crucible, e por aí fora, há sempre muito para fazer em Destiny 2, embora sejam atividades que se tornam repetitivas, mas qual é o jogo que ao fim de algum tempo não se torna repetitivo?

Depois de tanto tempo afastado, vem sempre à memória o porquê de ter largado Destiny 2, que volta a criar a mesma impressão. Há muito a sensação de se ter de estar permanentemente a jogar para não ficar afastado da meta do jogo, o denominado FOMO (fear of missing out). Sejam as armas, as armaduras, e respetivos mods. Evidentemente que o podemos encarar de forma mais despreocupada, mas este jogo não permite isso, temos sempre o pendor para sermos o mais eficazes possível e estar a par de igualdade com o resto da comunidade. Se não o fizermos corremos o risco de sermos passados a ferro nas partidas multijogador e não conseguirmos terminar aqueles eventos mais exigentes.

Adolfo

Monster Hunter Rise (Nintendo Switch)

1

A chegada de Monster Hunter Rise trouxe para a minha vida uma nova obsessão e após terminar a campanha, continuo a jogar para adquirir os sets High Rank que ainda quero apanhar. Após caçar diversas vezes Magnamalo, para fabricar a Longsword com Blast e ainda o Martelo, sem esquecer o seu set de armadura High Rank porque simplesmente adoro o design visual, estou agora a terminar de caçar repetidamente Rajang para fabricar a sua armadura, que curiosamente fica vistosa quando escolhes rosa como a cor predominante. Após isto, terei de me focar em caçar Goss Harag e fabricar a sua armadura e mais algumas armas de diversos elementos.

Numa semana em que passei a maior parte do tempo numa luta com os servidores de Outriders, não consegui de forma alguma deixar Monster Hunter Rise parado e antes da grande atualização que chega no final deste mês, continuei a meter mais algumas horas neste monstruoso jogo que simplesmente adoro e não consigo largar. O mais fascinante em Rise é como ajustou a dificuldade para tornar a experiência mais dinâmica e sejam 30 minutos ou 3 horas, o jogo adequa-se na perfeição ao teu tempo e estilo de vida. É mesmo caso para dizer que Monster Hunter Rise na Nintendo Switch tornou-se irresistível.

Bruno

Salta para os comentários (17)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Ubisoft esclarece que não desenvolverá menos AAA para se focar em f2p

O objetivo é ter mais f2p de alta qualidade em conjunto com os AAA premium.

Ubisoft muda de estratégia e deixará de lançar 3 a 4 AAA por ano

Optará por se focar em jogos f2p de alta qualidade.

Valve sugere que lançará mais jogos nas consolas

Diz que ainda este ano apresentará algo nesse sentido.

Também no site...

Digital Foundry | Resident Evil Village PC é dececionante e precisa de trabalho

Bugs, glitches e stutters tiram o brilho de um grande jogo.

Rumor: God of War Ragnarok não chega em 2021

Horizon Forbidden West será o grande lançamento do final de ano.

FIFA 21 Champions Edition é o destaque das novas promoções da PS Store

Tony Hawk 1+2 e Crash Bandicoot 4 também com desconto.

Comentários (17)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários