Peter Moore defende que o Ultimate Team de FIFA não é o equivalente a apostas

Trabalhou na EA até 2017.

Alguns países europeus como a Bélgica e a Holanda já determinaram que as loot boxes dos videojogos são o equivalente a apostas, o que obrigou companhias como a EA a remover este tipo de microtransacções de jogos como FIFA.

Apesar disto, o modo Ultimate Team - o mais lucrativo para a EA devido aos muitos jogadores que continuam a comprar packs que incluem jogadores - continua em alta bem como o debate se podemos considerar esta forma de monetização como um equivalente à forma tradicional de apostas e jogo em casinos.

Para Peter Moore, que trabalhou na EA durante 10 anos até 2017 e passou por altos cargos como Chief Operating Officer, não existem dúvidas: o modo FIFA Ultimate Team está muito longe das apostas tradicionais.

Em conversa com o Games Industry, Moore comparou o Ultimate Team ao entusiasmo de coleccionar as cartas que vinham incluídas nos maços de tabaco nos anos 20 e 30. De acordo com o mesmo, a experiência de abrir algo sem saber o que está no interior é apelativa.

peter_moore
Peter Moore saiu da EA em 2017 para se tornar no CEO do Liverpool FC. Actualmente é o director da Nifty Games.

"As pessoas adoravam", disse Moore. "Penso que a sensação de incerteza, de perguntares 'O que vou receber?' e depois pumba, sai um Ronaldo ou Messi, é uma sensação maravilhosa".

Um dos pontos do argumento de Peter Moore - de que recebes sempre alguma coisa - já é conhecido e foi referido anteriormente por outros defensores das loot boxes. "Estás sempre a receber alguma coisa," disse Moore. "Não é como se abrisses e não houvessem jogadores lá dentro".

Embora isto seja verdade, nem sempre os jogadores são úteis ou desejados. Os jogadores abrem os packs na expectativa de receber os melhores ou os mais recentes jogadores e as probabilidades de isto acontecer são baixas.

Ainda assim, Moore explica que "o conceito de surpresa e satisfação contra aposta... num espectro contínuo, estão muito longe um do outro". Para o ex-executivo da EA não há nada de errado em "comprar ou grindar um gold pack, abri-lo, e ficar contente ou achar que não prestou.

"Não vejo isso como gambling," sublinhou, dizendo que é a sua visão pessoal.

O que Peter Moore não aborda são os comportamentos de jogadores muito similares a jogadores viciados em apostas, que gastam pequenas fortunas em packs ou outro tipo de loot boxes para obterem os melhores jogadores e as novidades mais recentes.

Salta para os comentários (17)

Sobre o Autor

Jorge Loureiro

Jorge Loureiro

Editor

É o editor do Eurogamer Portugal e supervisiona todos os conteúdos publicados diariamente, mas faz um pouco de tudo, desde notícias, análises a vídeos para o nosso canal do Youtube. Gosta de experimentar todo o tipo de jogos, mas prefere acção, mundos abertos e jogos online com longa longevidade.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (17)

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários