Escolhas dos Leitores 2020 - 40 ao 31

Fall among Dreams.

Estamos de volta com mais uma parte da lista dos 50 Melhores Jogos de 2020 da nossa comunidade.

Tu votaste e ajudaste a criar uma tabela com os melhores jogos de 2020 para os leitores do Eurogamer Portugal e está agora na hora de descobrir que diferentes pessoas têm diferentes gostos e carteiras.

Após a primeira parte da lista, onde já vimos jogos como Destiny 2: Beyond Light e Call of Duty: Black Ops Cold War, temos agora uma nova parte da lista com imensos nomes conhecidos. Curiosamente, dois dos maiores e inesperados fenómenos do ano surgem já aqui, antes de entrarmos no meio da tabela.

Este é um ano marcado pela chegada de novas consolas, mas alguns dos principais lançamentos de 2020 são os cantos de cisne dados pelas consolas de anterior geração. Além disso, temos a Nintendo Switch em pleno fulgor a debitar sucesso atrás de sucesso.

Sem mais demora, vamos a mais uma lista com 10 jogos:

40. World of Warcraft: Shadowlands

39. Among Us

  • Estúdio: InnerSloth
  • Editora: InnerSloth
  • Plataformas: Xbox One, Switch, PC, iOS, Android
  • Compra na Worten

38. Super Mario 3D All-Stars

O que dissemos na nossa análise: Super Mario 3D All-Stars é uma compilação fantástica se olhares para os jogos que estão nela presentes, já de si galácticos. São três dos mais memoráveis títulos no rico trajecto da Nintendo ao longo dos anos, no entanto, existe uma sensação de esforço mínimo, o que poderá ser encarado por alguns como uma forma de preservar fielmente os jogos, enquanto outros vão encarar como uma oportunidade perdida para introduzir pequenos refinamentos, especialmente nos sistemas de câmara. A sensação de esforço mínimo, a ausência de Super Mario Galaxy 2 e as secções com controlos por toque em Super Mario Galaxy (especialmente nefastas para quem jogar na Switch Lite) não lhe permitem figurar como uma compilação verdadeiramente definitiva.

romariooliveira disse: Melhores clássicos de todos os tempos :)

the_driver disse: 3 clássicos absolutos num só pacote. É certo que a nintendo poderia ter feito muito mais, ainda assim esta coletânea é obrigatória para todos os que possuem uma switch.

37. Mortal Kombat 11 Ultimate

  • Estúdio: NetherRealm Studios
  • Editora: Warner Bros. Games Interactive
  • Plataformas: PS5, Xbox Series, PS4, Xbox One, Switch, PC
  • Compra na Worten

pedrojamess disse: Contando com um extenso leque de lutadores, muita violência e uma jogabilidade acessível (tão boa que até a minha mãe aprendeu a jogar e se viciou no jogo), Mortal Kombat 11 Ultimate é um dos melhores beat n up dos últimos anos. Peca pela progressão de recompensas propositadamente lenta para investirmos dinheiro em micro-transações, mas mesmo assim, isso não impossibilita que seja um dos jogos que mais adorei jogar este ano.

36. Dreams

  • Estúdio: Media Molecule
  • Editora: Sony Interactive Entertainment
  • Plataformas: PS5, PS4
  • Compra na Worten

O que dissemos na nossa análise: Mas para responder mais directamente à questão que eu próprio coloquei, sim, vale muito a pena! Dreams é uma das coisas mais fascinantes e poderosas que surgiu no mundo dos videojogos. A Media Molecule conseguiu simultaneamente criar uma plataforma que é a casa de um número crescente de jogos e ferramentas criativas que são acessíveis aos utilizadores comuns. É um produto sem igual e que continuará a ficar cada vez melhor com o passar do tempo, à medida que mais e mais pessoas se envolverem neste ecossistema de criação partilhada.

QueAnoReeves disse: Uma excelente ferramenta para jogadores leigos realizarem seus próprios jogos. Espero que com o passar do tempo, os jogadores dominem bastante a ferramenta, ao ponto de se igualar com jogos indies.

striker29 disse: Procuras um jogo em que possas dar asas à tua imaginação, podendo criar ou fazer parte dos sonhos de imensas pessoas vivenciando a sua criatividade? Tens aqui a resposta.

35. Borderlands 3

  • Estúdio: Gearbox Software
  • Editora: 2K Games
  • Plataformas: PS5, Xbox Series, PS4, Xbox One, PC
  • Compra na Worten

O que dissemos na nossa análise: Portanto, Borderlands 3 continua a ser, para o bem e para o mal, mais Borderlands. Se é isso que procuras, vais ficar satisfeito. Na nossa experiência, para um jogo que te pede para despender de dezenas de horas, sentimos falta de variedade tanto no tipo de missões como nos inimigos, que se repetem demasiado. Costumo dizer que todos os jogos são, inevitavelmente, repetitivos, mas há jogos em que se sente isso muito mais do que outros. Este é um desses jogos. Também há coisas positivas a destacar, nomeadamente o gampelay e a quantidade de armas existentes. Isso continua a ser o ponto mais forte de Borderlands 3. Ultimamente, fica a sensação de que a Gearbox podia ter feito mais. Invés disso, fez um jogo que está demasiado próximo dos anteriores e que falha em renovar-se.

34. Fall Guys: Ultimate Knockout

  • Estúdio: Mediatonic
  • Editora: Devolver Digital
  • Plataformas: PS5, PS4, PC
  • Compra na Worten

O que dissemos sobre o jogo: Até agora a Mediatonic está a gerir muito bem o sucesso que alcançou. Fall Guys tem recebido actualizações e ajustes regulares, sejam novos conteúdos ou medidas para combater os batoteiros (que tendem sempre a aparecer nos jogos mais populares). Novos conteúdos já estão programados para Outubro, com o início da Season 2 que terá um tema medieval. Não restam dúvidas que este é um dos títulos que já marcou 2020 e que seguramente vai influenciar outros jogos do género Battle Royale..

Ninjice disse: Foi a surpresa do Verão, um party game bastante divertido e colorido, perfeito para períodos curtos de jogatina e com amigos.

TheShyGuy disse: Nunca pensei que um jogo tão simplista como este viesse a chamar tanto a atenção. No final de contas, a Internet mostrou mais uma vez o poder que tem para colocar no centro das atenções uma coisa tão pequena como esta (e, infelizmente, com a mesma velocidade que ganhou popularidade, também a perdeu), algo que aconteceu similarmente com Among Us, mostrando a todos um jogo que poderia passar ao lado de todos com uma facilidade imensa. Mas a partir do momento que se toca no jogo, a vontade de sair é quase inexistente, pelo menos, até se ganhar a bendita coroa! As cores, a simplicidade dos gráficos e da gameplay e a diversão imensa são os fatores chave desta obra de arte que, para uns, pode ser uma verdadeira seca, enquanto que, para outros, foi uma das suas salvações neste ano complicado!

33. F1 2020

  • Estúdio: Codemasters
  • Editora: Codemasters
  • Plataformas: PS5, Xbox Series, PS4, Xbox One, PC
  • Compra na Worten

O que dissemos na nossa análise: A caminhar para uma década de ligação à categoria máxima do desporto automóvel da FIA, todo o esforço da Codemasters parece capitalizar nesta versão 2020, embora seja um jogo mais representativo pelo somatório de evoluções e ligações ao longo dos anos, do que pelo seu valor individual, que tem no modo My Team a grande novidade. Desde que o negócio da F1 passou a ser gerido pelos americanos da Liberty Media Corporation que a Codemasters beneficiou um acesso às licenças sem precedentes. Isso trouxe mais autenticidade, uma identificação maior do produto enquanto elo de ligação com os fãs. Se isso pode ser um ponto de partida, o fluído que corre nesta experiência é o realismo e a manutenção de sensações de velocidade, aquilo que mais distingue a condução de um poderoso monolugar. Todo o conjunto enriquece a experiência, divertida e mais uma vez capaz de chegar ao pódio.

32. Watch Dogs: Legion

  • Estúdio: Ubisoft
  • Editora: Ubisoft
  • Plataformas: PS5, Xbox Series, PS4, Xbox One, PC
  • Compra na Worten

O que dissemos na nossa análise: Watch Dogs Legion é um jogo que nos deixa divididos. A mecânica de poder recrutar qualquer NPC que esteja a vaguear pela cidade é a sua maior força. A recriação detalhada de Londres é igualmente fantástica - a melhor visita virtual que podes ter actualmente da cidade. No entanto, o jogo é atormentando por várias coisas que afectam o aproveitamento que temos dele. Simplesmente não consegui ficar imerso na atmosfera do jogo e na sua narrativa. E tendo jogado os dois capítulos anteriores, podia haver uma evolução muito maior no conceito de poder hackear a cidade. Seis anos depois, a história repete-se. Tal como o primeiro jogo em 2014, Watch Dogs Legion é um jogo com potencial desperdiçado.

mestrerocha disse: Um bom jogo mas lançado apressadamente...faltou online e polimento para a geração PS4 para diminuir alguns bugs.

31. Hyrule Warriors: Age of Calamity

  • Estúdio: Koei Tecmo, Nintendo
  • Editora: Nintendo
  • Plataformas: Switch
  • Compra na Worten

O que dissemos na nossa análise: Hyrule Warriors: Age of Calamity é um dos melhores Musou e não apenas por usar a propriedade Zelda, mas simplesmente porque vai muito mais além do que o primeiro teve coragem de ir. O forte foco na narrativa, comum às melhores parcerias Musou, é glorificado na forma de uma prequela para o clássico The Legend of Zelda: Breath of the Wild e o gameplay com o toque da Team Ninja faz com que esta simples proposta se torne eletrizante e divertida. Só mesmo o toque da Nintendo para tornar um jogo de nicho numa atração mundial.

swrutra disse: Sobre a prequela cronológica de um dos melhores jogos de sempre pesava uma enorme responsabilidade. A Koei Tecmo honrou o seu compromisso e produziu um jogo digno de ser associado à franquia Zelda, que por todos os poros transpira continuidade visual e conceptual com Breath of the Wild. Muito mais do que um Musou não canônico, este é um episódio genuíno da série Zelda, embora focado nos combates.

Salta para os comentários (24)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (24)

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários