Immortals Fenyx Rising promete superar Breath of the Wild

Explorámos o novo jogo em mundo aberto da Ubisoft.

Apresentando originalmente na E3 2019 como Gods and Monsters, Immortals Fenyx Rising foi hoje re-baptizado no Ubisoft Forward. Numa nota pessoal, acho o novo nome horrível e preferia muito mais o original. A combinação das palavras não soa bem, como se tivessem sido tiradas de numa sopa de palavras aleatórias. Seja como for, isto é apenas um pequeno detalhe que diante de tudo o resto não é assim tão importante. Tal como a esmagadora maioria dos jogos da Ubisoft, Immortals Fenyx Rising é apresentando como um grande mundo aberto. Antes estas duas palavras eram por si só razão para entusiasmo, mas a verdade é que o género tornou-se saturado, genérico e muitas vezes mal aproveitado. Embora a Ubisoft tenha contribuído imenso para a expansão do género, é igualmente culpada pela sua consequente saturação.

A vacina para a saturação do género chegou em Março de 2017 com The Legend of Zelda: Breath of the Wild. É irónico que o jogo da Nintendo, que se apoia tanto no conceito de mundo aberto estabelecido pela Ubisoft, tenha conseguido superar de várias formas os jogos que o inspiraram, desde Far Cry a Assassin's Creed. Depois de ter jogado uma demo durante cerca de 3 horas, parece-me que Immortals Fenyx Rising é a resposta da Ubisoft ao sucesso e entusiasmo que Breath of the Wild gerou no lançamento da Nintendo Switch. Logo no início desta demo surge um momento equivalente ao vislumbre do "Great Plateau", em que podemos ver o grande mundo de Immortals Fenyx Rising diante de nós, aliciando à exploração.

"Immortals Fenyx Rising é a resposta da Ubisoft ao sucesso e entusiasmo que Breath of the Wild gerou"

Não diria que Immortals Fenyx Rising é um clone do jogo da Nintendo. É uma tentativa de evolução e que até corrige alguns dos pontos negativos apontados a Breath of the Wild, como a frustração das armas partidas e o foco desviado das tradicionais dungeons. Tal como a Nintendo se inspirou nos jogos da Ubisoft, a Ubisoft inspirou-se agora no jogo da Nintendo. A apresentação do mundo é semelhante e tens também uma barra de stamina para gerir os teus ataques e escaladas, mas há igualmente muitas diferenças, a começar pelo sistema de combate. Immortals Fenyx Rising é no seu núcleo um hack-and-slash que recompensa o timming correcto para te desviares dos ataques adversários e para fazeres parry. Para além dos muitos combos disponíveis através das combinações entre ataque leve e ataque pesado, tens poderosos ataques mágicos ao teu dispor. É um sistema de combate instantaneamente divertido e acessível, combinando com a apresentação animada do jogo.

A inspiração da Ubisoft para Immortals veio da mitologia grega, mas num tom muito mais descontraído do que God of War. Zeus e Prometheus são personagens sempre presentes na forma de narradores (pelo menos nesta demo, na versão final será um pouco diferente) e juntos explicam o que está a acontecer, lançando pelo meio algumas piadas. Para uma nova propriedade, tem um apelo inerente e que transpira a diversão. Não há como esconder que adorei o jogo e o excelente cocktail que a Ubisoft conseguiu alcançar entre os variadíssimos elementos. O mundo está cheio de dungeons para explorar (onde mergulhas para o submundo através de entradas vulcânicas) e de puzzles para resolver. Depois há elementos de fantasia como as asas de Icarus que nos permitem voar pelo cenário, pelo menos até que a barra de stamina se esgote. Mas esta está longe de ser a única forma de atravessar o cenário. Podes invocar um cavalo a qualquer momento ou simplesmente usar a super velocidade da tua personagem (que pode ser masculino ou feminino) para percorrer as diferentes áreas.

"É um sistema de combate instantaneamente divertido e acessível, combinando com a apresentação animada do jogo."

immortals_fenix_rising
Várias criaturas da mitologia grega aparecem no jogo.

Para um jogo desta escala, uma demo de três horas, embora sirva para formar primeiras impressões, sabe a pouco. Os puzzles que encontrei envolviam pegar em grandes cubos e colocá-los nas placas correctas para servirem de peso ou recorrer ao arco e flecha para activar dispositivos (uma das habilidades permite-te ter controlo sob a flecha como se fosse um avião tele-comandado). Os puzzles que envolvem o transporte de cubos recordam-nos novamente de Breath of the Wild, até porque a animação envolvida e método de transporte (levitação) é demasiado parecida. De facto, há coisas em que a Ubisoft parece ter levado a inspiração longe de mais e esta é uma delas. Outro detalhe que parece ter sido importado directamente do jogo da Nintendo é a possibilidade de domar cavalos selvagens, se bem que a mecânica envolvida é muito, muito mais simples.

Para todos os efeitos, Immortals Fenyx Rising é um jogo altamente promissor e que conjuga de forma impressionante o seu mundo aberto com acção e aventura. É um jogo complexo, cheio de mecânicas diferentes, e com possibilidade de evoluíres a personagem através de uma árvore de habilidades (que estava bloqueada na demo) e de equipamentos mais fortes. Definitivamente uma nova propriedade da Ubisoft com imenso potencial. Ficamos a ansiar por passar mais horas a jogar e a desbravar este mundo mitológico.

Immortals Fenyx Rising será lançado a 3 de Dezembro para PC, PlayStation 5, Xbox Series X | S, Nintendo Switch, PlayStation 4, Xbox One e Google Stadia.

Salta para os comentários (65)

Sobre o Autor

Jorge Loureiro

Jorge Loureiro

Editor

É o editor do Eurogamer Portugal e supervisiona todos os conteúdos publicados diariamente, mas faz um pouco de tudo, desde notícias, análises a vídeos para o nosso canal do Youtube. Gosta de experimentar todo o tipo de jogos, mas prefere acção, mundos abertos e jogos online com longa longevidade.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (65)

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários