Phil Spencer está farto das guerras de consolas e da toxicidade

"Não gastemos energia no 'o meu pedaço de plástico é melhor que o teu'."

Estamos num ano de transição de geração e apesar de nenhuma das duas novas consolas estarem nas lojas, a troca de ofensas e comentários desrespeitosos de pessoas que não querem aceitar que existem outras pessoas com gostos diferentes já são abundantes.

De um lado, temos pessoas que não querem deixar que outras peguem no dinheiro que ganharam à custa do seu suor e comprem o que querem, enquanto outras não entendem o porquê de todos os outros não gostarem do que elas gostam.

Phil Spencer, patrão da divisão Xbox, está farto disso e diz mesmo que quem perde o seu tempo em guerras de plástico e insultos devia investir a sua energia noutra coisa, em algo produtivo.

Numa conversa com o The Washington Post, via ResetEra, Spencer diz mesmo que a toxicidade da guerra de consolas não é benéfica para ninguém e que não entende o pensamento que uma companhia deve tombar para outra ter sucesso.

"Esta ideia que para a indústria crescer, algumas companhias têm de ter sucesso e outras devem falhar, não ajuda os videojogos a alcançar o potencial que poderia," começou Spencer sobre esta temática.

"Devemos ser motivados a ajudar os videojogos, enquanto indústria, a crescer, para os criadores correrem os maiores riscos que conseguirem. Quando um grande jogo é lançamento, devemos aplaudir, seja no PC ou PlayStation ou numa Switch."

Spencer diz mesmo que nem sequer imagina a indústria do cinema com esta linha de pensamento, na qual investem tempo a desejar que um estúdio ou empresa falhe apenas para que outra seja um sucesso. Além disso, diz que a recente luta pela acessibilidade e contra a toxicidade ajudou a perceber o que realmente está errado nos videojogos.

"Se vamos gastar energia, vamos gastá-la nessas coisas, não a gastem com 'o meu pedaço de plástico é melhor do que o teu pedaço de plástico'. Penso que não é uma conversa produtiva."

Num momento em que a Xbox prepara para levar os seus jogos ao máximo de dispositivos possível, através dos jogos na nuvem via Xbox Game Pass Ultimate, Spencer passa uma mensagem e apelo de união à indústria, livre de guerras por pedaços de plástico e da toxicidade que, infelizmente, muitos ainda acreditam fazer parte, quando não devia.

No entanto, a Xbox continua a preparar o lançamento de uma nova consola, a Xbox Series X, que chegará ao mercado como a mais poderosa consola, capaz de satisfazer as necessidades dos adeptos das consolas mais exigentes.

1

Salta para os comentários (127)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Epic já perdeu mais de 380 milhões de euros com a sua Epic Games Store

Investimento a longo prazo significa fundos perdidos.

Rumor: PlayStation prepara resposta ao Xbox Game Pass

Quer reagir à popularidade do serviço da Microsoft.

PS5 já vendeu mais do que a Vita, Wii U e Dreamcast no Reino Unido

A consola mais vendida pelo 2º mês consecutivo.

Também no site...

Comentários (127)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários