PlayStation Plus - 10 anos de Jogos e momentos memoráveis

Tudo começou com WipEout HD.

Foi a 29 de Junho de 2010 que os primeiros jogos PlayStation Plus ficaram disponíveis e ao longo destes 10 anos do serviço por subscrição da Sony Interactive Entertainment, tivemos momentos incríveis. Numa jornada pautada por altos e baixos, a Sony entregou à sua comunidade uma quantidade incrível de videojogos, que solidificaram o apelo de um serviço em constante mutação e adaptação às condições da indústria. O serviço que começou com o intuito de permitir o acesso a jogos, entregues a ritmo mensal, tornou-se rapidamente numa das principais faces da PlayStation e ainda hoje é um dos tópicos mais comentados no que diz respeito ao que acontece no mundo PlayStation.

A estreia a meio de 2010 foi recebida com incrível entusiasmo e após um início lento, o PlayStation Plus acabou por se tornar numa aposta mais do que segura para quem procura novos jogos a preço apelativo. Em Novembro de 2013, com a chegada da PlayStation 4, o serviço por subscrição conquistou um papel diferente ao tornar-se na forma de obter acesso aos modos online, mas a Sony também o torna numa forma de obter mais descontos na compra de jogos, acesso a betas ou demos e ainda outras ofertas promocionais.

No entanto, não estamos aqui para falar do que é o PlayStation Plus ou como passou por altos e baixos, falamos disso para comemorar os seus 5 anos de vida, por exemplo, mas antes para relembrar os grandes jogos que chegaram ao serviço e como se tornou numa das maiores referências no universo da PlayStation. Tudo começou em Junho de 2010, com o anúncio na E3 desse ano e consequente lançamento a 29 de Junho, passadas algumas semanas desse evento. Certamente que já poupaste algum dinheiro com a ajuda do PS Plus e os exemplos são mais do que muitos.

ps_plus_10_anos

O início na PS3 e a sede por jogos AAA

O PlayStation Plus nasceu com o intuito de recompensar uma anuidade de 49.99€ com jogos cujo valor facilmente ultrapassa os 200€. Ao longo destes 10 anos, os valores totais dos jogos oferecidos em cada ano variou, tal como a qualidade dos jogos (algo que dependerá sempre da perspectiva pessoal), mas tivemos grandes e recentes AAA ao lado de aclamados indies, sem esquecer os clássicos. A proposta inicial era mesmo essa, "permitir acesso a jogos PlayStation Network, minis e clássicos PS1". Pelo meio desta jornada, a acrescida responsabilidade e pressão sobre as ofertas mensais que o PS Plus recebeu, ao tornar-se no método de acesso aos modos online na PS4, gerou imensa discussão, mas uma viagem pela história do serviço mostra bem a dedicação da Sony.

WipEout HD, Age of Zombies, Fieldrunners e Destruction Derby foram os pioneiros no PS Plus, os primeiros jogos do serviço para os subscritores e o exemplo dos planos iniciais da Sony. Este foi o ponto de partida para muitos jogadores e uma amostra de um futuro no qual, sem dinheiro para comprar as mais recentes novidades ou investir em jogos a preço completo, podias recorrer às ofertas mensais para desfrutar de novos jogos enquanto poupavas para o grande AAA que tanto querias comprar e a carteira não esticava.

Olhando para 2010, encontrarás nomes como Ratchet & Clank: Quest for Booty e Super Street Fighter II Turbo HD Remix, como grandes exemplos do que a Sony apresentou nos primeiros 6 meses de vida do PS Plus. Meses marcados por experiências, clássicos PS1 e títulos de pequena escala, enquanto o serviço ia crescendo e procurando mais subscritores. Disponível na PS3 e mais tarde na PS Vita, o serviço viveu os primeiros dias como uma forma de obter clássicos e indies desconhecidos, algo que poderá tornar a lista inicial um pouco surreal de ver. Enquanto a Sony procurava fortalecer a sua visão do que significaria o PS Plus para os subscritores iniciais, o primeiro aniversário foi comemorado com Burnout Paradise.

2
Desde o início focado em indies e clássicos PS1 que a sede por jogos AAA recentes predomina como medidor de qualidade do serviço.

Esta foi uma das primeiras amostras de como o PS Plus se poderia tornar numa forma de acesso a grandes AAA aclamados e não apenas a bizarros indies ou clássicos PS1. Burnout Paradise foi lançado em Janeiro de 2008 e um ano e meio depois chegava ao PS Plus. Na altura, isto deu muito que falar, apesar de actualmente ser considerado banal, tal foi o crescimento no nível de exigência ao longo dos últimos anos. Costume Quest, Dead Nation e Tomb Raider: Underworld são outros exemplos de jogos que chegaram ao PS Plus no seu segundo ano de vida e mostraram como títulos de maior perfil poderiam fortalecer o apelo do serviço.

Numa consola sem retro-compatibilidade e perante a necessidade de satisfazer duas plataformas diferentes, a Sony foi aos poucos e poucos quebrando o molde focado na entrega de clássicos PS1 e títulos indie de menor escala, algo que começava a tornar-se na imagem do serviço e numa das maiores críticas. Basta olhar para a forma como a Sony comemorou o 2º aniversário do PlayStation Plus. Virtua Fighter 5: Final Showdown, Warhammer 40,000: Space Marine, Darksiders, Oddworld: Stranger's Wrath HD, inFamous 2, LittleBigPlanet 2 e MotorStorm: Apocalypse foram escolhidos para satisfazer esse desejo de ver o PS Plus como um serviço marcado por jogos de alto perfil. Foi a melhor amostra do potencial do serviço durante os primeiros anos de vida e uma demonstração do perfil de jogos nos quais a Sony estava disposta a investir perante o feedback recebido.

"Os últimos anos da PS3 como principal plataforma do PS Plus permitiram poupar imenso dinheiro em grandes lançamentos."

Perante o desejo de jogos AAA, a Sony marcou o segundo ano do PS Plus como um dos mais memoráveis. Através de jogos como os já referidos em cima, Dead Space 2, Deus Ex: Human Revolution, Just Cause 2, Red Dead Redemption, Ratchet and Clank: All 4 One, Bulletstorm, Uncharted: Golden Abyss, Gravity Rush, Vanquish e Batman: Arkham City, a Sony mostrou que os AAA tinham chegado definitivamente ao PS Plus. Podiam não chegar no dia de lançamento ou nas semanas seguintes, mas tornavam-se mais comuns. Foi uma forma de aproximar o serviço do feedback fornecido pelos jogadores numa fase inicial da sua vida e olhando para trás, mostra que a Sony ajustou rapidamente a sua postura.

BioShock 2, Sleeping Dogs, WipEout 2048, Mass Effect 3, Metal Gear Solid HD Collection, Okami HD, Hitman: Absolution, Catherine, Kingdoms of Amalur: Reckoning, Rayman Origins, Uncharted 3, Battlefield 3, Saints Row: The Third, Assassin's Creed 3, The Jak and Daxter Trilogy, Far Cry 3, Street Fighter X Tekken e Metal Gear Rising: Revengeance são sensacionais exemplos de como a Sony encerrou a fase do PS Plus com a PS3 como principal plataforma. Após Outubro de 2013, a Sony encarou o desafio de dividir o PS Plus por 3 plataformas e usá-lo não só como forma de obter acesso a jogos mensalmente, mas também como forma de obter acesso aos modos online dos jogos PS4. A responsabilidade ficou muito maior.

1
Nos últimos anos da PS3, a maior aposta em jogos de alto perfil era facilmente perceptível.

Estes últimos meses pré-actual geração, na qual era necessário poupar dinheiro para a compra de uma nova consola, o PS Plus assumiu um papel especialmente importante. Permitia jogar um maior número de jogos AAA e deixava para trás a ideia de um serviço para indies. Para quem precisava poupar dinheiro e queria na mesma jogar grandes nomes, tornou-se numa referência para os últimos dias da PS3. Estes últimos dias da PS3 como alvo principal do PS Plus ficaram marcados por jogos AAA e isto acabou por traçar a expectativa para o que seria feito na PS4. Como bem sabes, essas expectativas não foram cumpridas pois seria difícil iniciar uma nova geração a sustentar o serviço com marcantes jogos AAA.

A era PS4 e o desejo pelos AAA

A era da PS4 é intrigante para o PS Plus pois além de se tornar na principal plataforma para a Sony e para o serviço, significou que a companhia tinha de satisfazer 3 plataformas, a PS3, PS Vita e a PS4. Para quem comprou uma PS4 no lançamento, não restou muito dinheiro para jogos e graças ao PS Plus tenho uma das melhores memórias desta geração, uma pérola chamada Resogun. Desenvolvido pela Housemarque Studios (que já viu no PS Plus a esmagadora maioria dos seus jogos), Resogun foi um vício que me acompanhou nos primeiros meses desta geração.

Sem dinheiro para comprar mais jogos, além de Killzone: Shadow Fall que foi a minha porta de entrada na actual geração e um dos jogos que mais surpreendeu na apresentação da PS4 em Fevereiro de 2013, o serviço da Sony ganhou ainda mais relevância e tendo em conta o quão recente era a geração, foi compreensível esperar indies nos primeiros dias da PS4. No entanto, Resogun é um jogo sensacional e um fantástico arranque desta geração e na verdade, é apenas um dos muitos exemplos da boa qualidade que o PS Plus apresentou sem envergar especificamente o rótulo "AAA". Existem inúmeros exemplos de momentos como este, em que à espera do próximo grande lançamento AAA, neste caso inFAMOUS: Second Son que chegou em Março de 2014, o PS Plus apresentou jogos que me cativaram e ajudaram a passar os meses.

Além disso, este arranque da actual geração a meio gás permitiu voltar à geração PS3 e desfrutar de mais lançamentos sensacionais. DmC: Devil May Cry, Soul Sacrifice e Borderlands 2 chegaram ao PS Plus no final de 2013 e permitiram manter relevante o serviço na consola na qual nasceu. Os primeiros meses de 2014 foram marcados por Outlast, Hotline Miami, Trine 2: Complete Story, Dust: An Elysian Tail e Injustice: Gods Among Us - Ultimate Edition, exemplos dos 24 jogos PS4 apresentados no PS Plus. Enquanto as coisas eram mornas na PS4, a PS3 despedia-se com grande estilo. Além disso, tenho de referir a presença do serviço na PS Vita, onde assumiu um papel especial para facilitar o acesso a jogos que de outra forma escaparia ao radar da grande maioria.

psplus
O PS Plus recebeu mais de 1000 jogos ao longo de 10 anos.

Metro: Last Light, BioShock Infinite, Tomb Raider (2013), Dead Space 3, Crysis 3, PlayStation All-Stars Battle Royale, Batman: Arkham Asylum e Hitman HD Trilogy são exemplos de jogos AAA que o PS Plus para a PS3 recebeu em 2014. Ao mesmo tempo, a Sony apresentava no serviço jogos para a PS Vita, nos quais se inserem LEGO Harry Potter: Years 5-7, Dragon's Crown, Fez, Sly Cooper: Thieves in Time, Muramasa Rebirth e Dynasty Warriors Next. São exemplos que revelam duas realidades de grande contraste. De um lado, tinhas a PS3 e a PS Vita a receberem jogos de alto perfil, mas pelo outro tinhas a PS4, que se tornou na plataforma principal, cujos lançamentos de menor perfil podiam deixar mais desanimados os jogadores ansiosos por jogos AAA. São as especificidades de um serviço que tem de agradar às massas e não apenas aos hardcore.

Em 2015, inFamous: First Light, Transistor, Oddworld: New 'n' Tasty!, Guacamelee! Super Turbo Championship Edition, Metal Gear Solid V: Ground Zeroes, Driveclub: PlayStation Plus Edition, Limbo e Broken Age são alguns destaques que mostram o percurso do PlayStation Plus na PS4 durante esse ano. Na PS3 o ano ficou marcado por Yakuza 4, Dishonored, Call of Juarez: Gunslinger, Rain, God of War: Ascension, Mass Effect 2, Beyond Good and Evil HD e Far Cry 3: Blood Dragon. Jogos de elevado perfil que chegaram à anterior consola da Sony e talvez pela primeira vez na história do serviço, um melhor equilíbrio entre as duas gerações.

Até Fevereiro de 2019, mês em que a PS3 recebeu os seus últimos jogos, os subscritores PlayStation Plus desfrutaram de títulos como Zone of the Enders HD Collection, Tom Clancy's Ghost Recon: Future Soldier, Darkstalkers Resurrection, Tokyo Jungle, Under Night In-Birth Exe:Late, DiRT 3, Prince of Persia: The Forgotten Sands, Yakuza 5, Siren: Blood Curse, Bionic Commando Rearmed 2, Persona 4 Arena Ultimax, Dragon Age: Origins e Medal of Honor: Warfighter. Estes foram alguns dos mais marcantes jogos dos últimos anos do PS Plus na consola. Diversidade e qualidade que certamente deixaram boas memórias para todos os subscritores do serviço, mesmo que a consola já tivesse sido esquecida pela grande maioria dos jogadores.

"Os subscritores PS Plus com uma PS4 receberam sensacionais títulos ao longo dos últimos anos."

Entre 2016 e 2020, os subscritores PlayStation Plus com uma PlayStation 4 receberam títulos como; Saints Row: Gat out of Hell, Furi, Lords of the Fallen, Transformers: Devastation, Everybody's Gone to the Rapture, LittleBigPlanet 3, Tearaway Unfolded, Alienation, Life is Strange, Just Cause 3, inFamous: Second Son, Metal Gear Solid V: The Phantom Pain, Darksiders II: Deathinitive Edition, Deus Ex: Mankind Divided, Knack, RiME, Grand Kingdom, Bloodborne, Ratchet and Clank (2016), Mad Max, Beyond: Two Souls, XCOM 2, Call of Duty: Black Ops III, Mafia III, Dead by Daylight: Special Edition, Destiny 2, God of War III Remastered, Yakuza Kiwami, Onrush, For Honor e Hitman: The Complete First Season. São alguns dos maiores destaques que foram lançados nesse período de tempo e uma lista verdadeiramente impressionante.

Certamente tens exemplos de surpresas PS Plus que te fizeram jogar um jogo que não esperavas jogar e com o qual te divertis-te imenso. Nestes 10 anos, tenho vários exemplos disso, jogos que me passaram ao lado, mas que acabaram por conquistar a minha atenção quando chegaram ao PS Plus. Algo que também facilmente notas nestes nomes é que diversos dos grandes títulos da PlayStation Studios chegaram ao serviço e solidificaram a presença AAA.

Ao descartar a PS3 e a PS Vita, a Sony passou a apostar em jogos de maior perfil para satisfazer um dos maiores pedidos dos subscritores. Até completar 10 anos de vida, o serviço recebeu na PS4 pesos pesados como Call of Duty: Modern Warfare Remastered, The Witness, The Surge, Sonic Mania, Detroit: Become Human, WipEout Omega Collection, The Last of Us Remastered, Nioh e Batman: Arkham Knight. Estes são apenas exemplos de como a Sony redireccionou os seus esforços para uma maior presença AAA no PS Plus, após se concentrar numa só plataforma.

Ao longo destes 6 meses, um período marcado por uma pandemia que deixou grande parte do mundo em isolamento social, a Sony continou a apostar num menor número de ofertas, mas em nomes sonantes. O desejo por jogos AAA nos consumidores tem um preço, a menor quantidade de ofertas mensais e em nome da diversidade, nem todos os meses agradam às massas. Ainda assim, 2020 fica marcado por ofertas como Uncharted: The Nathan Drake Collection, BioShock: The Collection, Shadow of the Colossus, Uncharted 4: A Thief's End, DiRT Rally 2.0, Star Wars Battlefront II e Call of Duty: WWII.

NBA 2K20, Rise of the Tomb Raider: 20 Year Celebration e Erica são as mais recentes ofertas do PlayStation Plus, escolhidos para comemorar os 10 anos do serviço e mais uma amostra da postura da Sony. Menor quantidade de jogos, mas sempre tentando saciar a vontade por jogos de maior perfil. Longe vão os dias em que os indies dominavam o serviço, e os anos passados a escutar os pedidos por jogos AAA que permitiam aos subscritores poupar dinheiro parecem ter dado frutos. Resta agora saber como será na PS5, se passará pelo menos período de transição visto da PS3 para a PS4, marcado por jogos de menor perfil enquanto o número de consolas vendidas vai aumentando e os jogos AAA PS5 passam mais tempo nas lojas e ultrapassam o período útil de vida?

Salta para os comentários (24)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (24)

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários