Grande parte do sucesso da Naughty Dog deve-se aos "grandes bolsos da Sony", diz ex-funcionário

Em reacção ao severo crunch que alguns trabalhadores enfrentam.

A Naughty Dog está novamente debaixo de fogo devido às suas práticas laborais e como alguns funcionários não conseguem resistir a meses durante os quais trabalham centenas de horas por semana.

O talentoso estúdio da PlayStation Worldwide Studios é responsável por referências como a série Uncharted e The Last of Us, sendo ainda responsável por um dos jogos mais aguardados de 2020, The Last of Us: Parte 2.

Os relatos sobre semanais com mais de 80 horas de trabalho na Naughty Dog não são novidade, Amy Hennig falou disso em 2016 e no desgaste que sofreu para lançar alguns dos mais aclamados jogos do estúdio.

No entanto, um recente artigo de Jason Schreier para o Kotaku revela que a prática continua e nesta espécie de corrida para terminar The Last of Us: Parte 2, alguns membros da equipa estão a trabalhar um número de horas por semana que coloca em risco a sua saúde.

Em reacção a este artigo, Jonathan Cooper, ex-animador na Naughty Dog que trabalhou em The Last of Us: Parte 2 antes de deixar a Naughty Dog, comentou a situação e expôs outros problemas tão graves quanto o crunch, como a má gestão que origina adiamentos.

Cooper comenta que o crunch é brutal para alguns funcionários, mas não para todos, mas afirma que se não fossem os bolsos fundos da Sony a financiar a má gestão na Naughty Dog, o seu talento não seria tão grande.

Além disso, Cooper diz que com uma gestão eficaz, The Last of Us: Parte 2 tinha sido lançado no início de 2019.

"A verdade é que não tenho nenhum conto horrível sobre o crunch. Os 'animadores da história', como éramos conhecidos, tinham uma média de 46 horas por semana quando eu sai e pessoalmente, nunca fiz mais de 55."

"A equipa da história é super organizada e reagimos a tudo o que nos atiravam. Isso não quer dizer que outros não estavam a sofrer."

Cooper diz que, para apresentar a demo de Setembro, os que trabalham nas animações de gameplay trabalharam mais horas por semana do que alguma vez tinha visto e precisaram de semanas para recuperar.

"Um bom amigo meu foi hospitalizado nessa altura, devido a sobrecarga laboral. Ainda tinha mais de meio ano pela frente. Surgiram outros desde então," comentou Cooper.

Sobre a sua saída, Cooper diz que "quero trabalhar com os melhores. Esse já não é o caso da Naughty Dog. A sua reputação pelo crunch em Los Angeles é tão má que era quase impossível contratar animadores de jogos veteranos para terminar o projecto. Perante isto, recorremos a animadores de filmes."

Cooper diz que não é a mesma coisa, contratar um animador especializado em filmes para o lugar de um focado em videojogos, o conhecimento de design e técnicas para montar cenas é diferente e, por mais talentosa que seja essa pessoa, falta-lhe experiência neste ramo específico.

Além disso, a falta de experiência e o excesso de novatos na equipa criou dificuldades.

"Tudo relacionado com terminar este jogo demorou mais devido à falta de experiência da equipa," diz Cooper.

"Não me levem a mal, estes miúdos são na sua maioria espectaculares e os melhores eram fantásticos. Mas quando o rácio de júniores e seniores está desequilibrado, as coisas podem levar muito mais tempo e passas mais tempo a treinar do que a trabalhar."

O ex-funcionário da Naughty Dog diz que The Last of Us: Parte 2 terá das melhores animações da indústria, mas não recomenda a ninguém trabalhar na Naughty Dog até que comecem a dar prioridade em preservar talento.

Para terminar, Cooper comenta que grande parte do sucesso da Naughty Dog é a paciência da Sony.

"Em último caso, os jogos lineares da Naughty Dog têm uma fórmula e testam aquilo exaustivamente. Apesar de talentosos, o seu sucesso é devido, em grande parte, aos bolsos fundos da Sony, que financiam adiamentos e não apenas no talento."

"Uma equipa mais experiente teria lançado The Last of Us: Parte 2 há um ano atrás."

Salta para os comentários (117)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (117)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários