Zombie Army 4: Dead War review - Zombies em Itália

O Hitler morreu, mas deixou o seu exército para trás.

É um jogo divertido para quem quer matar zombies sem parar e de formas extremamente grotescas. Mas também é bastante repetitivo e básico.

O Hitler até pode já estar morto, mas o seu exército dos mortos não morreu com ele. Esta é a premissa que lança Zombie Army 4: Dead War, uma continuação da colecção Zombie Army: Trilogy que foi lançada em 2015. É um jogo simples na sua natureza em que tens de matar hordas intermináveis de zombies num cenário alternativo da Segunda Guerra Mundial em que o líder do Third Reich, encostado à parede pelos Aliados e pelos Russos, liberta um exército incansável de zombies. Em Zombie Army 4: Dead War a história continua, focando-se na luta contra os zombies em Itália.

Não esperava divertir-me tanto com este jogo, mas foi o que acabou por acontecer. Tem, sem dúvida, uma natureza repetitiva que pode cansar quem esteja à procura de algo mais substancial, mas se aquilo que procuras é chacinar zombies, então Zombie Army 4: Dead War encaixa na perfeição com aquilo que procuras. Nota-se que foi desenhado para ser jogado em modo cooperativo - tem suporte até 4 jogadores em simultâneo - mas também podes jogar sozinho e passar um bom bocado. O pacote é composto por um modo campanha / história com diversas missões, um modo horde e um evento semanal com desafios que vão rodando - o desafio desta semana é que não tens acesso a uma arma secundária.

Onde está a diversão?

A Rebellion já tem experiência em criar jogos de tiros. São os criadores de Sniper Elite, de Zombie Army e ainda em 2018 lançaram Strange Brigade, outro jogo cooperativo inserido neste mesmo género mas com um cenário diferente. Matar zombies em Zombie Army 4: Dead War é muito divertido sobretudo pela satisfação que o jogo transmite quando disparas as armas e vês os zombies a desfazerem-se como melancias. Essencialmente, a jogabilidade deste jogo resume-se a matar zombies com as diversas armas a que tens acesso. Apesar de existirem outros tipos de armas, as minhas favoritas são a sniper e a caçadeira.

O auge da matança está nos momentos destacados pela x-ray kill cam, que mostra em câmera lenta o percurso da bala a penetrar nos ossos e orgãos dos zombies. A x-ray kill cam não é activada constantemente, aliás, estes momentos até são bastante raros e mostram danos grotescos como testículos a rebentar, costelas a partir, entre outras coisas. Este é definitivamente um jogo para quem gosta de carnificina e todo o jogo está desenhado nesse sentido. As cabeças dos zombies rebentam se lhes acertares. Com uma bala certeira no tórax, o corpo todo explode.

"Mostram danos grotescos como testículos a rebentar, costelas a partir"

Ou seja, a diversão não está apenas em matar zombies, mas na forma como isso acontece. Também gostei de poder pegar nas armas que os zombies mais poderosos (uma espécie de mini-bosses) deixam cair quando são derrotados. São armas poderosas, mas com munição limitada. Fora as armas de fogo, vais encontrar constantemente explosivos como granadas, minas e armadilhas de fio que são activadas quando os zombies tropeçam nelas. Mas mais divertido do que isto é usar os objectos do cenário, como condutas e botijas de gás, para rebentar com múltiplos zombies ao mesmo tempo.

Muita progressão e personalização

Zombie Army 4: Dead War é um jogo que tem pano para mangas. Tens a progressão associada ao nível da personagem mas também ao nível de cada arma individual. Depois, dentro de cada classe de arma, existem várias para escolher. Para evoluir as armas vais precisar de um kit de upgrade, mas como só existe um kit para encontrar em cada nível da campanha, demora bastante até evoluíres ao máximo uma só arma. Para além da progressão associada às próprias habilidades da arma, tens ainda skins para desbloquear e uma série de cartões coleccionáveis relacionados com as formas como matas os diferentes tipos de zombies.

No total tens quatro personagens com diferentes habilidades para escolher - ou cinco, caso compres a Deluxe Edition para ter acesso aos conteúdos adicionais. À medida que vais subindo de nível ao ganhar experiência nos diferentes modos, também desbloqueias slots para equipar mais perks. Os perks existentes são ofensivos, defensivos ou orientados para conseguires combos maiores. No final de cada nível és avaliado pelo teu desempenho e recebes uma medalha de acordo com a tua pontuação. No geral, conseguir combos enormes é a melhor forma de aumentar a pontuação, mas não é fácil - se passares algum tempo sem matares zombies, o combo desaparece. Além disso, se falhares duas balas seguidas, também perdes o combo.

zombie_army_4_dead_war_review
Um dos zombies que vais encontrar consegue possuir e controlar as hordas de zombies.

A diversão anda de mãos dadas com a repetitividade

Por mais divertido que seja matar zombies, Zombie Army 4: Dead War não está isento de se tornar repetitivo, principalmente se jogado durante longos períodos de tempo. Embora, como já tenha explicado, existam formas satisfatórias de eliminar o exército dos mortos, os objectivos existentes nas missões da campanha são pouco criativos. Todos os objectivos são à base de ir buscar objectos e depois defender uma certa zona. Passado algum tempo, sentes que estás sempre a fazer o mesmo e inevitavelmente surge a vontade de fazer uma pausa. Isto acontece a quase todos os jogos - a uns mais do que outros.

"Passado algum tempo, sentes que estás sempre a fazer o mesmo"

Para aquilo que se propõe a fazer, este novo jogo da Rebellion acerta em cheio. Se gostas e queres matar zombies sem parar, vais gostar do que vais encontrar. Não é um jogo que consegue reinventar ou injectar novidades num género bastante saturado, mas não deixa de ser divertido. Antes de terminar, fica a nota de que este é um jogo que beneficia bastante com o modo de desempenho apenas existente na versão PS4 Pro / Xbox One X. Nas consolas não-turbinadas o desempenho é por padrão os 30 fps. A imagem não é tão fluída, mas o que afectou mais foi a resposta das armas, que me pareceu piorar quando saltei da PS4 Pro para a PS4 normal.

Prós: Contras:
  • Matar zombies é extremamente divertido
  • Campanha longa e diversos modos extra
  • Um sistema de progressão profundo
  • Ideal para ser jogado com companhia
  • Os objectivos da campanha são básicos
  • É repetitivo
  • O desempenho na PS4 normal podia ser melhor

Publicidade

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (3)

Sobre o Autor

Jorge Loureiro

Jorge Loureiro

Editor

É o editor do Eurogamer Portugal e supervisiona todos os conteúdos publicados diariamente, mas faz um pouco de tudo, desde notícias, análises a vídeos para o nosso canal do Youtube. Gosta de experimentar todo o tipo de jogos, mas prefere acção, mundos abertos e jogos online com longa longevidade.

Conteúdos relacionados

Bleeding Edge - Review - Um futuro pela frente

Não consegue sacudir a impressão de um early access.

RecomendadoDoom Eternal review - um FPS anti-modas

Eternamente fiel às suas raízes.

RecomendadoThe Division 2: Warlords of New York review - grind gourmet

A primeira expansão paga traz diversas novidades.

Também no site...

The World of Cyberpunk 2077 é o livro que explica o mundo do jogo

Resultado de uma parceria da Dark Horse e CD Projekt.

Cyberpunk 2077 trata consolas como plataformas de primeira classe

A CD Projekt RED assegura grande qualidade para a Xbox One e PS4.

Control - lista das Weapon Forms, como desbloquear e fazer upgrade a Special Weapon Forms

O nosso guia para actualizar e desbloquear novas Weapon Forms para a Service Weapon em Control.

Comentários (3)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários