The Touryst - Review - Que belas férias

A Shin'en prova que é fã da Nintendo.

Com uma carreira totalmente dedicada às plataformas da Nintendo, não existem dúvidas que a Alemã Shin'en Multimedia é uma grande devota da companhia que nos trouxe jogos como F-Zero e Super Mario. Com Fast Racing League e especialmente a sequela, Fast Racing Neo em 2015 para a Wii U, a Shin'en captou os holofotes dos adeptos das consolas da Nintendo por apresentar uma espécie de sucessor espiritual de F-Zero, numa altura em que a Nintendo parece ter-se esquecido dessa propriedade tão acarinhada. Quatro anos depois desse jogo que popularizou o seu nome, a Shin'en regressa com um novo jogo original totalmente inesperado, uma espécie de homenagem a Super Mario, chamada The Touryst.

Este novo jogo de acção e aventura, com puzzles e um forte foco em secções de plataformas, é tudo de bom e reconfortante que os indies trouxeram para a indústria. É um jogo pequeno, mas repleto de grande qualidade e que jamais existiria sem essa revolução na anterior geração, que permitiu aos pequenos criadores desenvolver jogos com base nas maiores obras da indústria. Mais uma vez inspirados por Shigeru Miyamoto e pupilos, estes Alemães convidam-te a desfrutar de pequenas ilhas paradisíacas em The Touryst, onde a tranquilidade dos espaços ao ar livre contrasta com os desafios que encontrarás dentro dos principais monumentos.

Como se estivesse a apresentar-te uma espécie de Super Mario 3D versão indie, a Shin'en faz de The Touryst um jogo dividido em diversas ilhas muito pequenas, mas repletas de pequenos detalhes e desafios opcionais. Ao longo do jogo, terás de adquirir novas habilidades, resolver puzzles e saltar entre espaços para chegar a novos locais. Pelo meio, existem diversos mini-jogos (surf, push ups na praia, rematar bolas com a ajuda do giroscópio, por exemplo) para ganhar mais moedas e obter acesso a novas ilhas, roupas, jogar nas arcadas ou obter novas habilidades como duplo salto ou correr.

Vamos então explicar o que é The Touryst!

O irmão género do Super Mario foi de férias

Chegas à ilha dos Turistas, um local mesmo pequeno e onde uma pedra/monumento de maior porte facilmente se destaca, mas apenas podes caminhar e saltar, sem qualquer indicação do que fazer. É a contra-partida, The Touryst é um jogo relativamente curto (5 horas) no qual as ilhas são pequenas, logo a Shin'en pede em troca o direito a não te dizer nada sobre o que tens de fazer. Faz como um turista, olha para todo o lado e admira a vista. Isto resulta numa experiência altamente divertida e com elevado grau de sensação de recompensa, por mais simples que seja. Ao saltar, apanhas uma moeda (mais uma clara referência a Super Mario, como se os sons e o estilo retro não fossem suficientes) e com essa moeda compras a primeira habilidade: agarrar o limiar de superfícies. Assim consegues chegar ao topo do primeiro monumento e resolver um simples puzzle para lá entrar. No seu interior, um senhor diz-te que podes explorar mais monumentos noutras ilhas e encontrar mais núcleos. Isto inicia The Touryst, representa todo o consequente processo.

Este senhor dá-te o guia de acesso a outra ilha, mas terás de comprar os restantes e isto também é parte do coeso ciclo gameplay que a Shin'en aprimorou para engrandecer a sua pequena experiência, tudo tem o seu propósito. Ao chegar a uma nova ilha, terás de resolver um puzzle simples para entrar no monumento, adquirir mais moedas em tarefas opcionais (como ajudar um DJ numa festa na praia ao por do sol, arranjar frutos para smoothies na praia ou ajudar os assistentes que trabalham nos monumentos) e obter novas habilidades como as já referidas correr e duplo salto. É engenhosamente simples, mas altamente eficaz e quando dei por ela, não conseguia largar The Touryst. Apesar de simples, existe dificuldade e o equilíbrio é muito bom.

Dentro dos monumentos, terás bosses relacionados com puzzles e estes brincam com o teu movimento, perspectiva da câmara, luz, timing dos movimentos e representam os momentos mais intensos de The Touryst. Algumas secções vão-te levar ao ponto de parar algum tempo para respirar, pois nem sempre é tudo tão aparente e será necessário pensar no que fazer. A Shin'en merece imenso respeito por este equilíbrio entre acessibilidade do gameplay e dificuldade dos desafios. Não perderás muito tempo dentro dos monumentos, mas algumas secções vão-te deixar a pensar e sentirás uma inesperada profundidade.

1
Gasta moedas no salão de jogos, mas tem cuidado pois podes precisar delas para chegar a outra ilha ou obter uma nova habilidade, o que te forçaria a ajudar os habitantes para obter mais. Decisões.

Divertido e inteligente

Apesar de toda a temática que nos remete para um ambiente relaxado, The Touryst tem momentos que te vão deixar com vontade de mandar a consola pelo ar. A Shin'em criou um jogo simples, mas altamente conciso e se na superfície tudo é muito descontraído, os puzzles e os timings das plataformas, sem falar na forma como essas duas vertentes do gameplay se relacionam com certos bosses, revela perspicácia e inteligência. O resultado é um jogo altamente divertido e vais adorar todos os segundos deste The Touryst. Se confiaste na capacidade da Shin'en para homenagear F-Zero com FAST Racing Neo, acredita que também souberam homenagear Super Mario.

Prós: Contras:
  • Exploração livre sem hand-holding ou sensação de certo, errado ou ordem pré-estabelecida
  • Estética visual que parece cruzar Super Mario com Minecraft: minimalista, mas bela
  • As masmorras e bosses são difíceis e vão fazer-te puxar pela cabeça
  • Actividades opcionais como surf e no salão Arcade tens três mini-jogos retro
  • Espírito relaxado, mas momentos gameplay intensos que brincam com a perspectiva
  • Incapacidade para alterar o layout dos botões
  • Poderá tornar-se num jogo demasiado curto para alguns

Publicidade

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (2)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

RecomendadoThe Outer Worlds Review - RPG puro e duro

A Obsidian mostra que é mestre no género.

Destiny 2: Shadowkeep - Review - 70 horas na Lua

Bungie continua a trabalhar para os fãs.

Razer Viper - Análise - O Ferrari dos ratos

Cliques ultra-rápidos para quem procura o melhor.

Também no site...

Comentários (2)

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários