Destiny 2: Shadowkeep - Review - 70 horas na Lua

Bungie continua a trabalhar para os fãs.

Shadowkeep traz afinações que são mais um passo na direcção certa, mas a curta história e a reciclagem de conteúdos penalizam-na.

Já voaram 70 horas desde que iniciei a minha viagem para a lua em Destiny 2. Sempre que volto a pegar no jogo, é o que acontece... as horas passam a voar. "Só vou fazer mais este passo da quest, só mais esta partida no crucible, só mais isto, só mais aquilo", digo eu. As horas vão-se facilmente acumulando. O efeito não surge apenas do lançamento de uma nova expansão, Destiny sempre foi assim desde 2014. É um jogo que suga o teu tempo, não deixando margem para muito mais. Quem joga Destiny a sério pouco mais joga.

Inicialmente a Bungie teve receio de apelidar o seu jogo de MMO, pelo peso que esse género acarreta, mas agora adoptou de braços abertos o conceito. Destiny é hoje desenhado para durar dezenas, centenas ou milhares de horas. Há sempre alguma coisa para fazer, dependendo do quão dedicado estás ao jogo. A Bungie quer que Destiny se transforme no teu hobby favorito e, muito diferente da versão inicial que foi lançada em Setembro de 2014, hoje é um jogo mais robusto em design e em conteúdos.

Destiny 2: Shadowkeep - A nova expansão leva-te para a Lua

A nova expansão de Destiny 2 vem carregada de nostalgia. Traz um novo destino que é novidade em Destiny 2, mas que já visitamos no primeiro Destiny: a Lua. Não há como negar que é uma reciclagem de conteúdos, mas a versão da lua de Shadowkeep não é exactamente igual à versão original. A Bungie adicionou uma nova zona, expandido a área jogável, e fez alterações noutras. Se jogaste o primeiro Destiny, vais passar por lugares familiares e que vêm carregados de memórias. É um sítio "antigo", mas sem a conotação negativa que vem normalmente associada à palavra. Pode não ser um sítio novo, mas o regresso à lua vem acompanhado de uma sensação positiva. É como voltar, passados anos, a um sítio do qual gostamos muito.

destiny-2-shadowkeep-review

A zona central da Lua permanece em grande parte como te lembras dela, mas a nordeste existe uma nova zona - Sorrow's Arbor - que podes explorar. É uma enorme área aberta que antecede a Scarlett Keep, fortaleza encarnada que vais invadir como parte de uma nova Strike. É uma vista inédita em Destiny, reminiscente de algumas cenas do filme Senhor dos Anéis: As Duas Torres. Mais uma vez, a conversão de arte conceptual para gráficos in-game é digna de referência, não apenas nesta nova zona, mas também noutras novidades desta expansão como a raid Garden of Salvation.

"Pode não ser um sítio novo, mas o regresso à lua vem acompanhado de uma sensação positiva"

O que realmente desilude, e que podemos classificar de uma reciclagem mal feita, é o reaproveitamento de inimigos. Shadowkeep introduz os Nightmares ao mundo de Destiny. Os Nightmares não são novos inimigos, mas antes Hive com uma aura vermelha à sua volta. No passado a Bungie já tinha reaproveitado os inimigos de Destiny para criar os Taken, mas esses ao menos tinham ataques diferentes e visualmente eram mais distintos. A explicação, em termos de lore do jogo, é que os Nightmares assumem formas que já conheces. É assim que se explica que voltes a enfrentar antigos bosses como Crota e Gaul, são versões Nightmare criadas pela gigantesca pirâmide (que faz parte da tão falada Darkness) que se encontra escondida na Lua.

Uma campanha curta, que te deixa a desejar por mais

A história de Destiny sempre progrediu de uma forma dolorosamente lenta. O primeiro jogo foi lançado há cinco anos e só agora é que finalmente estamos a aprender qualquer coisa sobre a Darkness. Quando a campanha de Shadowkeep estava a ficar interessante, acaba inesperadamente. As missões de história da nova expansão podem ser terminadas em cerca de 6 ou 7 horas, já a contar com o grinding necessário para obter um set completo de armadura obrigatório para iniciar a última missão.

Não é a pior campanha que a Bungie já fez, mas não está ao nível da expansão anterior - Forsaken. Não é só na história que esta comparação é válida. Na sua totalidade, Shadowkeep é uma expansão menor comparativamente à do ano passado (também custa ligeiramente menos). Há menos conteúdos (e alguns dos que existem são reaproveitados de coisas que já existiam) e não foram introduzidas tantas novidades. A Bungie diz que a história de Shadowkeep vai continuar ao longo das Seasons, que foi precisamente o que aconteceu no último ano. Cada Season durará aproximadamente três meses e vai introduzir novos conteúdos.

Terminada a campanha começa a corrida ao Power. Para quem joga Destiny religiosamente, o final da campanha é apenas o início. Shadowkeep aumenta o nível limite de Power para 965 (previamente era 750). Para atingir esse pico, é preciso completar todas as actividades semanais para obter equipamento poderoso como recompensa para continuar a subir, pouco-a-pouco, de nível. O ciclo de actividades que terás de completar é semelhante ao sistema que já existia antes, mas agora a Bungie deu um maior destaque às bounties, mas esqueceu-se de aumentar o espaço disponível para elas. Com este novo sistema implementado, é fácil ficar sem espaço para todas as bounties disponíveis.

Os novos modos são divertidos, mas faltam melhores recompensas

Shadowkeep introduz dois novos modos que terás de completar como parte do ciclo semanal para obter recompensas. São eles Nightmare Hunt, em que repetes as missões de caçar Nightmares em diferentes níveis de dificuldade, e Vex Offensive, uma arena em que progrides por diferentes áreas até chegares ao boss final. São actividades que encaixam bem no tipo de actividade que os jogadores esperam de Destiny, mas cujas recompensas não entusiasmam. Nestes modos podes ganhar diferentes tipos de armas como Hand Cannons, Pulse Rifles, Grenade Launchers, Submachine Guns, Auto-Rifles e Bows, mas comparativamente a outras armas que podes obter actualmente em Destiny 2, não são tão boas. As Pinnacle Weapons (como a The Recluse), bem como alguma exóticas específicas, continuam a dominar a meta de Destiny 2. Assim sendo, há poucas razões para continuar regularmente estes modos.

VexOffensiveHeader
O modo Vex Offensive é bastante generoso na quantidade de loot que recebes em cada partida, mas a não ser que obtenhas um God Roll que vale a pena guardar, vais desmantelar todas as armas que receberes.

Fora estes modos, há claro uma nova Raid - Garden of Salvation. As raids continuam a ser, por uma larga margem, as actividades mais desafiantes e recompensadoras que Destiny 2 tem para oferecer. O recompensador não vem tanto das recompensas em si, mas da satisfação de conseguir coordenar e sincronizar uma equipa de seis jogadores. Garden of Salvation está dividida em quatro partes, com uma dificuldade crescente até chegares ao boss final. Embora seja uma Raid temática dos Vex, é muito diferente mecanicamente do Vault of Glass (a primeira raid de Destiny e que também tinha como tema os Vex). Cada encontro serve de aprendizagem para o que vem a seguir, já que as mecânicas vão aparecendo de formas mais complexas até ao final. No geral, oferece um bom equilíbrio entre diversão e desafio, sem os aumentos artificiais da dificuldade que a Bungie aplicou a outras Raids.

Armadura 2.0 e o Artefacto

A chegada de Shadowkeep trouxe novos conteúdos, mas também importantes alterações para sistemas do jogo. Um desses sistemas diz respeito à armadura. Comparativamente a outros MMOs, as Builds de Destiny sempre foram muito limitadas de propósito. Com a sua nova filosofia de dar aos fãs exactamente aquilo que eles querem, a Bungie desenhou um novo sistema de armaduras. À partida existe logo um problema: todas as armaduras que ganhaste previamente não estão inseridas neste sistema, ou seja, podes deitar fora tudo o que ganhaste antes. É possível ir buscar às colecções as novas versões das armaduras que já tinhas, mas era preferível que o novo sistema fosse automaticamente aplicado a todas as armaduras que os jogadores já tinham.

A vantagem do novo sistema é que permite uma personalização muito maior da tua personagem. Cada peça de armadura tem vários espaços disponíveis para equipar mods com efeitos diferentes, criando variações muito grandes entre personagens da mesma classe. Isto é positivo, mas por outro lado, há menos liberdade para experimentar armaduras devido à progressão associada. Os recursos necessários para colocar cada peça de armadura a 10 de Energia (o máximo) são bastantes e por isso vais pensar duas vezes antes de investir. Com este novo sistema em vigor, passa a compensar ter uma armadura para cada subclasse (Void, Solar e Arc) devido à afinidade dos mods. Existem mods que podem ser aplicados a qualquer peça de armadura, mas alguns têm uma afinidade a um certo de tipo de elemento. Por exemplo, um mod com afinidade solar não pode ser equipado numa peça de armadura Arc.

"Com este novo sistema em vigor, passa a compensar ter uma armadura para cada subclasse"

destiny_2_armor_2.0

O Artefacto é outro novo elemento de progressão incluído em Shadowkeep. É um item inserido no ecrã de personalização da tua personagem e que permite desbloquear mods à medida que vais avançando no jogo. Os mods desbloqueados pelo artefacto são essenciais para as builds e para derrotares os Nightmares mais poderosos, que têm a capacidade de gerar escudos que são imunes a não ser que tenhas um mod específico equipado na tua arma. Não consegues desbloquear todos os mods do artefacto, mas se quiseres, é possível fazer reset para desbloquear outros mods para experimentar uma nova build.

Destiny 2: Shadowkeep Review - O veredicto

Shadowkeep é a primeira expansão para Destiny 2 depois da Bungie se separar da Activision. Ao longo dos anos a Bungie chocou inúmeras vezes com os fãs, mas esses tempos parecem ter terminado. O estúdio de Seattle parece mais dedicado do que nunca a agradar aos fãs e a implementar afinações e novidades no jogo com base no feedback que recebe. O melhor que há em Shadowkeep é o resultado disso. Já no que toca a conteúdos, a Bungie já fez melhor no passado. A história acaba demasiado cedo e, apesar da adição de novidades como Garden of Salvation, Vex Offensive e Nightmare Hunt, o jogo cai na mesma rotina habitual que já existia previamente ao lançamento da expansão. É certamente uma expansão que serve de ponto intermédio para algo maior, possivelmente uma expansão muito maior ou, quem sabe, Destiny 3. Para quem já joga Destiny 2, não é uma expansão surpreendente. Os fãs vão obviamente gostar, afinal, existe sempre uma enorme sede por novos conteúdos.

Prós: Contras:
  • A gameplay de Destiny 2 continua maravilhosa
  • O sistema de armadura 2.0 permite builds mais variadas e profundas
  • Novos conteúdos como a raid Garden of Salvation, Vex Offensive e Nightmare Hunt
  • Regressar à lua sabe bem
  • A história e as suas missões acabam rápido
  • As melhores recompensas do jogo continuam a ser aquelas que já existam antes da expansão
  • Reciclagem de inimigos, bosses, armaduras e armas
  • PVP continua desequilibrado

Publicidade

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (6)

Sobre o Autor

Jorge Loureiro

Jorge Loureiro

Editor

É o editor do Eurogamer Portugal e supervisiona todos os conteúdos publicados diariamente, mas faz um pouco de tudo, desde notícias, análises a vídeos para o nosso canal do Youtube. Gosta de experimentar todo o tipo de jogos, mas prefere acção, mundos abertos e jogos online com longa longevidade.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (6)

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários