FIFA 20 - Análise - A glória de abrir mais uma carteirinha

Saudade do que ainda não joguei.

O futebol de rua é divertido para todo o tipo de jogadores, mas a longo prazo, será o FUT a manter-te no jogo e aí a táctica é a mesma.

FIFA 20 é o mais recente jogo numa série que é vista como a galinha dos ovos de ouro da Electronic Arts. Nesta nova edição anual, a EA Sports afirma que o feedback da comunidade ajudou-a criar uma experiência superior à de FIFA 19 e apresenta-te o Volta - o futebol de rua que outrora deslumbrou milhões de jogadores como um título em separado. Talvez seja por essa razão que a EA Sports afirma que tem um jogo dentro de um jogo. Apesar desta novidade, o objectivo repete-se - evolução ao invés de revolução - mostrar como os mais recentes refinamentos e incrementais melhorias são dignas de justificar um novo lançamento. Focada em aumentar o realismo e aproximar FIFA 20 da realidade, a equipa focou-se nos detalhes para levar a experiência de encontro ao que os fãs querem e os resultados são positivos.

Numa missão de apresentar um jogo anual superior ao que veio antes, a EA Sports esforçou-se para produzir um futebol mais calibrado e menos robotizado, com comportamentos e animações que contribuem para aumentar a imersão. Esta vontade é perceptível quando começas a jogar FIFA 20. Não sentirás que estás perante uma mudança drástica, mas algo evoluído e mais coeso. No entanto, não podemos olhar para FIFA 20 e passar ao lado da controvérsia em torno das micro-transacções, especialmente porque dominam as conversas em torno da série e caracterizam o seu principal modo de jogo, o FIFA Ultimate Team (FUT). Procura no Youtube e a grande maioria dos vídeos é dedicada à abertura dos Packs. A glorificação do investimento adicional de dinheiro no FUT parece ter-se tornado incontornável.

Perante a iminente transição de gerações, é compreensível que a EA Sports revele uma táctica de contenção. As licenças que outrora dominavam o panorama pré-lançamento são agora um dado adquirido e os treinadores de bancada pedem a mesma dedicação para que o futebol dentro das quatro linhas não quebre, especialmente nesta fase final do actual campeonato. Como referi, FIFA 20 revela um gameplay superior ao do ano passado, foi afinado com o apoio da comunidade, o que resultou num ritmo ligeiramente mais lento e numa experiência mais composta, cujos ajustes foram feitos sempre com um principal objectivo em mente: aproximação à realidade.

O refinamento nos controlos, as melhorias subtis mas perceptíveis nas animações e na inteligência artificial fazem com que FIFA 20 seja um jogo no qual o comportamento errático na IA foi altamente reduzido. Ao baixar o ritmo para permitir respirar dentro de campo e ler o jogo, procurando linhas de passe que se abrem, permite desfrutar de um gameplay no qual o drible ganha preponderância e o jogo se torna mais fluído. Quando chegas a FIFA 20 terás as mesmas manhãs que aprendeste em FIFA 19, mas vais aperceber-te que precisarás de ajustar alguns comportamentos e reacções automáticas no novo jogo. É preciso consolidar novas aprendizagens.

O gameplay refinado

A mudança no ritmo de jogo é motivada por esse desejo de aproximação à realidade e acompanhada por ajustes ou introdução de mecânicas que pretendem dinamizar o que acontece dentro de quatro linhas. Mecânicas como o composed finishing, strafe dribling e o controlled tackling são mais do que chavões para usar na descrição do jogo no site oficial. FIFA 20 beneficia mesmo com estas novidades. Seja na recriação do comportamento dos jogadores ao rematar, no drible que se tornou tão fulcral para esta experiência, ou no aprofundamento da abordagem ao corte quando estás a tentar recuperar a bola. A EA Sports tentou limar as arestas e entregar-te o jogo que querias.

Os refinamentos são evidentes quando jogas uma partida com algumas das melhores equipas do mundo em competições como Liga dos Campeões, Liga Europa, em modos como Partida Rápida, Torneio Feminino ou Modo Carreira. O futebol de FIFA 20 é mais credível, mais próximo da visão da EA Sports para o que acontece na realidade. Esta busca por realismo significa ainda que, apesar de alguns comportamentos bizarros com as maiores vedetas do futebol, sentirás que é mais justo, que aquele jogador que executa uma jogada ou movimento surpreendente o poderia fazer na vida real. Isto significa que FIFA 20 consegue tornar-se num jogo divertido e convincente, mesmo que seja, à primeira vista, altamente similar ao do ano anterior.

Onde FIFA 20 poderá deixar a desejar é no tratamento ao modo Carreira, seja como jogador ou treinador. Apesar das inúmeras possibilidades e da tentativa de recriar a vida de um treinador ou futebolista (até existem conferências de imprensa), este modo não consegue tornar-se apelativo a longo prazo e poderá necessitar de um maior foco por parte da EA Sports para assumir um papel mais preponderante no seu plano de ataque. Deste modo, a importância de outros modos no pacote geral torna-se muito maior, o que inevitavelmente nos leva para o Ultimate Team, ou FUT para os amigos.

A glória de abrir mais uma carteirinha

O FUT é a verdadeira galinha dos ovos de ouro da Electronic Arts. Tornou-se o principal modo da série FIFA e neste novo jogo foi alvo de refinamentos. É provavelmente o maior reflexo do lema que motivou a equipa ao longo do desenvolvimento: se não está estragado, não mexas. FUT continua igual a si mesmo e é aqui que poderás sentir mais problemas com FIFA 20 e com a insistência da EA Sports em seguir com a mesma táctica. O popular modo de FIFA que transcende os videojogos e se tornou numa espécie de fenómeno fora das quatro linhas recebeu algumas novidades, mas o seu especial propósito mantém-se: gastar mais dinheiro em carteirinhas para obter os jogadores que queres, caso tenhas qualquer ambição competitiva a longo prazo.

É no FUT, o modo mais divertido de FIFA 20, onde me imagino a passar mais tempo a longo prazo. No imediato, existem outros modos que podem disputar o teu tempo no mais recente esforço da EA Sports, mas a médio ou a longo prazo, o popular FUT será a principal, talvez mesmo a única, paragem que te manterá em FIFA 20. Isto é problemático porque se trata um modo que consegue de uma forma surpreendente tornar-se fascinante e remonta aos tempos em que coleccionavas as cadernetas e carteirinhas. No entanto, o vício que sentirás ao jogar FUT poderá ser inferior à frustração perante a incessante sensação de que se gastasses uns euros em packs, terias melhor sorte. Aliás, a dada altura sentirás mesmo que o jogo parece gozar contigo, dando a entender que gastar dinheiro em packs é a melhor coisa do mundo, especialmente com constantes cartas limitadas e goleadas que levas se não gastares dinheiro.

Após um dos anos mais controversos da sua história, devido às micro-transacções, a EA Sports não teve qualquer problemas em apostar no mesmo esquema e táctica, o que poderá surpreender e tornar aborrecida a experiência FUT. Acredita que é mesmo aborrecido verificar que é intrínseco a FUT dizer-te que devias estar a gastar dinheiro e se quiseres jogar contra outros jogadores online, quanto mais participar na Liga de Fim de Semana, terás de gastar dinheiro ou serás o bombo da festa. Podes jogar FUT sem gastar dinheiro, mas sentirás será uma experiência penosa e que demorará imenso até conseguires ver resultados satisfatórios, diga-se, escapar a humilhações.

1
Tal como o Volta, o FUT apresenta Seasons com desafios e recompensas ao estilo de um Battle Pass.

É mesmo pena que FUT permaneça, na sua essência, tão igual a si mesmo: uma máquina focada em gerar mais dinheiro. Especialmente porque a EA Sports introduziu as Seasons com objectivos diários e semanais que aumentam as tuas recompensas e possibilidade de obter packs. Além disso, ganharás XP nas tarefas FUT que executas e a cada patamar (é um equivalente ao Battle Pass de Fortnite) recebes recompensas. Juntamente com as Milestones, desafios que a EA Sports te apresenta, FUT 20 recebeu uma nova energia e estes objectivos aumentam o entusiasmo ao jogar semanalmente, mas o grind para obter algo relevante ainda é considerável. Quando vês equipas repletas de estrelas, sentirás que és um parvo por ser o único que não gasta dinheiro. A dada altura senti isso mesmo, apostar em FUT 20 é saber de antemão que terei de gastar mais dinheiro.

Volta, um jogo dentro de um jogo

No entanto, o futebol de 11 é apenas uma parte do pacote e para que o controverso FUT 20 não seja a única potência a longo prazo, a EA Sports apresenta o futebol de rua, aqui chamado de Volta Football. A campanha de história gira agora em torno deste modo e poderás mesmo sentir que estás a jogar um jogo separado de FIFA 20 e do seu futebol de 11. És transportado para um gameplay muito mais acrobático, que decorre a grande velocidade e no qual são vistos movimentos totalmente inesperados. Volta apresenta três modos distintos como o Story, League e World Tour - com progressão partilhada, permitindo-te enfrentar a máquina ou jogadores de todo o mundo.

Apesar de incrivelmente acessível e totalmente frenético (especialmente no 3v3 - existe ainda a opção 4v4 e 5v5), Volta não é o triunfo incontestável que a EA Sports desejaria e nem todos vão ficar rendidos. Especialmente a médio ou longo prazo, quando o fulgor de Volta poderá começar a perder-se. A EA Sports terá de trabalhar bem o Volta, especialmente com a ajuda das temporadas de conteúdos específicos deste modo. Seja no Story ou no World Tour, ganharás Volta Coins para gastar em cosméticos (se não os conseguires ganhar ao cumprir os objectivos apresentados), algo que em conjunto com o recrutamento de jogadores de equipas vencidas, e torna no apelo de Volta.

Volta é incrivelmente preponderante em FIFA 20 e, se para alguns passará completamente ao lado, para outros será o principal modo de jogo na vida deste novo título. Pessoalmente, joguei com pessoas que não estão habituadas a jogar e a elevada acessibilidade de Volta teve resultados imediatos. Seja ao jogar na mesma equipa com outros amigos ou um contra o outro, Volta é divertido e imediato. O futebol de rua é altamente dinâmico e a EA Sports conseguiu encontrar aqui mais uma boa faceta para a série FIFA. No entanto, nem todos vão sentir o apelo e o futebol de 11 permanecerá o foco exclusivo.

Em equipa que ganha não se mexe

No final de contas e indo ao que interessa, FIFA 20 apresenta um gameplay mais refinado, que beneficia com melhorias na IA e animações, mesmo que inicialmente sejam difíceis de discernir. No entanto, não há como contornar que o principal e mais divertido modo, o FUT, é um pay to win que em alguns momentos parece gozar contigo e dizer que se gastasses dinheiro não estavas a passar pelas dificuldades. O seu excessivo grind e o apelo limitado do Volta, a grande novidade, deixam o ataque de FIFA 20 fragilizado, numa fase em que a EA Sports optou por jogar à defesa.

Publicidade

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (43)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Everybody's Golf VR - Análise - Torna-te no Tiger Woods português

A popular saga chegou ao dispositivo da Sony.

FIFA 18 Switch - Análise

O futebol regressa à consola da Nintendo.

RecomendadoPES 2018 - Análise

Expressão do bom futebol.

Também no site...

A Juventus é exclusiva do PES 2020

Será o único jogo com o nome do clube, o emblema e estádio.

PES 2020 - Demo chegará a 30 de Julho

Arsenal, FC Barcelona, Palmeiras, Flamengo e mais.

FIFA 18 - As melhores promessas e estrelas escondidas

Os jogadores melhores e com mais potencial com menos de 21 anos.

PES 2020 não terá o Liverpool licenciado

O contracto com a Konami terminou.

PES 2020 - Data de lançamento, Gameplay, Trailer - Tudo o que sabemos

O que esperar do novo simulador de futebol da Konami?

Comentários (43)

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários