Judgment - Análise - Há mais vida em Kamurocho

Um local e valores familiares, mas uma nova dinâmica.

A Ryu Ga Gotoku Studio da SEGA apresentou 4 jogos em 3 anos numa admirável tentativa de encerrar a história de Kazuma Kiryu para os veteranos da série enquanto procurava, de forma intercalada, aprofundar as origens da série para atrair os novatos chamados pela crescente popularidade da série. Enquanto se despediam de Kazuma, a série ficava mais popular e isso tornou-se numa inesperada realidade que lhes permitiu continuar a investir no que gostam de fazer.

Após combinar Yakuza com Fist of the North Star, a equipa apostou num novo derivado dessa série para quem se apaixonou por estas experiências e deseja desfrutar dos seus três pilares: a trama cinematográfica, o protagonista e o vibrante mundo que te agarra. Judgment é essa nova propriedade intelectual que enverga todo o ADN e te mergulhará na mesma intensidade, dramatismo e veia cinematográfica de Yakuza.

Todos os jogos da série Yakuza apostaram nessas três bases e tentaram diferenciar-se através de variações em algumas delas. Fossem os locais diferentes, mas igualmente marcantes, como Okinawa em Yakuza 3 ou Hiroshima em Yakuza 6 ou a introdução de novos protagonistas em Yakuza 4, a equipa tentou sempre sacudir a estagnação de uma série que sente honra em ser o que é.

Judgment recorre a esses mesmos pilares e isso significa que tens um Yakuza sem Kazuma Kiryu, mas que decorre na mesma em Kamurocho, apresenta uma história centrada na Yakuza e vibra com a esperada intensidade cinematográfica de um enredo dramático e entusiasmante. Com tanto de familiar, será que Judgment consegue distinguir-se quando se cola tanto a uma série repleta de imensa qualidade que recebeu um elevado número de jogos num curto espaço de tempo?

1
Existem momentos visualmente espantosos.

A resposta é afirmativa, Judgment aposta numa forte trama, num protagonista carismático e apesar de decorrer em Kamurocho, o refinamento e melhorias no gameplay revelam que debaixo da superfície existem novidades. Judgment aposta em Yagami, um ex-advogado que se tornou num detective privado e vive para ajudar as pessoas de Kamurocho - o que o deixa sem dinheiro e forçado a aceitar casos da sua antiga agência de advogados. Apesar de ajudar a encontrar provas para determinar o veredicto, Yagami vê-se envolvido numa trama maior relacionada com um assassino em série e o seu passado ao lado de uma família da Yakuza.

Enquanto detective privado, Yagami aceitará casos importantes (que dão seguimento à narrativa) e outros casos mais caricatos, originários de encontros aleatórios com os cidadãos de Kamurocho - existem momentos verdadeiramente surreais, mesmo para quem está habituado a jogar Yakuza. Yagami terá de perseguir suspeitos sem ser visto, terá de usar o seu drone para registar momentos importantes e até terá de se disfarçar em algumas missões. Estas são as principais mecânicas que tornam Judgment diferente de Yakuza - relacionadas com o protagonista e a trama.

Na grande maioria do tempo, sentirás que estás a jogar um Yakuza, um bom Yakuza, mas na mesma um jogo muito similar ao que já conheces. Yagami é diferente de Kiryu e isso vê-se na sua agilidade e no sistema de combate (com dois estilos, mas ainda assim muito simples), mas existe tanto em comum que por vezes é difícil ver a linha que os separa. O próprio protagonista e a história são exemplos disso, diferentes, mas altamente similares. Yagami não consegue evitar em fazer o bem, ajudar os outros; tem um passado trágico e figuras mais velhas que respeita imenso e pelas quais fará tudo.

Assim sendo, muito da experiência é similar ao que encontras na série Yakuza, o que significa grande qualidade e algo que simplesmente nem sequer tem igual na indústria. Judgment compensa a elevada familiaridade com uma qualidade de excelência. A experiência é exactamente a mesma que tens na série Yakuza: percorrer as ruas de Kamurocho para avançar na história, apenas para perceber que isso é impossível sem te perderes inconscientemente a explorar as arcadas, os restaurantes e a completar tarefas opcionais porque o mundo está constantemente a desviar-te do percurso com inesperadas e espontâneas actividades.

"Yagami é um protagonista carismático e divertido de acompanhar.

Onde Judgment brilha é na forma como se revela um refinamento do gameplay de Yakuza. O uso do telemóvel de Yagami como um atalho para a maior parte da gestão do personagem, os combates, a transição entre interiores e exteriores, os sistemas de suporte, os mini-jogos, tudo foi refinado acima do que viste no mais recente Yakuza. Isto sem esquecer os visuais que conseguem momentos incríveis.

Se és fã da série Yakuza e das dramáticas experiências cinematográficas da Ryu Ga Gotoku Studio da SEGA, já sabes perfeitamente o que esperar daqui. Apesar de um nome e protagonista diferentes, Judgment é realmente um spin-off de Yakuza e quase que poderia envergar o nome dessa série. A sua elevada familiaridade, especialmente o uso de Kamurocho como local para o jogo, podem tirar-lhe algum brilho, mas se estás interessado neste jogo, isso provavelmente nem importa, até é um ponto positivo. Assim sendo, posso dizer que Judgment está bem perto do melhor que foi feito na série Yakuza.

Prós: Contras:
  • Uma trama e protagonistas altamente interessantes
  • A mesma irreverência da série Yakuza
  • Novas mecânicas como a investigação de casos tornam-no muito próprio
  • Imensos refinamentos que aprimoram o fluir da experiência
  • Visuais espantosos
  • Algumas missões opcionais são incrivelmente surreais
  • Kamurocho já é demasiado familiar
  • É diferente, mas ainda partilha demasiado com Yakuza

Publicidade

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (14)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (14)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários