O PlayStation VR já tem actualmente uma biblioteca composta por vários títulos interessantes e com provas dadas de qualidade, mas falta-lhe ainda um jogo com um título suficientemente grande para se estabelecer definitivamente e atrair as massas. Esse título pode muito bem ser Iron Man VR, um dos jogos que foi apresentado durante o State of Play e que dá continuidade à parceria entre a Sony e a Marvel que começou com Marvel's Spider Man para a PlayStation 4, um dos melhores videojogos de super-heróis já desenvolvidos.

Ninguém esperava que o próximo jogo resultante desta parceria fosse para o PlayStation VR, e embora os jogos tradicionais tenham uma ressonância muito maior entre os fãs da marca, não deves descartar Iron Man VR apenas porque se trata de jogo para o PlayStation VR. Digo isto porque já tive a oportunidade de experimentar e fiquei francamente surpreendido com o trabalho da Camouflaj, o estúdio que está a desenvolver Iron Man VR. Como sempre, a experiência obtida de uma demo é limitada, mas deu para perceber que o jogo está num óptimo caminho.

Da mesma forma que um jogo tradicional não pode ser directamente convertido para a realidade virtual, Iron Man VR oferece uma experiência que não poderias obter de outra forma. A demo, disponível para experimentar num recente evento dedicado ao PlayStation VR, começa na casa de Tony Stark em Malibu. É basicamente um pequeno tutorial para te ensinar os controlos com o fato do Iron Man. Como muito outros títulos para o PlayStation VR, Iron Man VR joga-se melhor com o PlayStation Move, um em cada mão para simular os propulsores do fato.

Se pensares que os controlos são exactamente como vês nos filmes e desenhos animados, vais perceber rapidamente como funcionam. Com as palmas das mãos viradas para baixo ganhas altitude; com as palmas viradas para trás ganhas velocidade; se precisares de travar, esticas os braços e viras as palmas para a frente. Também podes colocar cada mão numa posição diferente se quiseres executar manobras mais complexas. Os controlos estão tão bem adaptados que num instante vais sentir que estás mesmo dentro do fato do Iron Man.

Este tipo de controlos e imersão combinados simplesmente não seriam possíveis fora da realidade virtual. É disto que o PlayStation VR (e outros dispositivos do mesmo género) necessitam para serem validados: experiências únicas e que aproveitem as vantagens da plataforma. A única limitação deste título, provocada pela grande liberdade de movimentos que o jogo permite, é o fio do capacete. Com uma liberdade de movimentos a 360 graus, conseguirás replicar as mesmas manobras que Tony Stark faz, contudo, como tens um fio agarrado ao capacete, vais dar por ti enroscado (toma nota Sony: numa próxima geração do PlayStation VR, o fio tem que desaparecer!)

Mas tirando este incómodo, Iron Man VR foi uma das experiências mais agradáveis e entusiasmantes que já tive no PlayStation VR. Depois da secção inicial em que passeias pela praia de Malibu num percurso de obstáculos para aprenderes a dominar o fato, começa então o jogo. A bordo de um avião com Pepper Potts, Tony sofre um ataque inesperado de naves espaciais. Com a parede lateral do avião destruída, é sugado para o ar. Na perspectiva de primeira pessoa, estar a cair em queda livre no ar é arrepiante. Sabes que não é real, mas é impossível não sentir na mesma aquele arrepio pelas costas abaixo.

"Este tipo de controlos e imersão combinados simplesmente não seriam possíveis fora da realidade virtual"

Em queda livre, a perfurar nuvem atrás de nuvem, Tony ordena a F.R.I.D.A.Y. (a sua inteligência artificial) que lhe encaminhe o fato de Iron Man, que começa a chegar peça por peça: primeiro as mãos, depois o peito e, por fim, o capacete. Com o fato equipado, chegou a altura de dar uso às suas incríveis habilidades. Voamos até perto do avião em queda, voando mesmo ao seu lado. Neste momento a imersão é gigantesca. A única coisa que nos mantém agarrados à realidade é sentir o chão debaixo dos nossos pés, por se não fosse isso, era como se estivéssemos mesmo a voar dentro daquele cenário virtual.

ps4_packfront_1p_us_001

No resto da demo, recorrendo à pratica que adquiriste na primeira secção, tens que te movimentar à volta do avião e destruir as naves inimigas que continuam a aparecer umas atrás das outras. Nesta parte o jogo dá-te alguma assistência para que não fiques demasiado longe do avião, até porque como tens de disparar com as mãos, vais perder o controlo da direcção e perder altitude. É por isso que tens de ser extremamente rápido a apontar para logo de seguida activares os propulsores para te manteres no ar. O esquema de controlos é intuitivo, mas requer, sem dúvida, habituação.

Em qualquer jogo de super-heróis, o apelo está sempre em sentires que estás na pele da personagem. Spider-Man da Insomniac Games tem esse mérito, mas Iron Man VR, daquilo que pude jogar, também o tem. No entanto, não são experiências comparáveis e ultimamente recorrem a métodos diferentes para atingir o mesmo fim. Iron Man VR combina habilmente controlos por movimento com realidade virtual para oferecer uma experiência altamente imersiva, intensa e entusiasmante. Surpreendentemente, apesar de ser um jogo rápido e movimentos bruscos, não senti enjoo por movimento.

Com um poderoso nome como Iron Man, aliado à popularidade que o universo Marvel ganhou nos últimos anos no cinema, este pode ser o jogo que vai mudar a perspectiva da realidade virtual para melhor. Já existem jogos como Moss, Astro Bot, Beat Saber, Déraciné que têm tornado o PlayStation VR cada vez mais apelativo, mas como qualquer plataforma, há necessidade de um blockbuster, um jogo que seja altamente popular e um enorme sucesso. Iron Man VR tem tudo para ser esse jogo.

A viagem e estadia para o evento do PlayStation VR foram custeadas pela PlayStation.

Publicidade

Sobre o Autor

Jorge Loureiro

Jorge Loureiro

Editor

É o editor do Eurogamer Portugal e supervisiona todos os conteúdos publicados diariamente, mas faz um pouco de tudo, desde notícias, análises a vídeos para o nosso canal do Youtube. Gosta de experimentar todo o tipo de jogos, mas prefere acção, mundos abertos e jogos online com longa longevidade.

Mais artigos pelo Jorge Loureiro