Ao contrário do que alguns poderiam desejar, a From Software não está a trabalhar num novo Dark Souls ou em Bloodborne 2. Ao invés de criar sequelas, a companhia Japonesa apostou numa nova propriedade intelectual.

Sekiro: Shadows Die Twice é essa nova série que se estreará a 22 de Março e que está a gerar imensa antecipação, enquanto esperamos para descobrir de que formas os criadores de Dark Souls nos vão testar.

Para Hidetaka Miyazaki, presidente da From Software, o objectivo para o futuro é precisamente continuar a criar jogos capazes de entusiasmar os jogadores.

Em entrevista com a Famitsu, Miyazaki foi questionado sobre o futuro da From Software e que tipo de companhia será dentro de 5 a 10 anos.

Miyazaki diz que se criarem bons jogos, vão-se tornar numa companhia que tem sucesso.

"Sinto que esse tipo de simplicidade é importante para a companhia e funcionários e quero torná-la numa companhia onde podemos simplesmente focar em produzir jogos e mostrar a nossa paixão."

"Organizar o ambiente de trabalho, entre outras, é óbvio, mas penso que é mesmo necessário para nos fortalecer em áreas como diversidade de projectos e novos desafios," disse ainda Miyazaki.

No entanto, o criador de Dark Souls acredita que isto pode ser dito de outra forma, de uma forma relacionada directamente com os jogadores.

"Dizendo-o de outra forma, talvez seja, 'queremos ser uma companhia que produz jogos que deixam os jogadores entusiasmados.' Queremos ser uma companhia capaz de conseguir deixá-los excitados quando anunciamos um novo jogo ou quando imaginamos o próximo título."

Olhando para o percurso da companhia ao longo dos últimos 10 anos, a From Software tem tudo para se manter relevante e capaz de entusiasmar os jogadores quando prepara um novo jogo.

Publicidade

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Mais artigos pelo Bruno Galvão