Um dos assuntos mais discutidos da actualidade são os jogos como um serviço, títulos que serão apoiados ao longo dos meses e para os quais são apresentadas diversas actualizações com melhorias.

Nem todas as companhias decidiram abraçar este modelo, mas várias das principais editoras já lançaram jogos singleplayer ou multiplayer com o formato "games as a service".

A From Software é uma das companhias que ainda não apresentou uma proposta para um jogo vivo, mas isso não significa que a ideia esteja longe da mente de Hidetaka Miyazaki, o responsável pelo estúdio.

Recentemente, Miyazaki afirmou que, apesar do seu historial focado, principalmente, em jogos singleplayer, gostaria de experimentar com esse conceito de jogos vivos.

"Existe sempre essa possibilidade," disse Miyazaki quando questionado se gostaria de trabalhar num jogo como um serviço.

"Esses jogos são muito divertidos. Estamos interessados nos padrões que estão a seguir. Se fizermos um, poderá ser um pouco diferente! Mas estamos definitivamente interessados e existe definitivamente essa possibilidade no futuro. Adoraríamos experimentar isso algum dia."

A diversidade na indústria é benéfica, diz Miyazaki, que realça ainda a quantidade de bons jogos singleplayer que continuam a chegar às lojas.

"Os jogos de acção singleplayer não são raros nos dias de hoje. Apesar de Devil May Cry 5 ter alguns elementos online, chega duas semanas antes do nosso jogo e é uma experiência muito focada no singleplayer. Também tivemos God of War e Spider-Man."

"Precisamos desta diversidade na indústria. Independentemente daquilo que a From Software está a fazer, precisamos de pessoas que criam jogos battle royale e serviços vivos e precisamos de pessoas que criam experiências focadas no singleplayer."

"Sentimos que é esta diversidade que nos vai manter a todos em evolução."

Consegues imaginar um jogo da From Software apresentado como um jogo como um serviço? Singleplayer ou multiplayer?

Publicidade

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Mais artigos pelo Bruno Galvão