Durante muito tempo, a possibilidade de jogar com jogadores noutras plataformas foi um dos principais pedidos efectuados pelos jogadores com uma PlayStation 4, algo que apenas é possível em casos específicos.

Em Setembro de 2018, a PlayStation anunciou que a funcionalidade cross-play entraria num estado beta e que seria possível jogar Fortnite com jogadores que estão noutras plataformas.

Foi um primeiro passo importante para os adeptos da funcionalidade, mas John Kodera, Presidente e Global CEO da Sony Interactive Entertainment, afirmou que a funcionalidade seria activada apenas em "conteúdo third-party seleccionado".

No entanto, em conversa com o Game Informer, na mesma entrevista em que falou da dedicação ao singleplayer narrativo, Shawn Layden, presidente dos Sony Interactive Entertainment Worldwide Studios, sugeriu que depende dos criadores dos jogos se mais títulos terão cross-play na PlayStation 4.

Layden, que numa série de entrevistas esta semana falou da perda de impacto da E3 e sobre como a Sony não tem interesse no battle royale, foi questionado sobre o estado beta do cross-play na PlayStation 4 que está a ser testado com jogos como Fortnite e Rocket League.

Segundo diz, a companhia quer assegurar uma experiência de qualidade e além disso, a comunidade PlayStation é imensa e facilmente enche uma sala online para jogar. No entanto, escutaram e reagiram.

"Penso que aprendemos com o feedback dos fãs, isso foi importante. Não foi apenas uma minoria vocal. No entanto, se olhares para quaisquer números sobre a população cross-play? Esse diagrama de Venn não é muito grande. Mesmo os fãs que não iam participar em actividades cross-play com outras plataformas sentiam que era praticamente inexistente na PlayStation."

"Tentamos ser bons ao longo dos últimos quatro ou cinco anos para estarmos em sintonia com os nossos fãs e ouvir o que eles querem e tentar ser um amigo do jogador. Olhamos para essa abordagem. Isto...isto não é tão amigável," diz Layden.

No entanto, a decisão não foi fácil e o processo não é tão simples quanto pressionar, especialmente porque não querem comprometer a qualidade da experiência, mas segundo diz, tudo depende dos estúdios.

"Chegamos a esse ponto com Fortnite e parece que está a correr razoavelmente bem, do que posso dizer. Rocket League será activado em breve. As pessoas continuam a dizer, 'porque é que a Sony não permite que mais pessoas o tenham?' Estamos abertos a discussões sobre isto. Tudo o que é preciso é que os criadores e editoras que o querem peçam permissão."

"Como sempre, trabalhem com o vosso gestor de conta PlayStation e ele vai-te encaminhar pelos passos que aprendemos com a nossa parceria com a Epic sobre como isto funciona."

Layden diz que não existem mais barreiras e perante o sucesso do teste de Fortnite, mais jogos podem receber cross-play se quiserem.

No entanto, esta não é a situação contada pela indie Chucklefish, que acabou de lançar Wargroove para PC, PlayStation 4, Xbox One e Nintendo Switch.

Wargroove chegou às lojas a 1 de Fevereiro e apresenta cross-play entre a Xbox One, Nintendo Switch e PC, mas a versão PlayStation 4 não apresenta a funcionalidade porque a Sony não o permitiu, ao contrário do que Layden afirma.

O CEO da Chucklefish decidiu reagir às palavras de Layden através do fórum ResetERA e diz que o seu pedido foi negado.

"Olá, fala o CEO da Chucklefish aqui, acabamos de lançar Wargroove com cross-play entre PC, Switch e Xbox, por isso queria falar sobre isto."

"Fizemos vários pedidos para cross-play (através do nosso gestor de conta e directamente aos superiores) até ao mês de lançamentos. Foi-nos dito sem uma razão definida que não iria acontecer."

Segundo a Chucklefish, bastaria activar uma opção e a funcionalidade cross-play chegaria a Wargroove na Playstation.

"Apenas queria dar uma outra perspectiva do problema e dizer que isto não é uma questão dos criadores não contactarem os seus gestores de conta ou se terem esquecido. Disseram-nos que não."

Publicidade

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Mais artigos pelo Bruno Galvão