Uma das actuais tendências da indústria é a aposta em jogos como um serviço, jogos vivos que são apoiados ao longo do tempo e geram receitas de forma recorrente.

A PlayStation é uma das poucas grandes editoras que ainda não apostou numa experiência do género e segundo Shawn Layden, responsável pelos 13 estúdios de desenvolvimento de videojogos na companhia, é algo que podem investigar, mas preferem focar-se no que fazem melhor - jogos singleplayer focados na narrativa.

Em conversa com o GameInformer, Layden foi questionado se após a aposta no singleplayer a PlayStation gostaria de investir num jogo multi-jogador vivo e apesar de não fechar a porta à ideia, preferiu destacar os méritos da companhia.

"Penso que temos de ter ambos. Isto não é uma resposta esfarrapada. Penso que estabelecemos um padrão elevado por sermos os melhores nos videojogos narrativos de longa duração," disse Layden.

"Temos alguns dos melhores contadores de histórias da indústria a trabalhar em projectos da Worldwide Studios, seja a Sucker Punch ou a equipa na Bend que trabalha em Days Gone e claro, a Naughty Dog e a Santa Monica Studios. Penso que é uma super força nossa. Fiquei contente por ver que três dos cinco nomeados para jogo do ano eram jogos da Worldwide Studios."

Layden destacou ainda jogos como Detroit: Become Human da Quantic Dream, demonstrando orgulho por ver que a aposta séria na narrativa e na criação de mundos focados em histórias estão a deixar a sua marca.

"Fiquei contente por ver Detroit ser acarinhado porque é um jogo muito complexo, pelo menos em termos do desenvolvimento, a equipa na Quantic entregou-se de alma e coração ao jogo. São a única equipa no mundo que conseguem criar aquele design de narrativa ramificada. Ver a equipa ser reconhecida foi muito bom para nós."

Sobre os jogos vivos, também referiu que se a Sony conseguir criar algo relevante e fresco na área dos jogos como um serviço, poderemos ver algo do género.

"Quanto aos jogos como um serviço e eSports ou receitas recorrentes, seja o que for - se conseguirmos fazer algo interessante e com significado, iremos fazê-lo. Se nos formos aliar a outra equipa para, mais uma vez, entregar algo interessante e com significado, estaremos lá e faremos isso," diz Layden.

No entanto, Layden explica que não é "falta de interesse nessas áreas, apenas é uma área na qual, historicamente, não tivemos bem."

De acordo com o chefe dos PlayStation Worldwide Studios, o melhor é focarem-se no que mais gostam e melhor sabem fazer.

Publicidade

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Mais artigos pelo Bruno Galvão