Um clássico da Capcom convertido sem grandes esforços para novas plataformas, mas que ainda continua altamente divertido e sem algo similar.

Jogar Onimusha: Walords em 2019, 18 anos depois do lançamento original, é um acontecimento deveras sensacional. É uma viagem no tempo em todos os sentidos e um fascinante olhar à transformação que aconteceu nesta indústria.

Onimusha é um dos maiores épicos lançados no início de vida da PS2, que convenceu multidões a comprar a consola. Enquanto grande fã da Capcom e dos seus jogos com personagens 3D em fundos 2D pré-renderizados, Onimusha apresentou-se como um jogo de outra escala perante o que veio antes, um jogo de impressionante ambição.

Imaginado como um Resident Evil na era dos samurais, Onimusha deslumbrou com a qualidade dos cenários, com o estilo de acção e por ramificar a experiência Resident Evil. Uma das maiores provas da ambição da Capcom para este projecto, que jamais esqueci, foi o uso de Takeshi Kaneshiro, famoso actor Japonês, para dar vida a Samanosuke Akechi - o protagonista.

Onimusha destacou-se desde logo pela sua mera premissa: o uso de figuras reais do período Sengoku da história Japonesa, combinando assim realidade e fantasia numa viagem de acção cinematográfica sem igual.

Passados 18 anos, não esperava divertir-me tanto com o jogo e nem foi pela nostalgia, foi por confirmar que o jogo é realmente bom e por demonstrar tão bem o quão diferentes eram os principais valores da indústria na altura.

Esta viagem no tempo é feita através da nova versão apresentada pela Capcom, que actualizou os gráficos e controlos, aprimorou o gameplay, adicionou suporte 16:9 e inclui ainda as vozes Japonesas. No entanto, esta versão deixa-nos divididos pois a companhia fez o trabalho mínimo.

Os cenários pré-renderizados de Onimusha, outrora impressionantes e vistosos, não envelheceram bem e, apesar do incrível aumento na resolução permitir uma imagem limpa e nítida, a qualidade é inconsistente. Os modelos 3D dos personagens foram melhorados, mas são agora altamente básicos, bem como as animações. Onimusha não envelheceu muito bem em termos visuais.

O gameplay é onde existem as mais interessantes melhorias - especialmente nos controlos analógicos e na troca de armas em tempo real. Nas novas versões, a Capcom permite-te trocar entre as três armas, o arco ou pistola, sem aceder a menus (algo que seria revolucionário na altura, mas banal nos dias de hoje). Além disso, Samanosuke deixa de ser um tanque graças aos controlos actualizados e compatíveis com o analógico.

"Um dos mais ambiciosos jogos de acção da PS2 foi recuperado numa versão onde a Capcom fez os esforços mínimos."

Se quiseres entrar neste castelo feudal e salvar a princesa com os controlos originais, podes fazê-lo na mesma com a ajuda do D-pad, reproduzindo de forma fiel o original, mas os controlos actualizados tornam-no mais natural e agradável.

Onimusha é um jogo sobre combate com espadas, evoluir as três orbs diferentes para aceder a novas salas, voltar a locais visitados anteriormente para descobrir novos segredos. Também é um jogo mais focado nos combates, onde até podes eliminar demónios com um só golpe se pressionares o botão de ataque no momento certo. Existe um segmento horrível onde tens de enfrentar três quebra-cabeças seguidos, estraga o ritmo, mas é uma ocasião exclusiva.

Neste regresso de um clássico que marcou a sua geração, pelo menos para mim, é muito bom verificar que ainda hoje é altamente divertido e consegues ver facilmente a ambição que moveu a Capcom. A presença de figuras como Oda Nobunaga, os bosses, o estilo e combate simples e eficaz, é um dos melhores jogos no catálogo da Capcom, mas que a momento algum esconde ser um filho da sua geração.

Onimusha pode ser terminado em menos de 3 horas (demorei 03:23 na primeira tentativa em Normal) e não existem quaisquer novidades além dos Troféus/Conquistas para te forçar a repetir o jogo. Os mesmos desbloqueáveis do original estão aqui presentes, mas a Capcom não fez qualquer esforço para tentar inserir mais extras. Assim sendo, esta nova versão de Onimusha: Walords torna-se num produto um pouco confuso de encarar.

Seja para as novas audiências descobrirem este clássico tão aclamado ou para os fã de longa data celebrarem a série, agora numa plataforma actual (em formato portátil se optares pela Switch), esta nova versão atesta que permanece um título divertido numa série sem igual. É fácil entender o porquê da sua ambição ter sido admirada e reconhecida. No entanto, a ausência de quaisquer novidades de relevo, além de meras actualizações nos controlos, fragilizam um port quase directo.

Publicidade

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Mais artigos pelo Bruno Galvão

Comentários (18)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários

Conteúdos relacionados

Onimusha mostra todas as novidades nas novas versões

Troca de arma em tempo real, controlos analógicos e mais.

Onimusha remaster comparado com o original

A Capcom mostra as melhorias.

Onimusha Warlords HD recebe novas imagens

A qualidade do remaster está boa?

Star Wars Jedi: Fallen Order chega no final de 2019, confirma Disney

Figuras, brinquedos e livros do jogo anunciados para Outubro.

Últimas

Star Wars Jedi: Fallen Order chega no final de 2019, confirma Disney

Figuras, brinquedos e livros do jogo anunciados para Outubro.

Castlevania em formato Pop! da Funko

Personagens transformados em figuras.

Filme Detective Pikachu recebe novo teaser

Pikachu e a magia dos Pokémon.

Joga Resident Evil 2 com Regina de Dino Crisis graças a Mod

Comunidade PC criou vários mods para o jogo da Capcom.

Publicidade