Luigi's Mansion - Análise - Bigode eriçado

Casa dos horrores.

Lançado em 2001, em simultâneo com o sistema GameCube e mais uma dezena de jogos, a obra a solo do irmão de Super Mario depressa se destacou. Para além da invulgaridade do design e mecânicas, Luigi's Mansion distanciava-se de tudo o que era habitual nos jogos de Super Mario.

Enquanto que estes primam pelas plataformas, saltos e uma composição do "Mushroom Kingdom" assente em múltiplos conceitos, aquele jogo promoveu a captura de fantasmas, por vezes mais hilariantes que assustadores, num ambiente fechado e com alguns elementos de terror mas que na verdade confluíam para uma comédia.

Desde o tiritar de medo de Luigi até aos sustos que quase o colocam em marcha para o exterior, passando pelas melodias, sonoridades, facilmente se detecta o dedo da Nintendo na construção daquela diabólica mansão.

Menos vulgar é o sistema de captura e detecção dos inquilinos sobrenaturais, que mais parecem uns fantasmas danados para a brincadeira e para explorar o medo de Luigi do que propriamente em ceifar a sua vida. Não leva muito tempo para que Luigi perceba que a mansão que recebera não é aquilo que perspectivava. Para piorar, o irmão Mario desapareceu no seu interior labiríntico.

O resultado é uma aventura bem construída, humorística, dotada de um estilo artístico muito grande, com relevo para a arte, designadamente os interiores, as mobílias, os objectos e móveis que os preenchem, assim como é interessante do ponto de vista dos efeitos visuais (Luigi a ver-se ao espelho).

A tarefa desta personagem é inquietante para ele mas um óptimo desafio para o jogador, que mesmo não tendo muitas horas pela frente para desinfestar a mansão, vive-as com grande intensidade. É verdade que há coisas que nem sempre correm bem. O sistema de captura tem as suas condicionantes (batalha-se um pouco para manobrar o analógico que leva à apreensão do fantasma), embora se revele apto a proporcionar os efeitos desejados.

Parece ter existido uma inspiração no clássico filme Ghostbusters (1984) na batalha para aprisionamento do fantasma, contra a força de sucção emitida pelo Poltergust 3000, uma versão especialmente melhorada de um aspirador, engenho concebido pelo cientista E.Gadd.

1
Os efeitos de luz e detalhe dos ambientes continuam a impressionar.

Quase 17 anos depois, a Grezzo (produtora responsável por converter The Legend of Zelda: Ocarina of Time e Majora's Mask para a 3DS) é a responsável por mais um "port remasterizado" para a portátil da Nintendo. Para um jogo originalmente publicado em 2001, pode-se dizer que envelheceu bem. Se não tiveram a oportunidade de jogar o original, terão pela frente uma boa aventura, cheia de surpresas e bons desafios, embora e como já referi, o sistema de captura não esteja isento de atritos que impedem uma manobra mais fluída e equilibrada quando temos que defrontar fantasmas mais resistentes.

O objectivo passa por capturar todos os fantasmas da mansão. Para isso terão que usar o aspirador melhorado e uma lanterna para apontar aos fantasmas alojados no escuro. É possível ouvir risadas deles e alguns objectos em movimento após a sua passagem, mas só depois de apontado o feixe de luz nos olhos, como um sol apontado ao Drácula, é que ficam visíveis, momentaneamente atordoados.

Nesse momento terão de usar a força da sucção para os prender e puxar para o aparelho. O fantasma luta contra a força que o suga. Os mais fracos são aprisionados facilmente, mas há mais variantes de fantasmas, como os bosses, com as suas nuances; fecham os olhos quando apontamos a lanterna e são mais difíceis de prender ao aspirador. É com estes fantasmas que acabamos por encontrar muita luta.

A adaptação à 3DS revela-se eficaz. Podemos usar o giroscópio para apontar o cano do aspirador enquanto movimentamos Luigi com o stick esquerdo, mas a opção mais cómoda ainda é o segundo analógico (c-stick), desde que estejam a correr o jogo numa New Nintendo 3DS. No entanto é possível configurar outras opções, oriundas de Luigi's Mansion Dark Moon, nos instantes iniciais da campanha.

2
O novo mapa 2D no ecrã táctil facilita a identificação das divisões que estão por explorar.

Os efeitos em 3D são bastante satisfatórios, criando uma sensação de câmara e profundidade. Joguei sempre com os efeitos 3D no máximo e nunca senti problemas, embora esta percepção possa não ser a mesma para todos, pelo que deverão perceber qual é a vossa reacção ao 3D da consola. Se não têm problemas vão aproveitar a funcionalidade.

À excepção do modo cooperativo (local e que requer outro cartucho noutra consola), através do qual podem capturar fantasmas com outro amigo, não existe mais nenhuma novidade de monta, nem outra funcionalidade. Encontramos o mesmo jogo que era há 17 anos, com tudo de bom e as mesmas limitações.

Não é um jogo muito comprido, o desafio é regular mas sólido, e o sistema de captura por vezes cria algumas dificuldades. A boa adaptação verifica-se na optimização da iluminação e das texturas a uma consola como a 3DS.

O jogo está minimamente em sintonia com a execução atingida na GameCube, o que é óptimo para uma experiência 3DS, mas há que ter em conta algumas quebras de frame-rate, especialmente sentidas nas zonas onde é maior a movimentação de fantasmas. Mesmo assim, o desempenho de Luigi's Mansion é óptimo na 3DS e assegura uma oportunidade a considerar por quem não tenha jogado o original.

Com Luigi's Mansion para a 3DS a Nintendo cria mais uma oferta para a consola portátil. Fica a dúvida se não ganharia mais visibilidade numa Switch, que em 2019 receberá Luigi's Mansion 3. Mas não nos podemos esquecer do grande parque de consolas 3DS instalado, e mesmo estando na ponta final do ciclo de vida, ainda cabem bons jogos. Este talvez seja um dos últimos cartuchos.

Publicidade

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (3)

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Conteúdos relacionados

Revelados os Melhores Jogos da Década de acordo com o Metacritic

Super Mario Galaxy 2 e Zelda: Breath of the Wild lideram.

State of Play anunciada para 10 de Dezembro

Será que Jill e Carlos foram convidados?

VídeoEsports: Como é ser um pro player em Portugal - Parte 2

A emocionante jornada dos Offset na Liga Portuguesa de Counter-Strike.

InXile trabalha em novo RPG exclusivo Xbox

RPG singleplayer com elementos de acção.

Também no site...

VídeoEsports: Como é ser um pro player em Portugal - Parte 2

A emocionante jornada dos Offset na Liga Portuguesa de Counter-Strike.

InXile trabalha em novo RPG exclusivo Xbox

RPG singleplayer com elementos de acção.

Novo gameplay de Tokyo Mirage Sessions #FE Encore para a Nintendo Switch

Título da Wii U procura a atenção que merece na Switch.

Venom 2 poderá ser influenciado pelo sucesso de Joker

Realizador poderá apostar num filme de classificação R.

Comentários (3)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários