Depois de uma Season 1 que deixou antever uma Season 2 ainda mais entusiasmante, a Netflix está prestes a apresentar o regresso de Castlevania num dia que promete tornar-se especial para a série da Konami.

Se em Julho de 2017, Adi Shankar, realizador Norte Americano, com a ajuda de Warren Ellis, escritor que trabalhou em várias séries televisivas e no primeiro Dead Space, surpreenderam com a Season 1, estamos a meros dias de assistir à Season 2 e podemos garantir que mantém o tom e perfil que te deixou apaixonado pela Season 1.

Será a 26 de Outubro que Castlevania Season 2 estreará, no mesmo dia em que Castlevania Requiem chegará à PlayStation 4, mas tivemos a oportunidade de assistir a 6 dos oito episódios que nos deixaram tão rendidos quanto os primeiros 4.

A Season 1 apresentou-se quase na sua totalidade como uma adaptação de Castlevania III: Dracula's Curse, um dos maiores clássicos da série, mas a Season 2 já assume um tom ligeiramente diferente - tenta dar continuidade a essa adaptação, mas começa a preparar as fundações para uma perspectiva original da série icónica.

A Season 2 começa imediatamente após Trevor Belmont encontrar Adrian Ţepeş, juntamente com Sypha Belnades, assegurando que na sua grande maioria ainda estás dentro de uma homenagem a Dracula's Curse, mas se tudo o que diz respeito a este trio de protagonistas é uma homenagem a esse clássico de 1989, o que está à volta já revela um tom diferente.

Castlevania Season 2 vai passar grande parte do seu tempo com Dracula e os seus generais, que não revelam o respeito absoluto pela icónica figura como poderias esperar. Entre a discórdia sobre como eliminar a humanidade, existem tramas de bastidores e jogos de poder que aprofundam este lado da narrativa de Castlevania. É especialmente interessante pois introduz novos personagens e revela uma adaptação de outros.

1
Adrian Fahrenheit Ţepeş é agora um dos principais protagonistas.

Enquanto o trio de protagonistas tenta descobrir como travar Dracula, pelo caminho recuperando os segredos da família Belmont, os generais de Dracula discutem qual o plano que preferem. Isto dá-te acesso a personagens como Carmilla, Hector e Isaac - três nomes clássicos que provavelmente só os mais acérrimos fãs da série vão reconhecer de imediato.

Hector é o protagonista do jogo Castlevania: Curse of Darkness, no qual Isaac é o antagonista, revelando aqui uma inesperada adaptação desse título lançado em 2006. Tendo em conta a proximidade cronológica com Dracula's Curse, é um aproveitamento inteligente destas duas personagens, mas ao mesmo tempo revelador das intenções da série - adaptar o material original, mas começar a implementar o seu próprio toque.

Estes dois generais humanos entre os vampiros de Dracula são apresentados aqui de uma forma que evidencia as intenções dos produtores: respeitar o suficiente o material da Konami, mas sem medo de o moldar. O mesmo se pode dizer de Carmilla, uma figura que surgiu em diversos jogos da série, até teve direito a menção no trailer de Super Smash Bros. Ultimate, apresentada na série com elementos vindos da Konami, mas ainda assim modificada e com propósitos específicos.

2
A presença da icónica Carmilla é uma amostra de como a série está a criar algo original baseado na obra onde se inspirou

Para os fãs dos videojogos, será altamente curioso ver os nomes que são usados na adaptação, como são adaptados e de que formas a equipa presta a merecida homenagem a estes videojogos, gerindo o delicado equilíbrio entre respeito pelo original e liberdade criativa. No entanto, algo que deves ter em conta é que este alternar entre o trio de protagonistas e as intrigas da corte de Dracula implicam um ritmo mais lento, mais conversa para explorar os personagens e possíveis traições, deixando a acção de lado.

Castlevania Season 2 apresenta boas cenas de acção ao longo destes 6 episódios (quanto mais se aproxima do final mais promissor se torna), mas a maioria dos episódios são passados a explorar os personagens, a descobrir informações, estabelecer ligações, aprofundar o mundo, tentar criar um elo contigo para que sintas com mais força o impacto de alguns eventos. É um tom que poderá não ser do agrado de todos, mas a qualidade da adaptação, da música e dos visuais ajudam a levar-te para aquele universo.

A respeito de visuais, nesta Season 2, a Frederator Studios e a Powerhouse Animation Studios mantiveram as principais responsabilidades pela arte e animações - o que desde logo garante a continuidade do bom e do menos bom. Apesar da boa qualidade da arte e das animações, será fácil notar quando existem quedas nesses dois aspectos e ocasionalmente poderás reparar em animações menos fluídas ou arte abaixo do padrão. No entanto, na grande maioria do tempo, é uma produção que agrada.

3
Os generais de Dracula têm um grande papel na Season 2 e surgem várias inesperadas figuras vindas de jogos como Curse of Darkness.

Depois de assistir aos primeiros seis episódios de Castlevania Season 2, apenas posso dizer que foi cruel não conseguir ver os restantes dois e assistir à conclusão. A série animada presta uma homenagem aos videojogos que tanto adoras e começa a dar os primeiros passos para criar a sua própria versão do universo, indo além da adaptação directa. A principal sensação é precisamente essa, a de estar a servir como uma ponte que já deixa pontas soltas para o futuro. Nada de estranho quando já está a Season 3 confirmada pela Netflix.

Se gostaste da Season 1, então esta Castlevania Season 2 vai-te deixar igualmente entusiasmado e com ainda mais vontade de jogar os jogos da série. Desde 2014 que a série está adormecida e Castlevania Requiem é apenas uma compilação de dois jogos exclusiva PlayStation 4. Desde um novo jogo original ou uma compilação mais abrangente é algo no qual ficamos a pensar com grande facilidade após assistir à animação, até remasters da série Lords of Shadows seriam bem-vindos nesta altura.

Publicidade

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Mais artigos pelo Bruno Galvão

Comentários (2)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários

Conteúdos relacionados

Demon's Souls Remaster é possível, mas nas condições certas

Mas teria de ser feito por outro estúdio e com luz verde da Sony.

Square Enix regista o termo "HD-2D" usado em Octopath Traveler

Será que teremos mais jogos neste estilo visual?

A Switch foi a consola mais vendida em França em 2018

Mais de 2 milhões de unidades vendidas.

Far Cry: New Dawn aprofundou os elementos RPG

A Ubisoft reforçou a aposta nesta vertente.

Últimas

Demon's Souls Remaster é possível, mas nas condições certas

Mas teria de ser feito por outro estúdio e com luz verde da Sony.

Square Enix regista o termo "HD-2D" usado em Octopath Traveler

Será que teremos mais jogos neste estilo visual?

A Switch foi a consola mais vendida em França em 2018

Mais de 2 milhões de unidades vendidas.

Far Cry: New Dawn aprofundou os elementos RPG

A Ubisoft reforçou a aposta nesta vertente.

Publicidade