Funcionários da Rockstar elogiam a companhia

Dizem não acreditar sequer nas críticas.

A Rockstar Games está prestes a lançar um dos mais ambiciosos jogos da geração, Red Dead Redemption 2, mas nos últimos dias também tem sido falada por motivos mais controversos.

Quando Dan Houser deu uma entrevista a falar da ambição do seu novo jogo, afirmou que os funcionários da equipa trabalharam 100 horas durante várias semanas para cumprir objectivos.

Posteriormente, Houser esclareceu o seu comentário e disse que ninguém era obrigado a trabalhar no duro ou por mais tempo, mas ainda assim não impediu ex-funcionários da Rockstar Games em relembrar momentos menos felizes.

Um ex-funcionário falou em incrível pressão no desenvolvimento de GTA 4, outra pessoa falou sobre o crunch intenso no desenvolvimento de L.A. Noire, enquanto outro descreveu como um inferno o crunch em GTA 5.

Agora, a Rockstar Games permitiu aos seus actuais funcionários partilhar as suas visões do actual estado da companhia e alguns confessam nem acreditar no que está a ser descrito nas redes sociais.

"A Rockstar deu-nos permissão para falar francamente sobre este problema nas redes sociais," começou por dizer Vivianne Langdon, programadora na Rockstar San Diego.

"Quero realçar que esta é a minha opinião pessoal, não estou a ser recompensada por este comentário de forma alguma e estou a fazê-lo voluntariamente. Apenas vou falar da minha experiência pessoal."

"Nunca trabalhei mais do que talvez 50 horas por semana (e isso é um acontecimento raro), mas no geral trabalho entre 2 a 6 horas extra pagas por semana. Sou 'não isenta' por isso o meu pagamento de horas extra começa a 1.5x o meu salário e pode ir até 2x após 8 horas de trabalho extra ou 12 horas num só dia, de acordo com a lei da Califórnia."

"Apenas me pediram para trabalhar aos fins de semana uma ou duas vezes em todo o meu tempo na equipa de Ferramentas da Rockstar."

Langdon diz que geralmente, quando trabalha horas extra é porque quer e está totalmente concentrada e não quer parar até resolver o problema no qual está focada, não sendo de forma alguma pressionada para cumprir metas impossíveis.

Esta programadora também diz estar a trabalhar num local onde é apoiada e no qual é ouvida, valorizada e respeitada.

"Este projecto foi muito trabalhoso para todos. Estou extremamente orgulhosa do trabalho que eu e o resto da equipa fizemos e estou incrivelmente entusiasmada com o dia de lançamento."

Além de Langdon, também Wesley Mackinder, artista na Rockstar North, falou nas redes sociais sobre a sua experiência na companhia e diz que leu muitas tontices nas redes sociais ao longo desta semana.

"Tem sido surreal ver as pessoas a partilhar as suas histórias de crunch com a conclusão que, 'a Rockster precisa mudar'. Quando acabei de as ler fiquei a pensar, 'Estou tão feliz por trabalhar na Rockstar e não ter feito nada do que eles fizeram'," diz Mackinder.

"Apenas para adicionar um exemplo concreto daquilo que falo. Durante o desenvolvimento de RDR, algumas vezes trabalhei 50 horas numa semana. Isto aconteceu raramente durante apenas alguns meses."

"E quando digo raramente, é mesmo raramente. Nalgumas semanas apenas trabalhei as 40 horas e não existiram quaisquer problemas."

Outras pessoas, como Zoë Sams, programadora na Rockstar North, também falou sobre a sua experiência e revela como a sua realidade é diferente da que viu descrita por outras pessoas.

"É difícil ver pessoas, amigos e colegas a espalhar informações que ou não são verdade ou mudaram ou a dizer às pessoas para não comprar um produto no qual trabalhaste tanto e que amas."

"Quero esclarecer algumas coisas a partir da minha perspectiva pessoal - não posso falar por todos, não sou uma representante da Rockstar e sei que as coisas podem variar entre departamentos e estúdios."

"Nunca trabalhei 100 horas numa semana. Agradecem-me as horas extra que me pedem para dar e sinto que quando isso acontece é uma situação indesejada...Adoro a minha equipa, esta louca família, e o trabalho que apresentamos. Gostaria de pensar que eles também sabem que sinto o mesmo, com todo o trabalho que faço por eles."

"Não penso que somos perfeitos, mas não penso que seja em qualquer lado e todos trabalhamos para mudar isso internamente."

O VG247 também recebeu mensagens anónimas de supostos funcionários da Rockstar Games que defenderam a companhia, dizendo que é frustrante ver as críticas sobre crunch que não correspondem à realidade.

No entanto, uma das mensagens anónimas sugere que a política varia de estúdio para estúdio e entre departamentos.

"Nem todos os estúdios recebem as horas extra. Nós não recebemos. Outros departamentos podem não se sentir forçados, mas duvido que vejas muitos tweets do design ou controlo de qualidade. A média de todos os departamentos faz com que as horas extra não pareçam muito más, mas tenho feito semanas com mais de 50 horas como padrão desde que comecei."

"Mesmo quando não há trabalho dizem-nos para vir na mesma todos os fins de semana. Penso que as pessoas estão a ser honestas nos seus tweets, mas apenas podem falar por si."

Publicidade

Salta para os comentários (15)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

PS5 e Xbox Series X confirmadas para o Tokyo Game Show

Japoneses vão experimentar jogos de nova geração.

Dreams ganha data de lançamento

Sairá do Acesso Antecipado em Fevereiro.

Estúdios third-party podem agora criar jogos de League of Legends

Riot Games abre o seu universo a outros produtores.

Grand Theft Auto Online está cada vez mais popular

Seis anos depois, é uma máquina de gerar dinheiro.

Também no site...

Comentários (15)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários