Depois da espera adicional de um ano, Dragon Quest 11: Echoes of an Elusive Age finalmente chegou. Se no Japão a série é considerada como um marco nacional, no resto do mundo é um emblema do género JRPG, mas depois de títulos como Octopath Traveler, Persona 5 ou Xenoblade Chronicles 2, a qualidade do género está em grande e existe uma grande responsabilidade acrescida nesta épica série da Square Enix.

O respeito e estatuto alcançados pelo nome Dragon Quest não é fruto do acaso. É resultado de obras meticulosamente concebidas e que apelam ao imaginário de milhões, acessíveis a crianças e igualmente interessantes para adultos. É um equilíbrio delicado e alcançado após grande empenho pela Square Enix - o que torna estes jogos ainda mais impressionantes. Isto também colocou maior expectativa em Dragon Quest 11 pois quem se apaixonou pela série permanece fiel e deseja ver como se enquadra numa actualidade onde o género recebeu boas referências nos últimos tempos.

Dragon Quest 11 parte assim com uma tarefa complicada - respeitar os moldes de uma série clássica perante a necessidade de introduzir melhorias e novidades que a tornem relevantes. O nome não basta. O maior prazer em Dragon Quest 11 é descobrir que a equipa liderada por Yuji Horii conseguiu cumprir com esse propósito e apresenta-te um jogo que se sente como um Dragon Quest clássico, mas que ainda assim enverga bons avanços.

Ao longo das 70 horas que passarás nesta Erdrea, o mundo do jogo, numa jornada para levar o Luminary a salvar o mundo de uma criatura maléfica que ameaça mergulhar tudo no caos, será essa a melhor sensação que poderás ter. A sensação que estás a jogar um Dragon Quest repleto de elementos e detalhes que te fazem pensar nos clássicos, adorável e entusiasmante, mas com uma imagem actual e deslumbrante. As horas passam a voar, acredita.

1
O maravilhoso mundo conquista-te ao longo das suas cidades e diversos locais que vais explorar - inspirados em culturas e locais do mundo real.

Um belo mundo de fantasia

O que mais me fascinou em Dragon Quest 11 é mesmo como consegue parecer um dos clássicos na série, repleto de referências, elementos e características que te fazem pensar que estás a jogar um dos primeiros jogos. Isso significa uma alma doce, repleta de ternura, que a Square Enix conseguiu para esta jornada por Erdrea. Desde o primeiro instante que sentes estar perante um jogo repleto de charme, que fica a meio da ponte entre o passado e o futuro.

Dragon Quest 11 transporta-te para o mundo do Luminary, a reencarnação do herói divino que surge quando a mais temível das criaturas está prestes a iniciar os seus planos. No entanto, as coisas não correm como esperado e o exército dos monstros reage mais cedo do que previsto, o que dá início a uma inesperada sucessão de acontecimentos

"Um jogo repleto de charme, com o tipo de personalidade que só encontras num daqueles JRPGs feitos como deve ser"

Quando começas a jogar, o protagonista sem nome, o Luminary, está prestes a iniciar uma jornada para descobrir mais de si mesmo, sobre os seus poderes e a sua origem - mesmo antes de pensar sequer em combater o mal. O que acontece depois é uma série de entusiasmantes aventuras e desventuras, ao longo de um continente repleto de mistérios. Para cumprir o seu propósito e seguir em direcção ao futuro, o Luminary terá de descobrir mais sobre o seu passado e para isso, precisará de ajuda.

Enquanto descobre sete companheiros de viagem que encontra em diversos locais, o Luminary vai desvendando os mistérios do seu passado e caminhando em direcção à Yggdrasil, a árvore do mundo e a fonte dos seus poderes. O enredo de Dragon Quest 11 está repleto de cenas que te apelam ao coração, mas nem tudo é perfeito. Existem momentos que parecem vir de um filme para crianças e são uma ternura, mas outros são um pouco forçados e até embaraçosos.

O elenco de personagens é interessante, mas não existem aqui designs ou figuras icónicas para a posterioridade. É visível uma constante procura por equilíbrio na busca pela sua identidade - ternura e humor quanto baste, banhados em alguma excentricidade. Muitos até podem sentir que a, já esperada, sensualidade num título Japonês poderá ser demasiada neste jogo e algumas situações estranhas.

No entanto, num JRPG onde uma das maiores novidades são mapas de maior escala onde podes andar a cavalo, é perceptível que Dragon Quest 11 seja um jogo de meios termos - um jogo que tenta usar os atributos clássicos que um nome do seu pedigree lhe concedeu, enquanto tenta implementar algo fresco sem comprometer a sua essência.

2
O Unreal Engine 4 é usado para uma estética que combina um estilo anime com elementos de tom mais realista - é verdadeiramente impressionante.

Para solidificar a sensação de meios-termos que tentam estabelecer pontes, Dragon Quest 11 recorre ao Unreal Engine 4 para apresentar dos melhores visuais que encontrarás num jogo do género nesta geração. Frequentemente, poderás dar por ti a jogar Dragon Quest 11 apenas para ver mais cidades e locais que ganham vida com este aparato visual sensacional. Ao combinar uma estética anime com cenários repletos de elementos que parecem reais, Dragon Quest 11 consegue um resultado simplesmente impressionante. É um dos seus maiores trunfos.

Esta qualidade visual colorida e impressionante é engrandecida com uma das maiores novidades na série - mapas maiores que, apesar de não representarem um mundo aberto, resultam numa ponte entre o estilo clássico e algo mais actual. Como já leste diversas vezes na página, foi um dos maiores objectivos da equipa - não aplicar muitas novidades que pudessem afastar os fãs de sempre. A equipa optou por descartar a ideia de um mundo aberto para manter um melhor equilíbrio entre exploração e narrativa, focando-se fortemente na narrativa. Diria que recompensou apostar nessa postura.

"A equipa optou por descartar um mundo aberto para manter um melhor equilíbrio entre exploração e narrativa"

As paisagens que exploras são vastas e lindas, coloridas como seria de esperar num Dragon Quest, algumas delas incrivelmente detalhadas e estes espaços abertos funcionam bem para te dar a sensação de um mundo enorme, sem ser aberto, sem a momento algum perderes o fio da narrativa (existem imensas indicações do que fazer em seguida, a Square Enix assegurou-se que jamais te sentes perdido). As cidades são igualmente inspiradoras e belas, enaltecendo a estética colorida e sendo dos melhores locais que já visitei num videojogo.

Combates clássicos e acessíveis

Ao percorrer esta Erdrea, verás à tua frente paisagens repletas de monstros que vagueiam por ali. Quando eles te vêm, dirigem-se para ti para iniciar a passagem para um ecrã de combate, mas até podes golpeá-los e aplicar dano antecipadamente. Quando passas para a fase de combate, poderás desfrutar de mais uma das novidades introduzidas na série, a possibilidade de controlar livremente o teu personagem e câmara num estilo mais livre (ao estilo de um Action RPG).

Até poderia ser algo de relevo, mas é uma novidade muito estranha pois apenas o teu personagem se mexe e os movimentos continuam preparados para o estilo clássico, o que te poderá fazer descartar desde logo esta opção que até deixa tão boas indicações. Felizmente, podes optar pelo Classic, onde o jogo controla a câmara e esta salta constantemente entre perspectivas. Dá uma maior dinâmica a estes combates por turnos. Uma experiência realmente clássica, mas que mostra o jogo tal como foi feito para ser jogado.

Tu escolhes qual a melhor. Eu preferi a Classic, mas como referi antes, Dragon Quest 11 foi desenhado e estruturado com uma grande acessibilidade em mente e isso reflecte-se nos combates. Se conheces a série, sabes que Dragon Quest apresenta-te combates por turnos e podes escolher os personagens que controlas. Podes até deixar o jogo a combater sozinho, como também podes escolher entre várias pré-definições para a IA dos companheiros. Certamente ajudará quem não precisa de maior controlo sobre a sua party ou prefere uma experiência simplificada.

É perceptível o cuidado da Square Enix em desenvolver um jogo para todas as idades, um jogo capaz de ser associado ao nome Dragon Quest e a bela estética com designs de Akira Toriyama não é o suficiente.

"Senti que o meu tempo não estava a ser gasto só porque sim e que a história decorria a bom ritmo"

O sistema de combates de Dragon Quest 11 é, como o jogo em si, altamente acessível, mas podes utilizar as novas Draconian Quests - restrições que podem ir de menos XP ganho, não ganhar XP ou monstros mais fortes. A Square Enix apostou numa dificuldade que podes personalizar e isso poderá salvar Dragon Quest 11 para alguns jogadores mais exigentes. Se te quiseres focar na narrativa, podes desfrutar dos combates cujas regras são simples e a IA altamente competente. Isto dá um grande ritmo a Dragon Quest 11 pois não sentes que és incomodado por artificialidades - apenas te estás a divertir.

O sistema de combate é divertido, existem bosses interessantes, alguns deles bem difíceis e nem o grinding te vai incomodar. Geralmente, entre bosses, bastou passar cerca de uma hora para subir 3 níveis e ficava pronto para uma nova etapa. Isto conferiu um incrível ritmo a Dragon Quest 11, senti que o meu tempo não estava a ser gasto só porque sim e que a história decorria a bom ritmo. Tens ainda várias side-quests opcionais (muitas delas relacionadas com o fabrico de itens no acampamento - onde também podes descansar e gravar o jogo).

O grande foco em Dragon Quest 11 continua no equipamento, força-te a adquirir constantemente os mais recentes, para que fiques melhor preparado para o próximo boss. Este equipamento é comprado nas lojas com dinheiro ganho nos combates e este sistema, esta economia de Dragon Quest 11, é muito fácil de entender e mais uma grande prova da filosofia da equipa para alcançar um experiência equilibrada.

3
O sistema de combate é incrivelmente acessível e o grind ligeiro, mas terás de manter o equipamento actualizado para não sofrer desaires.

Um clássico de alma e coração

Dragon Quest 11 é um ponto intermédio para uma Square Enix que demonstrou não querer de forma alguma arriscar e alienar a audiência, mas se quer preparar para o futuro. A equipa entende na perfeição que é preciso trabalhar para tornar a série actual, mas não será à custa da sua própria identidade. No entanto, trabalhou para tornar a fidelidade aos clássicos numa das suas armas, criando uma experiência digna dos padrões que estabeleceu ao longo dos vários jogos da série.

Para muitos será o suficiente para o tornar no jogo de uma vida, para outros será apenas um reflexo de uma conservadora postura de um povo habituado a seguir ao seu ritmo. A Square Enix trabalhou num JRPG de grande orçamento para criar um jogo que uma criança pode, e se calhar até deve, jogar. Desde os menus ao sistema de combate.

"Dragon Quest 11 é um dos mais acessíveis e simples JRPGs dos últimos anos"

Uma das maiores provas que Dragon Quest 11 ainda não é o avanço que muitos podem acreditar ser é a sua banda sonora. Várias das excelentes composições que ouviste em anteriores jogos da série estão de volta e até poderás ficar surpreendido ao ver um momento mágico acompanhado por uma música que já ouviste num outro jogo da série. De igual forma, a ausência de uma banda sonora ainda mais épica, através de mais temas novos e orquestrados poderá fazer-se sentir ao longo do jogo.

É fácil sentir que Dragon Quest 11 é um dos melhores JRPGs dos últimos anos. Um jogo encantador e repleto de bons momentos. Muitos poderão sentir que é demasiado fácil, com um equilíbrio entre clássico e novo muito frágil, mas quando a experiência te embala e os visuais te espantam, entrarás num ritmo incrível e raramente visto em outros jogos do género, sentindo um enorme prazer a jogar. A sensação que tudo combina em bela harmonia sem esforço é o maior elogio que posso tecer a Dragon Quest 11 - simplicidade e acessibilidade manobradas para aumentar o tom épico da experiência narrativa.

5
A adorável fantasia que te apaixona não prescinde da excentricidade Japonesa - não podia ser de outra forma

Dragon Quest 11 é um daqueles JRPGs que te relembra bem o porquê de permaneceres fiel ao género - uma brilhante janela para um mundo de fantasia repleto de belos momentos. A extrema acessibilidade é um reflexo da sua importância no Japão, um jogo para todas as idades, mas a experiência é elevada pela coesa sintonia entre os diversos aspectos que esperas ver destacados num JRPG. Os visuais, os espaços mais amplos, o sistema de combate clássico e o enredo representam passos curtos, mas firmes para o futuro. De forma resumida, apenas posso dizer que Dragon Quest 11 é um dos melhores jogos do género que encontrarás nesta geração.

Publicidade

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Mais artigos pelo Bruno Galvão

Comentários (38)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários

Conteúdos relacionados

Últimas

Demon's Souls Remaster é possível, mas nas condições certas

Mas teria de ser feito por outro estúdio e com luz verde da Sony.

Square Enix regista o termo "HD-2D" usado em Octopath Traveler

Será que teremos mais jogos neste estilo visual?

A Switch foi a consola mais vendida em França em 2018

Mais de 2 milhões de unidades vendidas.

Far Cry: New Dawn aprofundou os elementos RPG

A Ubisoft reforçou a aposta nesta vertente.

Publicidade