Um dos debates mais acesos que surgiu depois da revelação de Cyberpunk 2077 na E3 2018 foi se a CD Projekt tomou a decisão acertada em escolher a perspectiva na primeira pessoa.

Habituados a The Witcher 3, que tinha uma perspectiva na terceira pessoa, muitos fãs do estúdio polaco mostraram-se desiludidos com a decisão para Cyberpunk 2077. Alguns chegaram mesmo a dizer que tinham perdido o interesse no jogo por causa desta decisão.

Para ajudar a perceber a decisão da CD Projekt, a conta do Twitter Cyberpunk 2077 ES compilou todas as declarações dos membros da equipa relacionadas com a escolha da perspectiva na primeira pessoa. A conta não é oficial, mas fez um trabalho notável em reunir as informações.

Mike Pondsmith, o criador de Cyberpunk, explica que na primeira pessoa tens uma visão a 360 graus e que estás completamente imerso na acção, no entanto, Stanisiaw Swiecicki, guionista, acrescenta que o jogo é um RPG na primeira pessoa, e não um FPS.

Kyle Rowler, director adjunto de design, realça o mesmo, dizendo que vão ter armas de fogo no jogo, mas que Cyberpunk 2077 é primeiramente um RPG. Todo o jogo foi desenhado para o jogador entrar na pele da personagem, desde a jogabilidade aos níveis.

Mile Tost, designer de cenários, diz que a decisão não foi fácil, mas que o estúdio percebeu que o jogo funciona melhor nesta perspectiva, desde os diálogos a cenas como duplo salto e correr pelas parede. O mesmo também refere que na demo mostrada é feito um implante ocular na personagem e que tem impacto no HUD, algo que não seria possível na terceira pessoa.

Confere todas as respostas da equipa de Cyberpunk 2077 em relação à perspectiva na primeira pessoa.

Publicidade

Sobre o Autor

Jorge Loureiro

Jorge Loureiro

Editor

É o editor do Eurogamer Portugal e supervisiona todos os conteúdos publicados diariamente, mas faz um pouco de tudo, desde notícias, análises a vídeos para o nosso canal do Youtube. Gosta de experimentar todo o tipo de jogos, mas prefere acção, mundos abertos e jogos online com longa longevidade.

Mais artigos pelo Jorge Loureiro