A série MXGP do estúdio italiano Milestone é actualmente uma das opções do mercado para os jogadores que procuram viver no sofá a emoção das corridas em pistas de terra com motas. Ao longo deste ano já tivemos outros lançamentos do mesmo género como MX vs ATV: All Out e Monster Energy Supercross, mas nenhum deles se provou como uma opção de qualidade e definitiva para os amantes desta modalidade. Será que o novo MXGP Pro consegue fazer essa entrega? Para descobrir viajámos até Londres para um evento da Milestone onde pudemos experimentar MotoGP 18 e MXGP Pro.

Para todos os efeitos, a série MXGP é obrigada a cumprir um calendário, assim como outras séries de jogos desportivos, o que significa que um novo jogo é lançado por ano. MXGP Pro é o jogo de 2018 e a novidade de maior relevância é uma área de treino desenhada para os jogadores treinarem as suas habilidades, saltos, aterragem ou simplesmente para aprenderem as mecânicas e jogabilidade antes de avançarem para o campeonato. Nesta versão a que tivemos acesso, já muito perto de estar finalizada, pudemos experimentar esta área, chamada de Compound, e outros modos de jogo.

A área Compound é surpreendentemente pequena. Com apenas 1 quilómetro quadrado de floresta, esta área é inspirada na região montanhosa Esino Lario e tem duas pistas, uma para Supercross e a outra para Motocross. Existe também um trilho desafiante para quem procura algo mais difícil, mas de resto, esta nova área parece um tanto limitada em tamanho e nos conteúdos que oferece. Quanto muito, a nova área serve para completar os tutoriais que ensinam o básico, nomeadamente: controlo da moto no ar, como realizar as curvas, travagens, lidar com terreno molhado, e executar as scrubs para reduzir a trajectória no ar e poupar tempo nas corridas.

"A novidade de maior relevância é uma área de treino desenhada para os jogadores treinarem as suas habilidades"

Na parte da física, a Bandai Namco adianta que Tim Gajser foi a referência que usaram para reproduzir os movimentos da moto no ar. Tony Cairoli também esteve envolvido no desenvolvimento, aconselhando o estúdio nos tempos de resposta da moto e na gestão dos travões. Gautier Paulin foi o consultor para as diferentes condições das pistas e para reduzir os tempos de curva. Apesar da experiência dos consultadores na modabilidade, a jogabilidade ainda não está afinada por completo. Definindo a física para o modo Pro, supostamente mais realista, encontramos situações estranhas em que não percebemos bem porque razão caímos da moto. Em parte isto deve-se a uma falta de sensação de peso, principalmente nos saltos, que dificulta a percepção do comportamento da moto em pista.

Dito isto, o modo Pro permite um controlo muito maior sobre a moto, permitindo controlar individualmente a direcção da moto e o equilíbrio do piloto. Nas dificuldades mais fáceis o jogo controla o equilíbrio e inclinação do piloto de forma automática, mas com a física definida para o modo Pro as possibilidades são maiores. É através da inclinação do piloto que vão conseguir cortar as curvas e poupar tempo. É também assim que se torna possível inclinar a moto no ar e suavizar as aterragem nas rampas de terra. Depois de algum tempo a jogar no modo Pro, começamos a dominar o controlo da mota e a conseguir melhores tempos e menos quedas, mas a questão da falta de sensação de peso continuou a fazer-se sentir.

"o modo Pro permite um controlo muito maior sobre a moto"

É importante sublinhar que a Bandai avisou que "a física disponível em todos os modos está num estado avançado, mas poderá ser ligeiramente diferente na versão final do jogo". Por outras palavras, a física ainda pode ser afinada até ao lançamento oficial a 29 de Junho. Excluindo a novidade do Compund, uma área de treino com potencial mas que nos parece limitada, MXGP Pro não é radicalmente diferente da proposta do ano passado. Não é surpreendente que assim seja. A Milestone tem trabalhou nos últimos meses em três jogos de motos distintos: MotoGP 2018, MXGP Pro e Ride 3. Os primeiros dois serão lançados no mesmo mês, separado por algumas semanas, e o último está previsto para 8 de Novembro.

Vamos dar o benefício da dúvida para a versão final, mas como dissemos inicialmente, é um jogo para cumprir calendário que em grande parte se limita a refrescar os circuitos para a versão de 2017 (como as pistas mudam anualmente, o jogo inclui sempre as do ano anterior) juntamente com os restantes conteúdos englobados pela licença. Para os fãs de Motocross, promete ser um jogo satisfatório, mas não mais do que isso.

Publicidade

Sobre o Autor

Jorge Loureiro

Jorge Loureiro

Editor

É o editor do Eurogamer Portugal e supervisiona todos os conteúdos publicados diariamente, mas faz um pouco de tudo, desde notícias, análises a vídeos para o nosso canal do Youtube. Gosta de experimentar todo o tipo de jogos, mas prefere acção, mundos abertos e jogos online com longa longevidade.