Desde 2014 que a Blizzard Entertainment delicia a comunidade adepta do seu Hearthstone, um jogo de cartas coleccionáveis que tenta envergar suficiente profundidade sem prescindir da acessibilidade que caracteriza os títulos da companhia. É um equilíbrio extremamente delicado, mas que a Blizzard consegue e até faz parecer fácil. Hearthstone não é tão complexo quanto outros jogos, mas é um grande vício e o apoio constante da sua equipa assegura uma cadência firme de actualizações e novidades. Entre elas estão novas expansões, como a recente O Bosque das Bruxas, que é a base para o novo modo de jogo - Monster Hunt, que ficou hoje disponível.

Monster Hunt tem o potencial para se tornar numa das mais gloriosas faces de Hearthstone, numa forma de convencer novos jogadores a aderir e de manter os veteranos encantados. Este modo é tudo o que poderias desejar de Hearthstone, um modo onde o entusiasmante mundo de Warcraft é usado como fundo para uma história e lore com efeitos nos baralhos que vais conhecer. Além disso, é a prova que a Blizzard continua à procura de melhorar Hearthstone e está atenta ao que os fãs dizem.

Foi a pensar nisso que conversamos com Mike Donais, principal game designer na equipa de Hearthstone, cujo trabalho principal é assegurar que existe uma nova expansão a cada quatro meses, mas mais do isso. Donais precisa assegurar que cada novidade que chega ao jogo é divertida, entusiasmante e está repleta de coisas entusiasmantes. Esta é mesmo a filosofia da equipa de Hearthstone, criar diversão, algo que apesar de soar óbvio, é extremamente importante e um reflexo de quem trabalha no jogo. Donais diz mesmo que a equipa adora jogar Hearthstone.

"Adoro jogar Hearthstone, trabalhar em Hearthstone e mais importante, a minha equipa de designers são todos pessoas fantásticas. São divertidos, apaixonados e não são apenas os designers, os programadores e artistas também se preocupam imenso com Hearthstone. Trabalhar numa companhia na Blizzard, em que todos estão entre os melhores na sua posição, torna as coisas fáceis e ficas sempre confiante que o som será merecedor de prémios e a arte será da melhor. Cada aspecto é tão bom que tens imensa confiança neles, não tens de te preocupar e fazes o teu trabalho. És apenas uma peça de uma equipa fantástica," disse-nos Donais.

Acima de tudo, Hearthstone é um jogo que procura transmitir a diversão que a equipa sente ao criar as cartas e como Donais disse, "criar novas ideias é muito mais difícil quando entras em pânico. Precisas de relaxar e desfrutar. Precisas de muitas ideias, provavelmente temos cerca de 100 ideias para cada carta que lançamos. É muito difícil criar coisas em Hearthstone. O jogo tem uma filosofia de conceitos muito simples nas cartas, como frases curtas. Geralmente, a carta faz só uma coisa. Mas quando combinas cartas, começas a ter interacções mais complexas e baralhos divertidos." Qualquer jogador de Hearthstone sabe que a complexidade é menor quando comparada com outros do género, uma vez que a Blizzard tenta equilibrar o conceito com um foco na diversão.

Esta postura de pensar na diversão e de uma equipa altamente confiante nos restantes membros poderá servir na perfeição para exemplificar as intenções da Blizzard para O Bosque das Bruxas. A cada nova expansão, a equipa procura elevar a um novo patamar as melhores ideias que já apresentaram, mas acima de tudo procura introduzir novidades que o vão manter relevante ao longo dos próximos meses. É uma constante procura por desafios adicionais com a coesão que une toda a experiência Hearthstone. O resultado é Monster Hunt, o passo seguinte após Dungeon Run e que promete moldar o futuro de Hearthstone.

"Este é um dos melhores momentos para entrar em Hearthstone".

Um dos aspectos mais divertidos na expansão Witchwood são as histórias que a Blizzard criou, em conjunto com a espectacular arte. Este foi um dos elementos que mais atenção recebeu por parte da equipa. Agatha, a bruxa, deu vida a uma floresta repleta de terrores e acontecimentos que vão merecer as suas próprias histórias. O baralho da expansão Bosque das Bruxas reforça essa vontade da Blizzard em contar uma história através das cartas, vai mais longe do que isso, estende-se aos modos de jogo. Monster Hunt é o culminar de todos os esforços da equipa em criar um modo que dá um novo fulgor às suas investidas na vertente singplayer, enquanto eleva a novos padrões a sua vontade de criar histórias. Seja através das cartas e habilidades ou através da fantástica arte.

Monster Hunt deixa-te escolher um de quatro heróis específicos, preparados especialmente para as suas mecânicas, equipado com um baralho de 10 cartas e desafia-te a enfrentar 8 bosses para ganhar mais cartas e melhorar o baralho. Cada herói tem o seu Nemesis e quando estás prestes a terminar a tua caçada, surgirá o seu maior rival. Onde Monster Hunt se torna verdadeiramente especial é na forma como a Blizzard reforçou as suas mecânicas e as combina com o desejo de contar uma história. Ao criar 4 heróis com uma história e rivais, a Blizzard criou um pano de fundo para as partidas e a personalidade de cada um destes personagens está reflectida nas suas cartas.

Um dos melhores exemplos é Toki - The Time Tinker. Ela é um dos Monster Hunters e consegue viajar no tempo, algo que descobrirás não só através da sua história, mas também através das suas cartas. A sua habilidade especial é reiniciar o turno a custo zero, sem gastar mana, algo incrivelmente importante pois o seu baralho está imerso em aleatoriedade. Ela pode invocar cartas que invocam minions aleatórios, lançar bombas aleatórias e basicamente utilizar cartas de efeito imprevisto. Se não gostares de como o turno correu, podes reiniciá-lo a custo zero e tentar de novo. Esta é uma forma encontrada pela Blizzard para desafiar os jogadores veteranos e introduzir um conceito divertido e imprevisível.

Tess Greymane é outra das personagens com as quais vais jogar em Monster Hunt, cuja habilidade Scavenge poderá mudar a forma como encaras Hearthstone. Ela pode procurar por cartas especiais, pode roubar cartas aos adversários e até pode invocar cartas que já tenham sido usadas em desafios anteriores. Tal como Tess e Toki, Houndmaster Shaw e Darius Crowley (os outros dois caçadores de monstros) são heróis com os quais vais jogar e as suas cartas, habilidades e rivais são específicos e preparados para fazerem parte deste universo de histórias que a equipa quer contar. Olhar para Monster Hunt é ver a Blizzard a levar as suas melhores ideias mais longe. Especialmente porque estes diferentes heróis vão agradar a diferentes tipos de jogadores, que se sentem mais tentados a experimentar um ou outro, dependendo do seu gosto pessoal.

1
O Monster Hunt promete ser muito mais do que uma Dungeon Run, promete ser a base para o futuro singleplayer de Hearthstone.

"Em Kobalds and Catacombs o oitavo boss era aleatório, mas gosto quando sabes qual é o oitavo boss pois podes construir um baralho a pensar nele. Este é o Captain Shivers, um pirata fantasma, e ao jogar com Tess vais descobrir um pouco do porquê de estarem numa luta. O mesmo é válido para os outros personagens e os seus rivais. A Infinite Toki é a rival de Toki, mexeu tanto com o tempo que existe uma versão futura numa linha temporal alternativa que luta com ela para decidir quem é a verdadeira Toki," partilhou Donais como um exemplo de todo o lore desenvolvido em torno desta cartas e baralhos que vais descobrir.

Quando destaquei que a Blizzard adora divertir-se com as cartas, modos, lore e habilidades que cria não estava a brincar. Donais explicou que adoram pensar em novas ideias e mecânicas que te vão desafiar, mas acima de tudo tem de ser divertido. A prova disso é a surpresa que prepararam para o final de Monster Hunt, um confronto especial em que os quatro heróis se juntam para enfrentar a bruxa Agatha, que criou O Bosque das Bruxas. Além de uma vida de 100, Agatha é extremamente poderosa e o seu baralho está repleto de surpresas.

Começas com um dos caçadores e neste desafio em particular, tens três cartas especiais com cada um dos outros heróis. Além de efeitos poderosos, dão-te acesso a cartas alusivas a cada um deles e quando as usam, a tua habilidade de herói torna-se na habilidade do caçador que escolheste. Com este conceito base, enfrentar este incrível desafio (muito difícil diz Donais) torna-se numa batalha incrivelmente estratégica, mais do que qualquer outra em Hearthstone e cumpre todo o propósito imaginado pela Blizzard para O Bosque das Bruxas - criar uma narrativa cujas mecânicas a servem e glorificam.

Para o futuro, Donais diz que a equipa adora experimentar com novas ideias e como as pessoas gostaram de Dungeon Run, decidiram evoluir o conceito e apresentam agora Monster Hunt. Acima de tudo, o mais importante é encontrar os pontos mais divertidos, encontrar aquilo que mais agrada os jogadores e tentar trabalhar a partir daí. O futuro de Hearthstone promete ser entusiasmante e Donais diz que a Blizzard não vai parar de testar coisas novas, enquanto estuda o que resulta para manter veteranos e apelar a novatos.

"Esta é uma boa altura para os novos jogadores entrarem em Hearthstone e existem algumas razões para isso. Primeiro, Monster Hunt é gratuito e dá-te todas as cartas que precisas. Não precisas de comprar cartas. Os jogadores que regressaram e os novatos adoraram o modo. Consoante jogas, ganhas mais cartas e são adicionadas automaticamente ao teu baralho," disse Donais.

O primeiro contacto com Monster Hunt, que está disponível a partir de hoje como um novo modo gratuito em Hearthstone, foi entusiasmante pois permitiu vislumbrar um futuro em que a Blizzard solidifica uma nova face do seu jogo. Tal como Donais disse, a equipa está repleta de pessoas talentosas que vão continuar a criar conteúdos de forma divertida e que tentam levar mais além das mecânicas. A vontade de criar histórias divertidas e todo um lore envolvente às novas cartas faz com que Monster Hunt tenha o potencial para definir o futuro de Hearthstone. Isso é algo que ainda vamos descobrir, mas que este é um momento altamente entusiasmante, isso é.

Publicidade

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Mais artigos pelo Bruno Galvão

Comentários (0)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários

Conteúdos relacionados

Hearthstone: Heroes of Warcraft - Análise

O jogo de cartas que conquistou o mundo.

Novo gameplay de Anthem mostra o belo mundo

Várias habilidades e combates intensos.

Mortal Kombat 11 será dobrado para Português do Brasil

Warner Bros. apoia novamente o mercado brasileiro.

Últimas

Novo gameplay de Anthem mostra o belo mundo

Várias habilidades e combates intensos.

Mortal Kombat 11 será dobrado para Português do Brasil

Warner Bros. apoia novamente o mercado brasileiro.

The Division 2 terá campanha de 40 horas

E o mapa será 20 porcento maior.

Publicidade