Depois de Sol Divide: Sword of Darkness, a editora japonesa Zerodiv lançou na semana passada o jogo Sengoku Blade para a Nintendo Switch, um "shooter" mais tradicional, produzido pela Psikyo em 1996. Ainda nesse ano, para lá da versão arcade, a Psikyo produziu uma versão para a Sega Saturn, então muito popular no Japão, que nunca haveria de chegar ao ocidente. Apesar da menor performance da consola por estas bandas, durante anos a Saturn registou níveis de vendas muito interessantes no Japão. Lá acabou por ser um sucesso, ainda que tenha ficado abaixo da notável performance da PlayStation. Todavia, isso não impediu que a Saturn se tornasse numa espécie fortaleza de "shmups", sendo quase vista como sucessora da PC-Engine, a consola que mais "shmups" e "shooters" contém nas suas fileiras.

Muitos desses "shmups" são constantemente importados do Japão, conhecendo cada vez mais preços altos e nalguns casos verdadeiramente impressionantes, quase a peso de ouro. Uma cópia de Battle Garegga para a Saturn dobra facilmente os 100 euros. Sengoku Blade é igualmente um jogo muito procurado entre os fãs do "retro", embora não chegue a esses valores. Há um par de anos tive uma cópia em mãos, numa feira de jogos retro, cujo valor rondava os 100 euros. É uma verdadeira febre retro da qual muitos fãs não abdicam, mesmo quando muitos destes jogos são lançados em formatos actualizados para as consolas da actual geração, como sucedeu com o lançamento de Battle Garegga para a PS4.

Sengoku Blade não é um jogo tão notável como essa produção da Raizing, ainda hoje um dos expoentes máximos dos "shooters", mas desempenha um papel importante na história dos "shmups" e ocupa um espaço relevante no quadro das produções Psikyo, principalmente no âmbito do design, apresentando uma imagem forte e baseada no Japão feudal, e ao mesmo tempo um desafio crescente. Sobretudo é um "shooter" consistente, assegurando qualidade em termos de desempenho, bem representativo da imagem a que a Psikyo nos habituou ao longo de mais de uma década. Se há um grande mérito nesta viagem às produções do estúdio japonês por força da Zerodiv, é que há uma identidade e um cunho muito definido nas suas produções.

1
À semelhança de outros jogos da Psikyo, assim que terminarem o jogo entram na campanha 2.0, mas sem continues, numa espécie de celebração da dificuldade. Sobra o score na tabela de liderança.

Curiosamente, o jogo também é conhecido por Tengai, uma eventual alusão ao nome de um dos protagonistas. São cinco os heróis desta campanha que revela, através de uma curta narrativa, o Japão lendário, do período feudal com um toque futurista, quando os samurai eram chamados a governar. Há um comandante supremo disposto a produzir um mal no mundo, recolhendo as almas de outras personagens. Ele quer criar uma criatura colossal, mas para concretizar esses planos tem que chegar à alma da princesa Futsu, o que deverá acontecer por ocasião da cerimónia Yorishiro. Como só falta um dia para esse evento os cinco heróis entram em acção justamente para impedir a execução desses planos.

As personagens são Koyori/Miko, uma personagem feminina conhecida pelo imenso peitoral, mas eventualmente uma das mais requisitadas pela força no combate. Shoumaru é um ninja que apesar do alcance reduzido dos "shurikens" é facilmente adaptável. Sobram depois o monge Tengai (quem dá nome ao jogo), Hagane como uma espécie de criatura robótica e Junis, cujo poder de disparo depois de um carregamento é digno de menção.

A primeira nota a reter é a imensa fluidez dos combates. Ao contrário de Strikers 1945 e Gunbird, Tengai apresenta-se sob a forma de um scrooler 2D horizontal, num típico movimento da esquerda para a direita. A acção é muito rápida, quase frenética, sobretudo quando viramos a metade do jogo e entramos no quinto nível, quase às portas das derradeiras fases. Sobreviver até esses instantes, sem perder os habituais 3 continues, em dificuldade normal, requer um domínio muito consistente, nada que um fã destas produções não esteja já prevenido.

2
Existem cinco personagens, todas com poderes diferenciados, podendo destacar-se Koyori sobretudo pelo raio de acção maior dos disparos.

Normalmente a evolução das habilidades e disparo das personagens através da recolha de power ups é meio caminho andado para criar uma base de alcance e superioridade. Mas a técnica dos disparos conjugada com a utilização das bombas para eliminar as ameaças de grande dimensão - as "boss fights" - pode não ser suficiente. É aqui que encontra relevância a técnica do carregamento. Contudo e para sermos bem sucedidos teremos que memorizar imensas sequências e eventualmente ocupar a posição certa. Como em qualquer típico "bullet hell", os espaços de fuga estreitam-se significativamente e a margem de erro é maior.

Os primeiros níveis são apresentados de forma aleatória, o que acaba por criar dificuldades na elaboração de uma estratégia, mas esta parte não é significativamente complexa e ao fim de algum tempo podemos ultrapassar metade do jogo sem encontrar grande resistência e com poucas vidas tombadas. Depois é que tudo fica bem mais complicado. Por vezes há uma intenção em recolher todas as medalhas e power ups, evitando os espaços livres, mas é preferível deixar fugir um power up que perder uma vida. O fortalecimento das personagens é notável, mas basta um dano para que tenham de começar do zero. Nesse caso, gora-se também o efeito da pontuação, a contar para o ranking.

Sengoku Blade é igualmente um triunfo nos domínios da arte, sons e música. O jogo incorpora muitos desenhos e imagens do período feudal japonês, embora com significativa maquinaria movida a vapor. É o imaginário a cruzar a História do Japão. Ainda hoje consegue impressionar, não só pelos cenários mas pela grandiosidade das criaturas que num momento tomam de assalto o ecrã. As balas são facilmente identificáveis, mas assim que sussurram ou vociferam qualquer expressão de forma veemente, uma esmagadora torrente de balas está a caminho. A música é igualmente notável, assim como a banda sonora, com muita ênfase nos sopros e no ritmo, através de batidas de tambores. Em suma, estamos perante um jogo dotado de uma estética peculiar e mecânicas tipicamente Psikyo. Percebe-se porque as versões de consolas japonesas continuam a ser muito procuradas (depois da versão Saturn saiu uma versão para a PS2), é que a produtora acabaria por dar especial atenção aos "shooters" em formato vertical e de certo modo não tornou a criar uma produção nestes moldes. Pelo desafio, arte e consistência das mecânicas, é uma referência no quadro de produções desta peculiar produtora japonesa que permaneceu em actividade até 2005.

Publicidade

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Mais artigos pelo Vítor Alexandre

Comentários (0)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários

Conteúdos relacionados

Publicidade