Under Night In-Birth Exe [st] - Análise

Fantasnimanga.

Não me lembro de um mês tão forte em lançamentos de jogos de luta como o último. Em pouco mais de três semanas, Street Fighter V ganhou uma versão arcade gratuita, Dragon Ball entrou no universo dos "fighting games" pela mão da veterana Arc System Works, enquanto Dissidia Final Fantasy NT ajudou a completar um naipe de obras que ganha assinatura com este surpreendente Under Night In-Birth Exe [st], um jogo de luta muito badalado no Japão, especialmente na sua versão arcade, pela qual se notabilizou.

O jogo revela o melhor esforço, até à data, dos japoneses French Bread (em colaboração com os japoneses da Ecole Software), que em 2012 começaram a batalhar por um lugar cimeiro no ranking dos melhores lutadores, sabendo que nunca teriam uma tarefa tão fácil como desejavam, quando os mais poderosos e experientes estúdios continuam a fazer valer os seus argumentos. A Arc System Works tem sido consistente, mas não vem de tão longe como uma Capcom, presença assídua desde a criação do género e normalmente uma garantia de qualidade, quando não tropeça por distracção. O pequeno e menos experimentado estúdio que nos levou a jogar esta versão [st] para a PlayStation 4, desde há uns anos que é apoiado pela Arc System Works na edição para o território nipónico. O salto para a Europa opera-se por intermédio da PQube (Raiden V: Director's Cut).

Exe [st] é quase o mesmo jogo lançado anteriormente na PS3, mas chega à PS4 com novas personagens, um apetecível modo história e com algumas alterações à jogabilidade, novidades que só por si justificam esta análise. Não ficaram desencantados se jogaram a obra inaugural na PS3, que na verdade pouco fica a dever a obras como Persona 4 Arena e até mesmo Blazblue. A estética animé convence e a isso ainda acresce um bom sistema de jogo, lutadores bastante interessantes e um bom desempenho em termos gráficos. Apesar de arredado da grande montra, talvez devido às restrições orçamentais para publicidade, quem já conhece os cantos desta casa sabe que este é "fighting game" muito sólido e competente, apto tanto para novatos como para jogadores mais experientes.

1
O desempenho gráfico é muito bom, com movimentos rápidos e boas animações

A primeira grande novidade é a existência de um modo história, aquilo que os franceses podem apelidar de "grand fondue". Mais diálogos, um desenvolvimento das personagens e suas personalidades para lá dos combates. É a opção mais ajustada para quem pretenda iniciar a série e começar a jogar com os novos lutadores, ou simplesmente a descobri-los. Em resultado, a experiência torna-se gratificante, depois de conhecermos as motivações e o que conduz cada personagem até à entrada em cena. A história é ao começo um pouco difusa. Sabemos que na "Hollow Night", as criaturas monstruosas chamadas "Voids" surgem, servem-se do poder despertado por essa noite, o mesmo sucedendo aos "In-Birth", que apesar de atingidos pelos Voids, mantém um certo discernimento, não sucumbindo por completo. Hyde é um desses, que juntamente com Linne, parte para uma investigação que o levará ao encontro de uma organização chamada "Amnesia".

Todas as personagens se encontram envolvidas neste misterioso e rebuscado enredo. A existência de um modo história dá seguimento à relação estabelecida entre as personagens, até ao derradeiro e definitivo duelo. Vale a pena investirem nesta componente, até porque o jogo é desconhecido da maioria e como tal as personagens são uma novidade para quase todos, mesmo para quem tenha jogado o original. Aí, o desenvolvimento não foi muito grande, por oposição ao actual contexto, gerador de atenção e detalhe.

O roster é suficientemente elástico, composto por personagens de diferentes géneros e estilos, o que confere bastante diversidade e permite eleger alguns lutadores consoante o nosso estilo de combate: mais ofensivo, equilibrado ou simplesmente de marcação ao adversário, através de golpes efectuados à distância. Apesar de existirem jogos com mais de 20 lutadores, há outros que apresentam menos e nem por isso deixam de mostrar um equilíbrio no plantel.

2
A forte componente anime e manga.

A novidade desta edição é a junção de quatro novos lutadores: Phonon, Mika, Enkidu e Wagner. A primeira é uma jovem senhora com imenso poder e habilidade. Nas mãos de um jogador capaz de dominar a Muniel (uma arma poderosa), pode tornar-se letal, sendo muito indicada para marcação à zona, com grande variedade de ataques através do chicote e projécteis. Mika, de aspecto carinhoso, é inconfundível graças aos seus braços elásticos, mais parecendo uma personagem proveniente de Arms, mas é muito forte, sobretudo quando chega perto e combina uma série de golpes de elevada atrocidade. Não a menosprezem se não querem ver a vossa barra de vida reduzida a nada.

Enkidu está ligado ao misterioso grupo "Amnesia". É um lutador reservado, de parcas palavras e punhos de ferro. Graças ao seu poder não precisa de grandes combinações para causar dano nos adversário. A média ou curta distância é suficiente para lutar com sucesso. Por fim, Wagner é óptima para a luta a curtas distâncias, especialmente através dos seus poderosos combos. Em suma, as novas personagens acrescentam mais variedade e traços específicos, com destaque para Mika e as suas divertidas animações.

No que respeita às mecânicas de combate, existem algumas alterações mas no geral o sistema é o mesmo, com botões para golpes leves, médios e pesados e um para a barra dos movimentos super. É com base nela que muito se decide e se joga numa oportunidade estratégica. Encarar cada combate do ponto de vista puramente ofensivo pode ser a abertura da porta de saída. A barra enche com golpes bem sucedidos, mas para que se torne útil é bom que não sofram danos nem se deixem levar por uma toada irreflectida, acabando punidos às mãos do adversário.

3
Mika em acção.

Entre antigas habilidades e novos elementos estratégicos como o sistema "veill off" (introduz uma oportunidade para fabricar mais combos), a jogabilidade permanece equilibrada, premiando os jogadores mais esclarecidos e habilitados a extrair o máximo de cada personagem no momento certo. É um jogo mais cerebral e de toada moderada, com repuxo na parte final do combate, quando tudo se decide. Isso torna as lutas particularmente agradáveis de assistir, sempre com o factor imprevisibilidade a espreitar.

Os mais novos nisto beneficiam da comodidade que é o "tutorial". Extenso quadro de explicações práticas sobre tudo o que há para saber, entre o básico, fundamental e o acessório. O passo seguinte é o modo dedicado às missões, algo regulares e cada vez mais indispensáveis. Nele treinamos os combos e golpes mais difíceis das personagens. Aqui o nível de exigência é maior, mas sempre gratificante quando nos dão a saber o que é preciso para brilhar ao mais alto nível.

Por fim, destaque para os 19 cenários, sendo quatro deles exclusivos desta edição. A cafetaria, parque de diversões, Momiji Alley e a Cathedral of the Far East. Variedade, embora sem o detalhe e a riqueza de um BlazBlue ou Guily Gear. Não obstante, a estética animé e manga emoldura de forma muito artística certos locais, conferindo beleza e uma associação à "Hollow Night", o tema narrativo do jogo. As personagens bebem da mesma inspiração e traço artístico. No entanto a qualidade do desenho é mais apurada, resultando em boas animações e renderização. O trabalho de produção é notável, sobretudo na organização e esforço para criar um "fighting game" seguro. Para lá do potencial, concretiza muito daquilo que procuramos numa experiência do género, mas falta-lhe comunidade. Under Night In-Birth Exe [st] é equilibrado no seu sistema de combate, composto por um número aprazível de personagens e extensos modos de jogo, beneficiando de um "tutorial" à medida. Esta chegada à PS4, no ocidente, pode ditar um passo seguro na construção desse agregado indispensável, porque no Japão e nas arcadas, dispensa apresentações.

Publicidade

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (3)

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Conteúdos relacionados

Remedy desmente Control no Xbox Game Pass

Diz nada ter para anunciar sobre o jogo no serviço.

ArtigoRiot Games quer "expandir o Universo de LoL ao criar jogos indie de elevada qualidade"

Leanne Loombe explica-nos numa entrevista o que é a Riot Forge.

Brasileiro Rafael Grassetti desenha Kid Buu e Cell de Dragon Ball

Director de Arte em God of War continua a mostrar o seu talento

The Game Awards 2019 contará com 10 anúncios inéditos

"Coisas das quais ainda não ouviste falar".

Também no site...

Nintendo Switch bate recordes da Nintendo em Portugal

Vendas em 2019 já superaram as de 2018.

Estúdios third-party podem agora criar jogos de League of Legends

Riot Games abre o seu universo a outros produtores.

ArtigoRiot Games quer "expandir o Universo de LoL ao criar jogos indie de elevada qualidade"

Leanne Loombe explica-nos numa entrevista o que é a Riot Forge.

The Game Awards 2019 contará com 10 anúncios inéditos

"Coisas das quais ainda não ouviste falar".

Comentários (3)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários