Strikers Edge - Análise

Orgulho nacional.

Que incrível momento para estar vivo. Esta é uma era de incrível riqueza na indústria dos videojogos, uma era em que pequenas equipas conseguem dar vida aos seus sonhos e ainda mais especial se torna quando uma delas é daqui, do nosso Portugal. A Fun Punch Games é um estúdio indie que decidiu candidatar-se aos Prémios PlayStation Portugal para alcançar o seu desejo, criar um jogo que seria apresentado às massas. Conseguiu vencer o concurso e com a ajuda da Playdius e da Plug in Digital apresenta-te Strikers Edge, uma experiência engenhosamente simples, que procura capturar a essência dos jogos de arcada, mas com profundidade. É aclamado como o ultimate dodgeball e poderá tornar-se num vício.

Strikers Edge é uma irreverente visão do "jogo do mata", mas aqui não existem bolas inofensivas para atirar, existem armas que dilaceram o teu orgulho e deixam um homem de barba rija com uma lágrima no canto do olho. Numa espécie de arena na horizontal, duas personagens atacam-se à distância e tentam acertar enquanto se desviam. É isto que terás de fazer em Strikers Edge, mas existem diversas mecânicas que aprofundam o conceito de forma a tornar este dodgeball num autêntico espectáculo de frenética competitividade. Strikers Edge não é para os fracos, disso podem ter a certeza. É para um grupo de jogadores que procura diversão descomprometida, mas acima de tudo depende do que farás neste violento mundo de fantasia.

Esta produção Portuguesa apresenta três modos: Campanha, Multijogador Online e Multijogador Local. Este conceituado e premiado título Português, que foi alvo de lisonjeadoras referências em eventos internacionais, começou como um jogo apenas multijogador, mas a Fun Punch decidiu expandir o seu leque de opções para os que querem passar algum tempo a solo. Masoquistas, acreditem. Existe um modo história que cumpre o seu propósito em te fazer sentir que estás numa arcada, mas será fácil perceber que Strikers Edge foi pensado e planeado como um jogo para vários jogadores. É onde encontrarás diversão e a forma de evitar que o jogo deixe um sabor amargo.

"Strikers Edge é verdadeiramente diabólico e exigirá o melhor de ti".

Strikers Edge pode parecer simples, basta "disparar" poderás pensar, mas há aqui um gameplay com várias camadas que precisarás respeitar. Este é um daqueles jogos em que entrar primeiro no tutorial é quase obrigatório. Só assim conhecerás todas as mecânicas de jogo e descodificarás o gameplay para posteriormente o interpretar à tua bela forma. Este dodgeball significa que, de uma forma muito resumida, controlarás um personagem num espaço limitado onde terás de atirar algo ao teu adversário enquanto te desvias daquilo que ele te atira. Perante os ataques inimigos, poderás caminhar para longe deles, esquivar-te ou bloquear (por um número limitado de vezes).

Estas são as tuas opções em Strikers Edge e as tuas ferramentas para vencer os confrontos. Terás de saber aproveitar os espaços na arena, apontar bem o analógico direito (sentimos que não é a melhor interface para o jogo) rebolar no momento exacto, disparar, utilizar um especial que pode dar-te uma vantagem momentânea (ou deixar-te desprotegido quando falhas). Basicamente terás de entrar numa espécie de dança que em muitos momentos gloriosos se assemelha a um twin-stick shooter frenético. Existem várias regras a aprender, existem diversas formas de actuar perante as situações, mas acima de tudo terás de aprender a jogar melhor, a ser mais rápido, mais irreverente, a pensar de forma inesperada.

Bloquear no momento exacto do ataque permite recuperar HP, atacar freneticamente deixa-te sem stamina, usar um especial deixa-te mais lento, tens de lidar com condicionantes específicas dos diferentes cenários, um Headshot tira mais dano, os diferentes personagens usam armas diferentes com comportamentos próprios que se adequam melhor aos gostos de uns jogadores, e por aí adiante. Este é o lado bom de Strikers Edge, o lado que nos entusiasma e deixa-nos com vontade de desfrutar de uma experiência divertida que brinda com várias camadas um gameplay directo.

"Este ultimate dodgeball sabe muito melhor contra outros jogadores".

No entanto, existe um outro lado de Strikers Edge que não nos consegue convencer tanto. É óbvio desde os primeiros instantes que este jogo foi pensado para vários jogadores e quando és remetido para a solidão, os sorrisos transformam-se em gritos de desespero. Jogar o modo história de Strikers Edge é descobrir todo o esforço da Fun Punch Games em criar uma narrativa e personagens com background. Mas tudo vai por água abaixo quando o gameplay se revela tão injusto. Jogar na dificuldade intermédia transforma Strikers Edge num pesadelo (o nome do jogo podia mudar para Headshot) e sentirás que a experiência é injusta. É um caso de adversários diabólicos que se desviam de todos os ataques, não falham uma e ainda recuperam HP com o bloqueio de uma forma que parecem gozar com a tua cara.

As longas sessões de agonia no modo história podem-te forçar a baixar a dificuldade como reacção ao comportamento praticamente perfeito da inteligência artificial, mas jogar na dificuldade Fácil torna os inimigos em bonecos quase imóveis que apenas esperam pelos teus ataques. Não é divertido. O desafio é exagerado e quase desonesto, mas o mais surpreendente é que Strikers Edge te deixará com vontade de tentar mais uma vez, uma atrás da outra, sempre à procura de contrarias as probabilidades, sempre disposto a provar que és melhor que a IA.

No entanto, o foco estará no multijogador e aí Strikers Edge é uma incrível surpresa. Se tens amigos que habitualmente não jogam, inicia Strikers Edge e rapidamente assimilam o conceito, possibilitando sessões divertidas com quem menos esperas. Tens amigos que se acham o melhor que há na sua rua? Arranca Strikers Edge e mostra ao bom estilo das velhas arcadas o que é jogar bem. Strikers Edge é perfeito para jogar com amigos e qualquer pessoa começa a jogar com grande facilidade.

Strikers Edge é um jogo que cumpre em pleno o seu propósito: proporcionar uma experiência dodgeball irreverente com um saudável e bem divertido toque arcade. O foco no multijogador será o principal factor a ter em conta na hora de encarares esta produção nacional. Se o vais jogar com amigos ou online, então Strikers Edge poderá transformar-se nesse vício que a Fun Punch Games visionou, mas se for para jogar a solo, a experiência deixa a desejar. No entanto, quando o jogas com amigos é do melhor que podes ter: simples e um grande vício.

Publicidade

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (9)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Star Wars Jedi: Fallen Order corre a 1260p na PS4 Pro

Na PS4 corre a 900p com resolução dinâmica.

Call of Duty: Modern Warfare terá battle royale para 200 jogadores

Jogadores encontraram informações nos ficheiros do jogo.

The Mandalorian e Death Stranding combinados em grande estilo

BossLogic apresenta uma homenagem bem especial.

Pokémon Sword & Shield Review - A série precisa de uma mega-evolução

A transição da Gamefreak para a Switch não é suave.

Também no site...

The Mandalorian e Death Stranding combinados em grande estilo

BossLogic apresenta uma homenagem bem especial.

Star Wars Jedi: Fallen Order corre a 1260p na PS4 Pro

Na PS4 corre a 900p com resolução dinâmica.

Call of Duty: Modern Warfare terá battle royale para 200 jogadores

Jogadores encontraram informações nos ficheiros do jogo.

Comentários (9)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários