Under Night In-Birth Exe [st] mostra a sua chama - Antevisão

Fighting game 2D pensado para os amantes dos jogos de luta e anime, com a chancela Arc System Works.

O ano começa em grande para os entusiastas de fighting games. Com a Arcade Edition de Street Fighter V na berra, para o dia 26 do mês está previsto o lançamento de Dragon Ball FighterZ, popular franquia detida pela Bandai Namco, pela primeira vez em formato fighting game 2D, desenvolvido pela muito experiente Arc System Works.

Na mesma linha e impulsionada pela mesma Arc System Works em terras nipónicas, a franquia Under Night In-Birth Ele [st], um outro fighting game 2D um pouco menos conhecido do grande público por ser desenvolvido pelos franceses da French Bread (Melty Blood, igualmente deles) foi um enorme sucesso na cena arcade japonesa) em colaboração com a Arc System Works. Pese embora a menor popularidade no ocidente, há muito que o jogo é conhecido no Japão, sobretudo a expensas da versão arcade, sistema no qual fora lançado em 2012. Após um lançamento mundial multiplataformas em 2015, uma edição revista e melhorada [st] foi lançada para as arcadas nesse mesmo ano. É esse jogo que agora chega à Europa e Américas, em formato PS4, VITA e PS3, pela mão da PQube Entertainment.

Com lançamento agendado para o próximo dia 9 de Fevereiro, já deitamos mão à versão completa há algum tempo. A experiência tem-se revelado muito positiva e apesar de estarmos perante um jogo oriundo de uma produtora ocidental, a verdade é que o seu esforço não fica muito a dever ao aplicado pela Arc System Works noutras suas séries, aproximando-se na captura do animé e personagens cheias de estilo, como em Guilty Gear ou BlazBlue.

1
Phonon é uma das novas lutadoras da versão [st], com um excelente trabalho de zoning.

Under Night partilha a mesma estrutura e equilíbrio desses fighting games em 2D, lembrando ainda outros como Persona Arena, igualmente desenvolvido pela Arc System Works, em nada ficando a dever em termos de design, especialmente das personagens, seus movimentos e golpes. Relevante assinalar a quantidade de modos de jogo e opções disponíveis, especialmente através de um extenso e essencial "tutorial" para quem vá jogar pela primeira vez. No meu caso revelou-se útil já que existem imensos combos desbloqueados a partir do momento que damos sequência ao "veil off, um novo sistema de jogo que proporciona novas oportunidades de ataque.

Os combates são muito rápidos, os comandos são directos e as animações muito fluídas, o que resulta numa experiência intensa e porventura dramática a partir do momento que encaixamos com sucesso uma série de golpes (combos). Nesta versão [st] algumas personagens ganharam novas habilidades, mas assistimos também à entrada de novos lutadores, que assim fortalecem o roster, o que sucede com Phonon, uma habilidosa e forte lutadora.

Esta peculiar e adorável personagem atinge um longo alcance, graças aos seus ataques através de projécteis, permitindo-lhe controlar os adversários à distância, o que é sempre uma dor de cabeça para evitar. Além disso, o seu chicote incrementa a sua supremacia em termos de zoning, quase que manipulando o posicionamento dos rivais. Sair deste marasmo com sucesso requer um bom compromisso entre defesa e contra-ataque. Dos seus ataques o destaque vai para o movimento "affliction", um ataque em forma de projéctil, cuja versatilidade se exibe na forma aérea ou junto ao solo.

2
Um extenso tutorial acompanhado permite um acompanhamento minucioso dos golpes e movimentos dos lutadores.

Outro ataque digno de menção é o "rythmic satisfaction", composto por diferentes fases consoante a opção escolhida a partir do momento que Phonon lança o chicote e segue em frente. Outros ataques como "Binding Beatitude", "Force Function" e "Restraint", encerram a sua vocação puramente ofensiva, como um bloco sólido capaz de um elevado zoning e por isso uma dor de cabeça para os adversários. A sua adição ao já significativo roster incrementa ainda mais versatilidade e opções, encurralando os adversários através dos seus ataques à distância.

"Personagens cheias de estilo, como em Guilty Gear ou BlazBlue"

Para lá desta personagem, novos lutadores sobem ao palco, nomeadamente Mika, Enkidu e Wagner. Com estes lutadores chegam novos cenários (Cafeteria, Children's Playground, Momiji Alley e Cathedral of the Far East). É verdade que não são tão trabalhados ou ricos como os de BlazBlue ou Guily Gear mas mesmo assim captam o design e o tema do jogo, baseado num Japão moderno e ficcional, onde um evento misterioso chamado Hollow Night acontece uma vez por mês. Durante esse evento, estranhas criaturas chamadas Voids atacam pessoas. Os sobreviventes são apelidados de In-Birth e adquirem habilidades especiais. Um dos protagonistas do jogo é um jovem chamado Hyde, sobrevivente dos ataques perpetrados por essas estranhas criaturas. Acabará por liderar um movimento de insurreição.

3
Os efeitos visuais são de qualidade e a animação é muito fluída.

Com imensos modos de jogo e opções disponíveis, inclusivé a opção "chronicle" para se conhecer a história do jogo, Under Night é uma óptima e muito bem-vinda experiência no quadro dos "fighting games", que fará a estreia na PS4, na Europa, no próximo dia 9 de Fevereiro. Estas impressões formam uma entrada e aperitivo para a análise que será publicada em breve. Até lá vamos continuar a tirar proveito deste especial jogo de luta, em 2D.

Publicidade

Salta para os comentários (5)

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (5)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários