Vício pelos videojogos poderá ser considerado doença

De acordo com a Organização Mundial de Saúde.

A Organização Mundial de Saúde defende que o vício dos videojogos poderá ser constituído uma doença mental e vai actualizar a sua lista internacional de doenças em 2018 para o reflectir.

Após uma década a monitorizar os hábitos em torno dos videojogos, a organização decidiu classificar o excesso de tempo passado a jogar como uma condição mental, avança a Visão.

Para a Organização Mundial de Saúde, uma pessoa será diagnosticada com um distúrbio relacionado com os videojogos quanto estes se tornam mais importantes que outros interesses na sua vida.

O médico terá de acompanhar o paciente e se o comportamento durar pelo menos um ano, será diagnosticado com um distúrbio mental que reflecte o excessivo tempo e importância que dedica aos videojogos.

De momento, a agência ainda não apresentou outras condições relacionadas com a tecnologia, como a internet ou os smartphones, dizendo não ter ainda provas suficientes para as considerar como distúrbios reais.

Vladimir Poznyak, membro do Departamento de Saúde Mental e Abuso de Substância da Organização Mundial de Saúde, defende que este distúrbio relacionado com os videojogos poderá representar consequências sérias para a saúde.

"A maioria das pessoas que joga videojogos não tem um distúrbio, tal como a maioria das pessoas que bebe álcool não tem um distúrbio. No entanto, em certas circunstâncias, o uso exagerado poderá originar efeitos adversos," defende Poznyak.

Um recente relatório avisa que as crianças precisam de melhor e maior educação sobre o risco da tecnologia, sendo necessária maior protecção para as funções de "reprodução automática" nos videojogos, onde o jogo continua de forma automática.

De acordo com o Daily Mail, um outro estudo confirma que jogos de acção como Call of Duty e Grand Theft Auto ajudam a gastar um centro de memória no cérebro, chamado hipocampo.

Salta para os comentários (41)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Sony quer vender mais de 22.6 milhões de PS5 no próximo ano fiscal

Quer bater record da PlayStation 1 que dura há 24 anos.

Rumor: Ghost of Tsushima a caminho do PC?

Capa do jogo remove referência "Only on PlayStation".

Obsidian perde director de áudio para a PlayStation

"Sempre quis trabalhar para a PlayStation", disse Justin E. Bell.

Também no site...

Cross-play de Overwatch já está disponível

Em todas as plataformas; PC, Xbox, PlayStation e Nintendo Switch.

Sony quer vender mais de 22.6 milhões de PS5 no próximo ano fiscal

Quer bater record da PlayStation 1 que dura há 24 anos.

Rumor: Ghost of Tsushima a caminho do PC?

Capa do jogo remove referência "Only on PlayStation".

Comentários (41)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários