Uncharted 4: O Final de um Ladrão deveria ter sido o ponto final para a saga, pelo menos no que toca à Naughty Dog, mas o estúdio ainda não estava completamente preparado para dizer o adeus. A prova disso é Uncharted: O Legado Perdido, uma expansão standalone construída em cima dos alicerces que o estúdio criou para Uncharted 4. A expansão sempre esteve nos planos da Naughty Dog, só que inicialmente não tinha esta escala e não passada de um conteúdo adicional. Todavia, a equipa acabou por criar algo maior do que previsto e eis que agora temos uma expansão que, apesar de ser menor do que Uncharted 4, tem uma longevidade e escala de um jogo inteiro.

Quanto a vocês não sei, mas depois de cinco jogos (a contar com o da PlayStation Vita), já estava cansado de Nathan Drake. Não é uma má personagem, longe disso, mas já tinha dado à série tudo o que tinha para dar. Ainda bem que a Naughty Dog escolheu outra personagem para protagonista em O Legado Perdido. Essa personagem é Chloe, que não aparecia desde Uncharted 3. Na realidade, a expansão tem basicamente duas personagens principais. Para além de Chloe, também ficamos a saber mais de Nadine, a poderosa mulher que em Uncharted 4 tratou de saúde aos irmãos Drake, contudo, só podemos controlar directamente Chloe, embora Nadine esteja praticamente sempre ao nosso lado.

O novo capítulo de Uncharted leva-nos até à Índia em busca da Presa de Ganesh, um antigo artefacto que até agora nunca ninguém conseguiu encontrar. Chloe e Nadine juntam esforços para encontrar este tesouro antes do Asav, um médico que virou mercenário e lunático com a ambição de iniciar uma guerra civil para purificar a Índia (ou seja, uma espécie de Hitler indiano). Em Uncharted, descobrir um tesouro que nunca ninguém conseguiu encontrar é sinónimo de explorar ruínas antigas em locais exóticos, resolver quebra-cabeças e escapar constantemente ao perigo e adversidades. No fundo, é mais Uncharted, só que agora com personagens diferentes. Para muitos, é mais do que suficiente.

A Naughty Dog aperfeiçoou ao longo dos anos a fórmula mágica de Uncharted e O Legado Perdido tira proveito máximo de tudo o que o estúdio aprendeu até agora, mas não é diferente do que encontraste em Uncharted 4. O Legado Perdido é uma expansão e não uma sequela. Apesar de ser uma expansão isolada, usa praticamente todos os recursos e truques de Uncharted 4 e foram diversos os momentos em que tive a sensação de dejá-vu. Há uma perseguição de carros todo o terreno e de motas parecida com a de Madagáscar, enquanto uma cena alucinante presta homenagem a Uncharted 2. Também existe um capítulo em semi-mundo aberto com uma escala impressionante.

"Expansão talvez não seja o termo mais apropriado, The Lost Legacy tem mais para oferecer do que jogos inteiros"

De certa forma, O Legado Perdido é uma compilação ou best of de Uncharted, recordando o que a série tem de melhor. Não é de estranhar. Depois desta expansão, não me parece que a Naughty Dog volte a pegar em Uncharted tão cedo e, portanto, quis entregar aos fãs um presente de despedida especial. Apesar de ter ficado um desiludido com certas coisas (já explico), não tenham dúvidas, O Legado Perdido é especial. É raro termos uma expansão desta envergadura e com padrões de produção tão elevados. Aliás, expansão talvez não seja o termo mais apropriado, O Legado Perdido tem mais para oferecer do que jogos inteiros.

Quanto à minha desilusão, gostava que a Naughty Dog tivesse sido mais arrojada e não se cingisse tanto à fórmula de Uncharted 4. Chloe é uma personagem diferente de Nathan Drake e fala, comporta-se e move-se de forma diferente, contudo, tem exactamente as mesmas habilidades, excluindo a pequena e nova mecânica de abrir fechaduras. O problema aqui é que, embora à primeira vista Chloe seja distinta, quando estamos a jogar é praticamente indiferente. Pode tornar-se um pouco aborrecido para quem já jogou o último capítulo e está em busca de algo ligeiramente diferente. Não estava à espera de uma revolução, mas a adição de algumas novidades não era má ideia, até porque este é o primeiro jogo em que Nathan Drake está fora dos holofotes.

Excluindo isto, O Legado Perdido tem tudo aquilo a que a Naughty Dog nos habitou. Uma história de aventura, em que ficamos a conhecer as origens e motivações de Chloe e Nadine, sequências cinematográficas que nos enchem os olhos e nos deixam com o coração acelerado, e diversão acessível para um público abrangente. É o jogo perfeito para quem procura aventura e emoção. Como disse logo no início, não é tão longo como Uncharted 4, mas dura à vontade entre 8 a 10 horas. É uma longevidade respeitável e ideal. São nove capítulos que "escorregam bem" e sem compromissos. Mais do que isto e correria o risco de tornar-se chato.

A longevidade apenas se refere à história. Uncharted: O Legado Perdido tem a vantagem de incluir todos os conteúdos multijogador de Uncharted 4, pelo que se gostam desta vertente, têm aqui muito para se entreterem. A expansão também já traz o novo modo de sobrevivência, em que terás de cooperar com outros jogadores para sobreviver a mais de 100 ondas de inimigos, cada uma mais forte do que a outra. Normalmente, como todos os jogos custam o mesmo, o preço não entra na equação, mas é impossível não referir que O Legado Perdido custa 39.99€. Pode parecer caro para uma "expansão", mas na verdade o preço é mais do que adequado. Se tivermos em conta que inclui uma nova história e o multijogador inteiro de Uncharted 4, até é generoso.

O que gostei mais de O Legado Perdido foi conhecer melhor Chloe. Até agora, muitos viam-na como simplesmente uma ajudante de Nathan Drake e/ou como um antigo amor, mas em O Legado Perdido Chloe mostra quem é verdadeiramente. A Naughty Dog faz um trabalho estupendo em aproximar-nos das personagens que aparecem nos seus videojogos e este é mais um perfeito exemplo. Também descobrimos que Nadine, anteriormente conhecida como a durona de Uncharted 4, tem um lado mais sentimental e amigável. Esta dupla funciona muito bem, apesar de algumas chatices pelo meio devido à personalidade forte de cada uma. Esta expansão faz-me desejar que a série Uncharted continue, mas com novas personagens e novidades para a série.

Se és fã de Uncharted, vais adorar O Legado Perdido. Se nunca jogaste Uncharted, o efeito será provavelmente o mesmo. A expansão tem alguma bagagem, mas podes desfrutar da história sem teres jogado os anteriores. Visualmente é, juntamente com Uncharted 4, do melhor que a PlayStation 4 e a PlayStation 4 Pro têm para oferecer. A capacidade da Naughty Dog para criar cenários vibrantes com quebra-cabeças integrados não tem igual. É mais uma aventura da Naughty Dog com momentos memoráveis e espectaculares. Mesmo com os habituais clichés da série, é difícil não gostar de O Legado Perdido. Chloe e Nadine formam uma dupla perfeita em mais um capítulo que mantém a reputação de Uncharted.

Sobre o Autor

Jorge Loureiro

Jorge Loureiro

Editor

É o editor do Eurogamer Portugal e supervisiona todos os conteúdos publicados diariamente, mas faz um pouco de tudo, desde notícias, análises a vídeos para o nosso canal do Youtube. Gosta de experimentar todo o tipo de jogos, mas prefere acção, mundos abertos e jogos online com longa longevidade.

Mais artigos pelo Jorge Loureiro

Comentários (23)

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários

Conteúdos relacionados

Últimas

Youtube Gaming tem os dias contados

Google vai encerrar plataforma devido ao baixo número de utilizadores.

Castlevania: Symphony of the Night classificado para a PS4

Poderá a Konami preparar um port do clássico?

Publicidade