Detroit Become Human - pacifista ou insurrecto? O jogador decide - Antevisão

A Quantic Dream coloca emoções nos androids.

Com o lançamento de Beyond Two Souls, no já distante ano de 2013, o estúdio francês Quantic Dream (Heavy Rain, Fahrenheit) manteve a mais recente produção, Detroit: Become Human, fora dos holofotes. Isso deveu-se à extensa e longa fase de desenvolvimento que o jogo atravessou e ainda representa para o estúdio, agora que aplica um novo motor gráfico que deverá tirar proveito da tecnologia disponível na PS4, da Sony.

O resultado desses anos de trabalho e desenvolvimento é uma exibição mais consistente e apelativa, guardada para esta E3, e finalmente revelada na conferência, seguindo-se uma apresentação à porta fechada, ainda que a título demonstrativo, sem possibilidade de efectuar hands-on, por enquanto. Todavia, as impressões que recolhemos são positivas. Estamos perante um jogo que seguindo a linha conceptual dos títulos que o precederam, reforça muitos aspectos, nomeadamente a narrativa e as múltiplas direcções que pode seguir consoante as nossas decisões.

Sim, este é um jogo sobretudo sobre escolhas e consequências. Todas as escolhas produzem efeitos, afectam o rumo da história e levam sempre a uma diferente direcção. Será por isso interessante descobrir até que ponto começar uma nova campanha se torna num exercício de possibilidades e diferentes caminhos a seguir. Caso ocorra algum percalço, o jogo define invariavelmente um rumo, leva-nos para outra direcção, sendo interessante explorar este mar de possibilidades e consequências que se projectam.

1
A sequência final da demonstração acaba num mar de chamas.

A relação entre os androids e os humanos constitui o núcleo da narrativa. O espaço é a cidade de Detroit, corre o ano 2036. Estas máquinas inteligentes agem como humanos e esse é o seu mais forte desígnio, num comportamento em todo fiel e tangível, a tal ponto que se torna praticamente indissociável, ao ponto de adquirirem paulatinamente sentimentos, algo impensável numa máquina.

É a partir dessa demonstração de consciência e sentimento humanos que alguns androids se demarcam da massa informe robótica, criando condições para uma insurreição. A Quantic Dream aposta nas personagens e cruzamento de fios narrativos. Nesta E3, na demonstração acompanhada à porta fechada, o destaque vai para Markus, um android que procura transmitir a outros colegas o mesmo sentido de insurreição, ao acordar-lhes os sentimentos e tornar evidente a subjugação aos humanos, desafiando a lei e as forças policiais.

A abordagem às situações é o ponto nuclear das primeiras sequências de um plano que tem de ser gizado antes da polícia acorrer ao local, quando se dá uma tentativa de libertar alguns androids presos a uma montra de um centro comercial. Várias possibilidades se abrem, desde neutralizar um "drone" e dessa forma impedir que o sinal de alarme seja transmitido, até correr o risco e enfrentar a situação depois do alarme disparar.

O produtor que nos acompanha ao longo da demonstração revela as situações de maior conflito e dúvida, expondo-nos as incertezas e os caminhos disponíveis em função da escolha tomada. A polícia acaba então por recuar, assim que desactivamos o alarme e depressa Markus reune mais máquinas, convertidas ao seu ideal de insurreição. Esta personagem, curiosamente e à semelhança de outras, dispõe de uma série de habilidades (como despertar outros androids) exclusivas, com destaque para a simulação de alguns caminhos a seguir, algo útil e que nos dá uma ideia dos resultados da nossa acção. Basicamente basta premir o botão R2 para se abrir o "palácio mental", com apresentação dos diversos pontos passíveis de interacção. Ao mesmo tempo são apresentados os objectivos e tarefas a cumprir, com toda a secção do desenvolvimento narrativo apresentada no local, dando uma ideia da forma como podemos interagir com o mundo em termos narrativos. Este momento corresponde a um "congelamento" da acção e podemos estar neste estado o tempo que entendermos.

"A opção recai sobre uma retirada pacífica ou simplesmente o recurso a uma mensagem violenta, destruindo e queimando o cenário, algo que o produtor se esforça por mostrar, de forma dramática"

2
A Quantic Dream trabalhou imenso na captura de movimentos e reprodução realista dos rostos. Atingirá um novo patamar no seu conceito que vem explorando desde The Nomad Soul?

Depois de assegurada a entrada na "loja", no centro comercial, Markus encaminha os Android convertidos para a cidade "Jericho", onde muitos outros se juntam e formam uma espécie de exército, em oposição aos ditames impostos pelos humanos. O final desta sequência é talvez o momento de maior indefinição. A opção recai sobre uma retirada pacífica ou simplesmente o recurso a uma mensagem violenta, destruindo e queimando o cenário, algo que o produtor se esforça por mostrar, de forma dramática, uma decisão que não permite qualquer retrocesso e afecta definitivamente a marcha dos acontecimentos.

As acções contextuais e pequenos desafios continuam como imagem de marca da Quantic Dream. Embora não sendo uma novidade, requerem a atenção e total disponibilidade do jogador para realizar, umas vezes em fracções de segundo, acções rápidas. Em termos visuais, este é, até à data, o jogo com melhor aspecto do estúdio francês. A composição dos cenários é muito rica, em termos de design estamos perante uma percepção futurista muito vincada e os rostos das personagens, a captura de movimentos, constituem o expoente desta produção. Parece que o foco em torno das decisões terá maior impacto, e nesse sentido esta aventura será não só para os jogadores mas também para a produtora um novo desafio.

Publicidade

Salta para os comentários (8)

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (8)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários