Farpoint - Análise

Um passo em frente para a realidade virtual.

Farpoint é uma experiência que mostra o potencial da realidade virtual, mas como jogo é limitado.

Farpoint é a mais recente aposta da Sony para o PlayStation VR. Depois da época de lançamento, que contou com títulos como Driveclub VR, Until Dawn: Rush of Blood e muitos outros, a febre da realidade virtual abrandou um pouco. No entanto, a Sony ainda não desistiu da realidade virtual e uma prova é Farpoint, que chegou às lojas em duas edições distintas: uma edição normal e uma edição que inclui o acessório Controlador de Mira VR.

O Controlador de Mira é basicamente uma pistola para a realidade virtual que usa os mesmos sensores de movimento do PlayStation Move. Não é um acessório obrigatório - podem jogar com o Dualshock 4 - mas a experiência é tão radicalmente diferente que comprar Farpoint sem o acessório é impensável. O acessório acaba por ser mais um dos custos da realidade virtual, uma tecnologia que, apesar de estar disponível para os consumidores, continua a ter um preço de entrada elevado.

É um jogo de tiros num planeta muito distante do sistema solar, esta é a melhor forma de descrever Farpoint. O jogo começa no espaço, mas quando a vossa nave e tripulação são sugadas por um Wormhole, dão-se por vocês num planeta estranho. Sozinhos, terão que encontrar o que sobra da nave e verificar se há sobreviventes. O planeta é habitado por aranhas gigantes que adoram saltar para cima da nossa cara de patas abertas e dentes de fora. São momentos que, apesar de sabermos que o jogo não é real, metem impressão. O mais engraçado é que dei por mim várias vezes com o reflexo de me desviar sempre que uma aranha saltava para mim.

Com o Controlador de Mira a imersão é maior e a jogabilidade mais natural, isto porque é como se tivesse uma arma nas mãos. Para apontarem com precisão, têm que encostar o controlador ao ombro e olhar para a mira digital da arma. Para se movimentarem, ainda têm que recorrer ao analógico, mas a câmara obedece ao controlador de mira, isto é, a câmara vira-se para o sítio para o qual estão a apontar. A naturalidade dos movimentos ajudam a criar imersão, mas também remove o enjoo de movimento. A experiência ainda é cansativa, como qualquer jogo da realidade virtual, mas pelo menos, não ficamos com má disposição depois de jogarmos (há que ter em conta que cada pessoa é um caso diferente).

"Com o Controlador de Mira a imersão é maior e a jogabilidade mais natural"

Apesar do Controlador de Mira oferecer uma jogabilidade mais natural e imersiva, ainda há limitações e passámos por situações do jogo que as demonstram. Quando os inimigos são números e temos que recuar, não podemos simplesmente virar-nos para trás e fugir. Isto seria o que vocês fazem na realidade, mas no jogo há que caminhar para trás enquanto estão a olhar para a frente. Não dá muito jeito e ainda podem ficar bloqueados por objectos do cenário. No geral, o Controlador de Mira responde bem, mas houve ocasiões em que a mira (dentro do jogo) não fazia exactamente aquilo que queríamos. Mesmo com estes pequenos inconvenientes, Farpoint é um passo em frente para os jogos de tiro na realidade virtual, resolvendo problemas como o enjoo de movimento e a tradução dos movimentos na vida real para dentro do jogo.

Há detalhes bem conseguidos. Para trocar de arma temos que meter o braço atrás das costas, como se estivéssemos a alcançar a outra arma que estamos a carregar. A experiência é melhor se jogarem de pé, assim podem-se movimentar com mais liberdade, mas precisam de bastante de espaço para que funcione bem. Podemos dizer que este é um jogo tão realista que causa cansaço físico, devido a jogarmos de pé. Apesar não haver enjoo de movimento, nunca conseguimos jogar mais do que uma hora e meia seguida. É uma experiência cansativa e não propriamente relaxante, mas é um problema que, pessoalmente, encontrei em todos os jogos da realidade virtual.

O maior problema de Farpoint é que, apesar de ser uma experiência interessante e que mostra o potencial da realidade virtual, é no fundo um jogo limitado. O jogo resume-se a andar em frente e a disparar contra as criaturas que vamos encontrando. Há uma história que é contada através de memórias. É uma história com vibes de Interstellar, mas com pouco envolvimento da personagem que controlamos. Ao longo da campanha são introduzidas novas armas e novos inimigos, mantendo alguma variedade até ao final, mas não o suficiente para afastar a sensação de que o jogo, depois da primeira ou segunda hora, se torna repetitivo. A campanha tem uma duração razoável, algures entre 5 a 6 horas. Digo razoável porque, caso se prolonga-se mais, se tornaria chata.

"Apesar de ser uma experiência interessante e que mostra o potencial da realidade virtual, é no fundo um jogo limitado"

Para prolongar a longevidade de Farpoint, há um modo de desafio onde podem competir em tabelas mundiais pela melhor pontuação em diversos níveis. Também há um modo cooperativo online em que podem partilhar a experiência com outra pessoa. Ambos estes modos são uma tentativa de tornar o jogo mais robusto, mas como muitos outros jogos da realidade virtual, Farpoint ainda fica atrás em comparação com os jogos "normais". Os cenários são na grande maioria estéreis. De longe a longe há cenários mais interessantes e elaborados, mas não é um jogo impressionante neste aspecto. Não é de estranhar, os jogos da realidade virtual requerem que duas imagens sejam processadas em simultâneo (uma para cada olho), portanto, há menos recursos para tornar o jogo mais bonito.

Se já investiste num PlayStation VR, Farpoint é uma das experiências mais interessantes, desde que estejas disposto a adquirir a edição que inclui o Controlador de Mira VR (que futuramente será compatível com mais jogos). A jogabilidade está muito bem conseguida, sendo natural, intuitiva e satisfatória. Infelizmente, apesar deste passo em frente na jogabilidade, é um jogo que ainda demonstra algumas das limitações da realidade virtual.

Publicidade

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (17)

Sobre o Autor

Jorge Loureiro

Jorge Loureiro

Editor

É o editor do Eurogamer Portugal e supervisiona todos os conteúdos publicados diariamente, mas faz um pouco de tudo, desde notícias, análises a vídeos para o nosso canal do Youtube. Gosta de experimentar todo o tipo de jogos, mas prefere acção, mundos abertos e jogos online com longa longevidade.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Metro Exodus - Quais as melhores armas do jogo?

Explicamos-te ainda como personalizar e limpar as tuas armas.

Metro Exodus - Todas as localizações dos Postais

Descobre a localização dos 21 postais em Metro Exodus.

Metro Exodus - Onde procurar todos os Diários

Onde encontrar as 71 páginas de Diário em Metro Exodus.

Comentários (17)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários