Farpoint - Hands On

Uma pistola de plástico e um FPS VR.

Não posso mentir, a minha fraca capacidade para suportar as experiências na realidade virtual tornam-me num fraco candidato para testar jogos para o PlayStation VR. No entanto, durante um recente evento em Madrid, chamado PlayStation VR Jourmeu e durante o qual a Sony apresentou duas das próximas propostas para o capacete de realidade virtual para a PlayStation 4, tive a oportunidade de conhecer um dos mais entusiasmantes projectos internos da companhia. Farpoint, desenvolvido pela Impulse Gear, é o nome desse projecto e muito possivelmente o primeiro jogo a demonstrar o verdadeiro potencial que a tecnologia tem para oferecer nas consolas. Apesar do capacete ser responsável por uma imersão totalmente diferente nos mundos interactivos, a interface que seguramos nas mãos é igualmente importante e este Farpoint parece posicionado para abrir a porta a um futuro repleto de potencial.

1

Tal como em praticamente todas as tecnologias que tentam enveredar por caminhos não traçados, a realidade virtual ainda tem muito a provar, especialmente aos mais acérrimos adeptos dos videojogos. A forma como interagimos com os mundos virtuais é altamente importante, e uma das peças fulcrais deste meio de entretenimento, e no caso do PSVR tão importantes quanto a imersão. Apesar da sensação que ainda estamos numa fase embrionária desta tecnologia, alguém tem de traçar o caminho e abrir a porta às potencialidade. Dependendo do investimento e do sucesso, estarão a demonstrar ao resto o que pode ser feito e em perspectiva, a tornar muito mais aliciante a criação de produtos feitos a pensar na realidade virtual. É o que a Impulse Gear está a tentar fazer, a tentar demonstrar como os jogos de acção na primeira pessoa podem subir de nível com o PSVR.

Assim que cheguei ao espaço do evento, foi possível ver Randy Nolta, um dos fundadores da Impulse Gear e um dos responsáveis por Farpoint, a calibrar o jogo para se preparar para as futuras apresentações. Farpoint foi o ponto alto da E3 2016 para quem queria comprar o capacete da realidade virtual da Sony, lançado a 11 de Outubro de 2016, e permanece como esse mais elevado objecto de curiosidade entre os compradores do PSVR. Como referi inicialmente, não aguentei praticamente tempo nenhum com o capacete na cabeça, mas isso deve-se à minha inaptidão para suportar a realidade virtual. Nolta e os membros da equipa da Sony conseguiram jogar mais de três horas sem sentir quaisquer problemas e vários jogadores que estiveram presentes conseguiram desfrutar de Farpoint sem sentir náuseas ou quaisquer problemas.

A pequena experiência que tive permitiu-me utilizar o novo comando em forma de pistola e conhecer os conceitos básicos. A intenção da Sony é apresentar-te um comando com capacidade para igualar a imersão e fluidez que a interface visual apresenta. O novo comando em forma de pistola consegue precisamente isso, oferecer um meio de comunicar o jogo em que movimentas os dedos de uma forma fluída e rápida mas consegue muito mais do que isso, os teus movimentos reais são recriados com incrível fidelidade no mundo virtual. Isto significa que movimentas o personagem através do pequeno analógico que está posicionado num ponto em que seguras o comando, enquanto a câmara é controlada pelos movimentos da ta cabeça. Até aqui nada de muito diferente além do registo de movimentos da cabeça graças à PlayStation Camera. Onde a diferença do comando e de Farpoint se faz sentir é quando combinas alguns movimentos do teu próprio corpo com a arma. Ao movimentares os braços estás a movimentar os braços do personagem virtual, com uma fluidez e eficácia tremenda.

A dado momento, Farpoint parecia vislumbrar-se como uma evolução dos jogos arcade ao estilo de Virtua Cop ou Time Crisis, como a próxima etapa para satisfazer um mercado que espera por uma nova geração de jogos de acção frenética com uma interface diferente. O potencial está todo lá mas de momento, a Impulse Gear está focada em demonstrar como Farpoint é o ponto de partida para a entrada de shooters de acção na primeira pessoa mais convencionais no mundo da realidade virtual. Entre os disparos e a procura por protecção, podes ainda curar o teu companheiro com uma funcionalidade muito conveniente, sem falar na forma como recolhes munição ou trocas de armas (sim, tens de movimentar a pistola em direcção às tuas costas.

Só o futuro dirá até que ponto Farpoint é divertido e singular com o DualShock 4 ao invés do controlador de mira PlayStation VR (o nome dado pela Sony ao novo comando). O que é desde já certo é que Farpoint deixa-te encalhado num mundo alienígena hostil para te apresentar um jogo de acção na primeira pessoa com exploração livre na realidade virtual. Esta é decididamente o elemento mais fulcral da experiência Farpoint: combinar um jogo tradicional com a realidade virtual sem as grandes limitações sofridas até agora. Praticamente tudo o que esperas de um shooter AAA na primeira pessoa está lá, até um modo cooperativo em que é imperativo proteger o companheiro e jogar em equipa (constante comunicação), mas existem vários desafios no caminho de Farpoint.

Farpoint estará disponível a partir de 17 de Maio como um exclusivo para o PlayStation VR e deste evento em Madrid ficou a clara sensação que ostenta um apelo inigualável neste momento. A compra do periférico será mais uma despesa adicional mas tornará todo o envolvimento com o jogo ainda mais fantástico. Possivelmente será um investimento para o futuro, uma vez que o objectivo de Farpoint é liderar a carga e incentivar outros estúdios a apostar na acção VR. Por enquanto, o desafio da Impulse Gear é provar que um jogo de tons AAA pode existir no PSVR sem parecer uma tech demo ou uma gimmick. Do que tive a oportunidade de ver, e especialmente pelas reacções entre os jogadores presentes no evento, Farpoint poderá ser um ponto particularmente entusiasmante nesta segunda vaga de lançamentos para o capacete de realidade virtual da Sony.

Publicidade

Salta para os comentários (15)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Metro Exodus - Quais as melhores armas do jogo?

Explicamos-te ainda como personalizar e limpar as tuas armas.

Metro Exodus - Todas as localizações dos Postais

Descobre a localização dos 21 postais em Metro Exodus.

Metro Exodus - Onde procurar todos os Diários

Onde encontrar as 71 páginas de Diário em Metro Exodus.

Comentários (15)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários