Sniper Elite 4 - Análise

Um novo Hitman?

A Rebellion inspirou-se noutras séries e glorifica a essência da sua, criando um jogo satisfatório mas que beneficiaria com mais melhorias.

De uma forma muito crua e directa, a série Sniper Elite sempre pareceu totalmente genérica. Beneficiando com o facto da indústria se ter afastado da Segunda Guerra Mundial como inspiração para os seus recreios virtuais, a Rebellion repetidamente brincou com o conceito do protagonista macho, como mandam os clichés, que deixa de lado qualquer ponta de personalidade em troca de diferentes formas de eliminar nazis, com muito estilo se possível, e total foco no gameplay. Focada em tornar cada nível num desafio no qual podes utilizar as diferentes ferramentas que o jogo te dá para triunfar, a Rebellion nem parece preocupada em disfarçar que tudo o resto é apenas uma forçada necessidade para promover o gameplay. Em Sniper Elite 4 podes esperar uma dose da mesma fórmula, com algumas novidades que foram claramente pensadas nos adeptos da série.

Basta olhar para o nome para perceberes que a estrela do jogo é um Sniper, um atirador furtivo. No entanto, como se fosse um canivete Suíço, ele pode fazer praticamente tudo o que precisas num campo de batalha. Karl Fairburne é o seu nome e tudo o que ele quer é ajudar a Resistência Italiana a afugentar os nazis e fascistas de uma Itália mergulhada em guerra. Em 1943, Fairburne inicia uma série de missões que podem ajudar a mudar o rumo de toda a guerra, e tu vais conhecer tudo sobre as missões deste lobo solitário. Sniper Elite 4 pega no conceito apresentado em jogos como Metal Gear Solid V ou Hitman, e transporta-te para várias missões que te colocam em pequenos mundos abertos, nos quais tens total liberdade para percorrer e até na ordem pela qual completas os objectivos. Claro que ao aumentar a escala dos mapas, a Rebellion também se assegurou que tens mais formas para eliminar os soldados inimigos.

Quando inicias uma missão em Sniper Elite 4, tens todo um mapa aberto à tua frente, com alguma verticalidade adicionada para promover diferentes pontos de infiltração nos locais das missões. É um dos principais esforços da Rebellion e torna os níveis mais variados. Não estás obrigado a cumprir os objectivos secundários, apesar destes te darem muita XP que te permite desbloquear níveis com acesso a mais armas e habilidades. As missões principais são obrigatórias, podem ser executadas por qualquer ordem, e todas as mortes contam para amealhar XP. Um dos maiores lemas deste Sniper Elite 4 é o timing, perante esta variedade de opções serás tu a ditar o ritmo dos acontecimentos, o ritmo da progressão e os riscos com os quais te vais deparar.

Isto porque podes optar por ser um atirador furtivo a todos os instantes, disparando de longe, mas o som do disparo despertará a atenção de todos os soldados redor. Terás de mudar constantemente de posição e jamais permitir que fiques encurralado. Acredita que eu cometi algumas vezes esse erro e o jogo castigou-me ao ponto de se tornar frustrante. A possibilidade de gravar a qualquer momento ajuda a suavizar isto, mas podes dar por ti numa posição altamente apertada e a questionar se gravar foi a melhor opção. Os diferentes sons, como aviões a passar, permitem que dispares e mates sem revelar a tua posição, mas terás de ter calma e paciência no desenrolar dos níveis. Atentar nas rotas dos inimigos, utilizar os binóculos para marcar alvos, rastejar ou correr agachado entre arbustos, tudo isto será necessário para conseguires completar todos os níveis.

Esta é uma das facetas do gameplay de Sniper Elite 4, mas existem mais. Se quiseres, se fores mais impaciente como eu, podes partir para o confronto directo, apesar do jogo não ser tão meigo. Se conseguires, podes imitar Venom Snake e eliminar de forma furtiva os soldados inimigos, sem fazer barulho e sem revelar a tua posição. Podes preparar armadilhas que atraem os pobres coitados que se desviam das suas patrulhas e vão pelos ares. Existem várias possibilidades de pegar nas ferramentas de jogo para as adaptares ao estilo de jogo que mais gostas, e isso é algo que Sniper Elite 4 consegue de forma satisfatória. Mas, como seria de esperar, é nos momentos enquanto atirador furtivo que o jogo mais brilha. Especialmente com a ajuda das Kill Cams que mostram cada osso a estilhaçar após o teu disparo.

A Rebellion aumentou a escala dos mapas de uma forma que glorifica a essência de Sniper, pois vês a trajectória da bala a voar incríveis distâncias e a penetrar nos ossos dos soldados inimigos, a característica pela qual a série se tornou conhecida. Isto faz com que, apesar do combate corpo a corpo ou com metralhadoras ser possível, é quando te transformas num atirador furtivo que o gameplay assume a sua melhor forma. O gameplay fica mais pausado, existem regras a respeitar, mas é aqui que Sniper Elite 4 se diferencia dos demais jogos do seu estilo. É um shooter táctico com regras que terás de respeitar que combina a essência da série com ideias vistas em jogos como Metal Gear Solid V.

O problema de Sniper Elite 4 não está na sua essência ou na sua proposta, está na sua vertente técnica. Os mundos abertos de maior tamanho exigem mais de um motor que não tem a capacidade para espantar. Os cenários são amplos e existe uma boa variedade de locais, mas será frequente encontrares pela frente texturas de má qualidade e elementos meramente aceitáveis. No entanto, mesmo sem destaques, o aspecto visual cumpre a sua parte. Já a inteligência artificial ou os controlos podem causar quebras de imersão constantes e alguma frustração. Em momentos nos quais precisarás de uma melhor resposta dos comandos, Sniper Elite 4 não será capaz disso. Frequentemente parecia que estava quase a controlar um tanque. Em termos da inteligência artificial, nem sempre os inimigos se portam como esperado e nuns momentos revelam uma atenção irreal para noutros fazerem figuras tristes. Causa momentos frustrantes sem necessidade.

Com Sniper Elite 4, a Rebellion conseguiu um jogo multi-facetado com potencial para apelar a diferentes jogadores. No entanto, além das Kill Cams características desta série, não existe nada que possa ser verdadeiramente realçado no jogo. Existem boas ideias que são aqui utilizadas mas que precisavam do apoio de melhores controlos, especialmente quando existem títulos altamente similares que conseguem resultados muito mais satisfatórios. Sniper Elite 4 também não é um jogo possível de realçar em termos técnicos e até existem aspectos, como as animações que deixam a desejar. De igual forma, a inteligência artificial tem demasiados momentos maus e a experiência podia beneficiar com mais polimento. De qualquer das formas, Sniper Elite 4 é um jogo que está no seu melhor quando respeitas e adoptas a primeira palavra no nome, mesmo que te engane com diferentes mecânicas de jogo adicionais.

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (10)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

RecomendadoHitman 3 review - Mesmo no alvo

O Agente 47 regressa na sua melhor forma.

Immortals Fenyx Rising review - os deuses estão loucos

A Ubisoft combina ideias fantásticas, mas não consegue um resultado à altura.

Também no site...

Epic Games compra os produtores de Fall Guys

Nada mudará no futuro da franquia.

Razer anuncia a Razer DevCon, um evento para produtores de videojogos

Quer encorajar a integração do seu ecossistema em software e hardware.

Yakuza: Like a Dragon chegou finalmente à PS5

Quem tem a versão PS4 tem direito a upgrade gratuito.

Aliens: Fireteam é o novo jogo do universo Alien

Cooperação neste verão para PlayStation, Xbox e Steam.

Comentários (10)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários