Surpresas do Ano 2016 da Eurogamer Portugal - As nossas escolhas

Alguém ficou surpreendido?

O ano de 2016 foi um ano de uma colheita incrível, repleto de bons jogos que nos apaixonaram. Esta é uma indústria focada no entretenimento, que vibra com a paixão dos jogadores pelas suas séries, pelos seus jogos, pela descoberta de novas propriedades intelectuais, e acima de tudo com a sede de descobrir se o aguardado jogo cumpriu com as expectativas. Existem alguns jogos que sim, mas existem outros que não. Tal como os leitores, também criamos expectativas e existem séries, ou jogos, que nos são queridos, e talvez nos digam mais e tenham um papel mais importante.

Também existem aqueles jogos que nos apanham desprevenidos, que até podem envergar um nome sonante, mas cuja qualidade simplesmente nos arrebata. Existem momentos que, por mais pequenos que sejam nos agarram, emoções que nos conferem, e jogos que sem contar acabam por ficar connosco muito mais do que esperado.

Esta lista é dedicada a esses jogos, às Surpresas de 2016. Jogos para os quais as expectativas não eram muitas, ou nem sequer existiam, e que pela sua qualidade nos vieram surpreender e ficam na nossa lista de melhores e mais divertidos jogos deste ano de 2016. Existem outros que poderiam estar nesta lista, mas estes são os nossos principais destaques.

Existem mais listas da Eurogamer Portugal a caminho, por isso está atento se quiseres saber quais as nossas principais escolhas do ano em algumas categorias diferentes. Se quiserem podem consultar as nossas Desilusões de 2016.

Watch_Dogs 2

Provavelmente resultado de ataque informático ao Bruno Galvão

Depois do desastre que foi o primeiro Watch_Dogs, um conceito brutal mas que infelizmente foi apresentado na forma de um jogo pouco divertido e sem personagens ou história atractivos, não contava com a volta de 180 graus que a Ubisoft deu. Pelo menos não assim. Watch_Dogs 2 é um jogo visualmente deslumbrante, com a colorida e solarenga São Fancisco a deixar a sombria Chicago a mundos de distância, a história transporta-nos para situações inteligentes e satíricas que brincam com o mundo real, e os personagens bem humorados compõe um elenco interessante que vai lançando facas aguçadas aos estereótipos que se formaram na nossa sociedade.

Watch_Dogs 2 é um jogo que consegue ser tudo o que o primeiro deveria ter sido, mas que jamais conseguiria ser pois a Ubisoft estava demasiado concentrada numa visão exageradamente séria e pesada do conceito, quando tudo o que precisava era focar-se na diversão.

Titanfall 2

Uma relação dinâmica e frenética do BT-7274 com o Luís Alves

O primeiro jogo já tinha uma boa base, mas faltava-lhe muita coisa para realmente ser um jogo de destaque.. Parece que a Respawn Entertainment ouviu atentamente a comunidade e conseguiu corrigir na totalidade os defeitos do original. Construiu um jogo de ação arcade rápida, onde mistura controlos bastante intuitivos com uma campanha single player, que não sendo necessariamente memorável, vale a pena ser jogada. Com Titanfall 2, foi elevada a fasquia de um género de jogos que parecia estar estagnado nos últimos anos.

Titanfall 2 eleva a fasquia.

Unravel

Um novelo que não foi esquecido pelo Jorge Loureiro

Se calhar muitos já se esqueceram de Unravel, uma pequena maravilha lançada em Fevereiro. À medida que os últimos meses do ano decorrem e novos jogos vão chegando, é fácil esquecer os jogos que foram lançados nos primeiros meses. No entanto, não me esqueci de Unravel, um belo jogo de plataformas com uma mecânica única em que temos de usar fios de lã para ultrapassar os obstáculos das paisagens naturais.

Rez Infinite

Uma união psicadélica com o Vítor Alexandre

Num ano marcado pela chegada do PlayStation VR, o novo sistema de realidade virtual da Sony, não deixa de ser curioso ver como um jogo com 15 anos se torna numa das melhores experiências da plataforma. Rez foi publicado em 2001 para a Dreamcast. O jogo idealizado por Tetsuya Mizuguchi é um shooter psicadélico altamente envolvente. A versão Infinite transporta-nos para uma realidade virtual ainda mais incrível e sensorial.

Rez Infinite é um shooter psicadélico.

Poucos como eu esperariam que fosse um jogo com 15 anos um dos melhores para uma plataforma que marcou 2016.

Publicidade

Conteúdos relacionados

Também no site...

GRID terá modo com 40 carros no Stadia que não é possível noutro hardware

Codemasters fala ainda na ausência perceptível de latência.

Ghost Recon Breakpoint recebe actualização de 7GB repleta de correcções

Ubisoft ajusta ainda a stamina e corrige imensos bugs.

Free Fire é uma máquina de fazer dinheiro

Ultrapassou a marca de $1 mil milhões.

Comentários (23)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários