Primeiras impressões PS4 Pro - Evento Londres

Para os jogadores que procuram uma experiência visual de elevado nível.

O lançamento da PlayStation 4 Pro, de hoje a uma semana, assinala o começo da segunda fase de uma caminhada que a Sony iniciou por ocasião da revelação da PS4, uma plataforma desenvolvida por um grupo liderado por Mark Cerny e que ao contrário da antecessora se revelou através de uma arquitectura bastante próxima do PC e que logo deixou antever uma mudança no habitual ciclo de vida das consolas para uma geração. Três anos depois, a mesma companhia lidera a introdução da consola do meio da geração, através do novo modelo PS4 Pro, uma máquina mais avançada em termos de processamento gráfico e por isso à altura de visuais com uma resolução gráfica quatro vezes superior, acompanhada de efeitos mais realistas promovidos pela tecnologia HDR. O lançamento da "Pro" acontece praticamente um mês depois do lançamento da PlayStation VR, a grande aposta da Sony na realidade virtual, capaz de proporcionar uma forma diferente na interacção com os videojogos. É a conjugação ideal de plataformas, tanto que o modelo Pro da PS4 não atinge só visuais de ponta no quadro da presente geração como gera uma experiência mais cómoda quando ligado à realidade virtual.

Em Londres, no evento Join the Future of Play, a Sony Computer Entertainment Europe proporcionou um primeiro contacto e experiência aos média europeus da nova consola e da primeira fornada de jogos "first" e "third party", da qual emergem títulos como Horizon Zero Dawn, Gran Turismo Sport, Nioh, Days Gone, For Honor, entre muitos outros. Michael Denny, da SVP Worldwide Studios, Sony Interactive Europe, numa breve sessão de apresentação, fala no modelo PS4 como Pro como "uma consola criada para os jogadores que procuram uma experiência com melhores gráficos e uma experiência visual de novo nível."

1
Mike Somerset destaca a montra de televisores Sony a 4K capaz de proporcionar uma experiência singular através da PS4 Pro.

Todos os jogos que correm na PS4 Pro apresentam melhoramentos dignos desta evolução de geração intermédia. A passagem do Full HD (resolução de 1080p) para o 4K, significa 4 vezes o detalhe da resolução máxima em alta definição. Mike Somerset sublinha a clareza e a cor, como os elementos que mais se fazem sentir nesta transição. Apresentando imagens num generoso televisor de 76 polegadas da Sony, a percepção do incremento de qualidade é notória, não só no número de píxeis gerados e na maior resolução mas em profundidade, com mais espaço para contrastes e produção de detalhes anteriormente impossíveis. No fundo trata-se de uma melhor e mais realista descrição do ambiente. Um passo sustentado. A televisão capaz de exibir 4K é obrigatória neste processo de subida de nível ditada pelos visuais. A difusão de conteúdos televisivos em formato 4K está em marcha, o mesmo sucedendo na internet, com destaque, por exemplo para conteúdos Netflix. A aplicação da mesma receita nos videojogos é o passo natural neste caminho inaugurado pelas divisões da Sony.

Uma mudança obrigatória nos televisores

"Diante de um televisor de 76 polegadas, depois de habituados à resolução e à tecnologia que se edifica diante de nós, não queremos voltar a jogar numa resolução inferior"

Os jogos ganham um aspecto mais realista e vibrante. Os pequenos detalhes e pormenores, outrora algo difusos e apagados distinguem-se. As diferentes tonalidades de cor e os contrastes criam uma imagem mais natural, mais bonita e confortável, sem perda de detalhes nas transições do processo de captura, na qual o mínimo detalhe é percepcionado e mantido, produzindo um efeito mais credível e autêntico. Isto gera uma melhor sensação de profundidade e a construção do ambiente torna-se mais genuína. Os efeitos são particularmente perceptíveis em jogos especialmente orientados para grandes cenários e quadros visuais, nos quais as distâncias e os objectos em mira são descritos com precisão. Algumas demonstrações possibilitam a passagem instantânea do Full HD para 4K e o efeito é categórico.

2
Kazunori Yamauchi apresenta Gran Turismo Sport num televisor Sony de 76 polegadas.

Nesta exibição de jogos a 4K e na experiência proporcionada através da PS4 Pro, diante de um televisor de 76 polegadas, depois de habituados à resolução e à tecnologia que se edifica diante de nós, não queremos voltar a jogar numa resolução inferior. "Não é possível voltar atrás", como refere Kazunori Yamauchi numa sessão de apresentação de Gran Turismo Sport. Mas este é o ponto mais delicado no passo em diante. Sem um televisor 4K e HDR de generosas polegadas, os efeitos que o novo modelo da Sony reproduz são imperceptíveis. A Sony oferece uma porta de entrada para um vasto leque de televisores; do modelo mais acessível e básico até aos equipamentos mais avançados (premium), sendo estes os que melhor exibem o poder da tecnologia. Não é uma oferta acessível a qualquer carteira, embora os benefícios possam ser colhidos a partir do modelo de entrada, com imagens muito boas. Se a PS4 Pro é capaz de liderar uma remodelação nos televisores em casa dos jogadores que procuram uma experiência gráfica de alto nível, só o tempo dirá. Mas não há dúvida que essa é a direcção, da mesma forma que a introdução das consolas da geração passada conduziu acompanhou a evolução para os televisores Full HD.

Horizon Zero Dawn e Gran Turismo Sport entre os destaques

A Sony trouxe até Londres um vasto conjunto de jogos que em breve serão lançados para os sistemas PS4, mas que no modelo Pro ligado a um generoso televisor a 4K adquirem uma imagem arrebatadora. Entre a oferta, o primeiro a merecer honra de abertura é Gran Turismo Sport, o jogo produzido pela Polyphony Digital e dirigido pelo mítico Kazunori Yamauchi, que nos mostrou desta vez uma demonstração bem mais evoluída da que vimos aquando a apresentação do jogo em Maio. Habituamo-nos a encontrar em Gran Turismo um certo estado de evolução gráfica das consolas da Sony.

O jogo vai correr na PS4 Pro a 4K e a 60 fps. É a perseguição da realidade como só aquele estúdio consegue à sua maneira cada vez que desenvolve um jogo para uma plataforma da Sony. Os efeitos da luz solar que se estendem pelo colossal circuito de Nurburgring, numa corrida disputada ao final da tarde, conjugam-se com as luzes dos veículos e produzem efeitos com um grau de realismo comparável ao de uma transmissão televisiva. Mas nem só de melhoria na qualidade de imagem se distingue Gran Turismo Sport à medida que nos aproximamos do seu lançamento, previsto para 2017. A jogabilidade está bem melhor, especialmente quando decidimos desligar as assistências e mergulhar a fundo na posição do cockpit, sujeitando-nos às agruras do delicado e letal circuito germânico, tendo em mãos o "set up" de condução talhado para o máximo proveito.

3
Mark Cerny o arquitecto dos modelos PS4 a jogar Infamous First Light.

Ainda há arestas por limar, como algumas quebras de "frame rate", mais perceptíveis quando o pelotão rola compacto após a largada. Mas o "feedback" é agora bem diferente e estamos bem mais optimistas quanto à optimização do jogo e à sua vocação dentro do género das corridas de automóveis. Yamauchi, salienta a importância do HDR na obtenção de cores realistas, como o vermelho Ferrari ou o laranja do McLaren, cores que até aqui o estúdio não conseguia aplicar na mesma tonalidade oficial.

O cenário pós apocalíptico de Horizon Zero Dawn é o ambiente perfeito para exibição do poder gráfico da PS4 Pro, sendo outro dos jogos demonstrativos do maior realismo. Isso é evidente na descrição muito cuidada da natureza, mais exuberante e detalhada. Se atentarmos no fato de Aloy podemos ver o pormenor da costura, mas não só. As criaturas robóticas sobressaem pelo seu detalhe e elementos como pedras e árvores apresentam mais texturas, criando um efeito convincente. Apesar de correr a 30 fps, é uma cadência constante e deliciosa quando observamos a rápida movimentação de Aloy e o efeito das folhas das árvores agitadas ao sabor do vento, assim como a densa vegetação.

O sol, brilho e tonalidades adicionais em volta são um destaque na imagem em HDR, especialmente a tonalidade laranja no caso de Days Gone, em antecipação ao lusco fusco. À semelhança de Horizon Zero Dawn, apenas tivemos acesso a uma demonstração guiada e limitada a uma pequena porção para efeitos de apresentação da tecnologia. Esta foi particularmente interessante por permitir uma mudança instantânea de 4K para a opção Full HD durante a progressão, opção que naturalmente não contemplará a versão final mas que nesta montra de exibição nos lembra como a transição operada é bastante significativa. A pele da personagem na cara adquire diferentes tonalidades, mais texturas; no fundo é um rosto mais vivo O segmento final da demonstração guiada é composto por uma série de explosões e fogo, das quais resultam diversas tonalidades, como algo volumoso que se forma em torno dos objectos atingidos, para além da acentuação dos contrastes.

4
Last of Us Remastered e Uncharted 4 vão receber uma actualização no primeiro dia da PS4 Pro. O aspecto visual é substancialmente melhor e leva-nos a uma nova passagem.

A Koei Tecmo contribui para o elenco PS4 Pro "first party" com Nioh, o jogo que decorre no século XVI, no Japão e nos leva a defrontar criaturas demoníacas e supernaturais. Hayashi aponta para o aproveitamento que o jogo faz dos melhoramentos proporcionados pela nova consola. O jogo é composto por dois modos: "movie", no qual a imagem é mais viva e dinâmica e "action", capaz de correr a 60 fps para a acção derradeira. Uma ida ao menu é suficiente para mudar a opção, a todo o instante. InFamous First Light é particularmente apelativo nos efeitos HDR, isto é uma imagem nocturna muito nítida e dinâmica, bem ajustada e capaz de aproveitar toda a informação que o olho humano capta, sem perda de contraste.

Claro que estas demonstrações são apresentadas em ecrãs de 76 polegadas, uma gama "premium" da Sony de difícil alcance para uma carteira mais vigiada mas perfeita para este tipo de exibições. É natural uma redução no impacto destes efeitos como HDR e mesmo em termos de resolução, quando atentamos sobre uma imagem produzida por um televisor situado nas 50 polegadas, mas ainda assim conseguem obter um "upgrade" e uma qualidade de imagem em todo superior à facultada por um ecrã Full HD. Dessas experiências marcantes, como Uncharted 4 e The Last of Us, jogos originalmente muito bonitos, estão previstos "patches" que avivam detalhes num modelo Pro. A selva é mais luxuriante e subitamente certos objectos ganham mais detalhe, como as indicações no fundo do mar quando temos que percorrer um caminho de barco. O mesmo sucede em Last of Us, outro jogo que é quase um quadro em movimento e agora ainda mais luminoso.

Entre os destaques "third party" a Ubisoft optou por assegurar uma técnica de upscale a 4K no espectacular jogo de acção For Honor, assegurando uma cadência de 30 fps. As produtoras optam por diferentes optimizações atendendo à finalidade. A Crystal Dynamics é um pouco mais versátil em Tomb Raider ao permitir que o jogador opte por uma experiência mais fluída a 60fps com custo na resolução (1080p) ou por uma resolução de 4K (upscaled)a 30 fps. De certo modo trata-se de uma aproximação à configuração tradicional dos jogos no PC. Caberá às editoras a decisão de lançar ou não um "patch" com actualização dos seus jogos na versão PS4 Pro.

A inaugurar a segunda parte do caminho aberto pela PS4, a Sony entra numa fase de actualização do "hardware" e "upgrade" dos televisores. À semelhança da geração anterior, o mercado estará disponível para a mudança, mas através de um processo que se consolidará nos próximos meses e que levará o seu tempo. A actualização vai no sentido de uma experiência mais rica visualmente, mais capaz de acrescentar realismo aos jogos das preferências dos jogadores.

Publicidade

Salta para os comentários (74)

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Kojima quer fazer jogos mais estranhos

Death Stranding foi demasiado "normal" para ele.

Blade Runner é rico o suficiente para justificar outro filme

Denis Villeneuve quer voltar a esse universo.

Comentários (74)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários