Depois de passar imenso tempo com Rise of the Tomb Raider na Xbox One, PC, e Xbox 360 em 2015, o Digital Foundry não conseguiu evitar e investiu mais tempo na versão PlayStation 4 do jogo, que chegou esta semana às lojas. Sendo um dos mais belos jogos desta geração, Rise of the Tomb Raider apresenta ambientes lindos, cutscenes em tempo real espectaculares e iluminação fantástica. Para a versão na consola da Sony, a Crystal Dynamics voltou a pedir ajuda à Nixxes e agora é hora de saber como se compara com as outras versões.

Tal como na Xbox One, a versão PS4 corre a nativa 1080p com anti-aliasing pós-processamento que mais uma vez deixa a desejar. Uma solução AA temporal teria produzido resultados melhores mas a imagem continua muito nítida. Já o filtro de texturas faz o mínimo, não é muito problemático mas tal como na Xbox One, consegue surpreender com blur perceptível em ângulos oblíquos. O mais fascinante é que a versão Xbox 360 continua a apresentar melhor filtro de texturas que as versões Xbox One e PS4.

O motion blur de alta qualidade está presente nas duas consolas de nova geração, e o bug que fazia com que o efeito estivesse ausente em algumas cenas foi corrigido para a versão PS4. Apesar de ambos os jogos estarem muito aproximados em termos visuais, existem melhorias na versão mais recente. A primeira dessas melhorias é a oclusão ambiental, já que a versão PS4 apresenta a mesma solução que foi refinada para a versão PC sobre o que havia apresentado originalmente na Xbox One.

"Rise of the Tomb Raider corre muito estável a 1080p30 na PlayStation 4."

A segunda é a qualidade dos reflexos especulares, que foi adicionada à versão PC na sua primeira actualização. A solução vista na Xbox One causa muitos artefactos nas arestas em muitas cenas, causando a sensação de maior aliasing, enquanto na PS4 temos uma qualidade similar a very high do PC, que cria uma imagem mais limpa.

A terceira é a qualidade das cutscenes. Na Xbox One, as cutscenes correm 1440x1080 e na PS4 foram melhoradas para 1080 nativa e conseguem tornar-se mais refinadas em cenas de maior detalhe. Depois temos as sombras, e apesar das cascatas de sombras apresentarem o mesmo nível de qualidade, existem cenas em que a versão Xbox One apresenta sombras simplificadas, enquanto na PS4 temos algo mais ao encontro do refinamento visto na versão PC.

Quanto à performance, a nova versão opera a 30fps, tal como na Xbox One, mas aqui a v-sync está activada a todo o tempo. Isto permite que o jogo mantenha um rácio de fotogramas estável e muito sólido. No Vale Geotérmico, um dos locais mais exigentes do jogo, vemos a versão Xbox One a apresentar ligeiros slowdowns e screen-tearing, alcançando uma média de 28fps, enquanto na PS4 apenas foi encontrada uma pequena descida. Na Xbox One S, os problemas de performance são resolvidos e o rácio de fotogramas mantém-se consistente a todo o tempo, removendo quaisquer diferenças.

Rise of the Tomb Raider mantém uma performance muito firme a 1080p30 na PlayStation 4 e na Xbox One, mas algo que poderá desanimar os jogadores é a latência nos comandos e a exagerada zona morta. Isto é algo que infelizmente não foi corrigido para a versão PlayStation 4, que se sente exactamente como na versão Xbox One. Retira muita da diversão aos combates e torna a acção mais lenta do que deveria.

Dentro de um mês a PlayStation 4 Pro permitirá experimentar uma nova versão de Rise of the Tomb Raider e talvez a latência nos comandos seja corrigida.

Publicidade

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Mais artigos pelo Bruno Galvão