Olá, David. Antes de mais deixa-me dar-te os parabéns por conseguires que o teu jogo tenha sido publicado nas consolas da Nintendo.

Eurogamer: A última vez que conversei contigo foi há sensivelmente um ano, por ocasião do lançamento do Super Mario Maker, quando joguei um nível criado por ti. Caramba, era dos mais difíceis e muito baseado na técnica dos saltos e sua contemporização. Gostei imenso. De lá para cá em que tens trabalhado? Presumo que a versão de Quest for Dungeons ainda tomou muito do teu tempo?

David Amador: É curioso porque foi mais ou menos esse tempo que levou a trazer ambas as versões para as plataformas Nintendo. Lembro-me que nesse evento eu já andava há alguns meses em contacto com a Nintendo para tentar trazer o jogo para lá. Pouco depois foi aceite e passei o ultimo ano quase exclusivamente a trabalhar em ambas as versões para um lançamento simultâneo.

EG: Podes explicar-nos como decorreu o contacto com a Nintendo e todo o processo "diplomático" e formal que envolveu a publicação de Quest for Dungeons?

DA: Inicialmente foi uma conversa mais casual com a Nintendo Europa, foi com quem fiz o primeiro contato, apresentei o jogo, enviei-lhes uma demo e expliquei a ideia, pouco depois fui aceite para registar como developer certificado Nintendo, para poder ter acesso às ferramentas e kits. A partir dai e durante muito tempo apenas dependia de mim, fazer o realmente o jogo e terminar, eles ajudaram imenso durante o percurso, porque era a minha primeira vez a trabalhar com eles e não sabia ainda os passos todos. No final existe um processo de certificação antes de poder ser publicado.

EG: Que impressão guardas deste envolvimento com a Nintendo. A editora demonstrou receptividade e interesse em acolher futuros projectos teus?

DA: No geral fiquei com boa impressão deste processo todo. Em relação a títulos futuros é cedo para se dizer, até porque grande parte depende de como o publico aceita o jogo, isso pode cimentar ou não futuros projectos, e este apenas está a ser lançado hoje. Mas sim, agora que houve este processo inicial já existe um caminho mais direto, e eles estão receptivos a ouvir ideias para os meus futuros projetos.

1
O jogo Quest of Dungeons está disponível na 3DS e Wii U pelo preço de €8.99. Se comprarem uma versão têm acesso gratuito à outra através do sistema cross buy.

EG: Se tivesses a oportunidade de criar um novo jogo, até com maior apoio da Nintendo, orçamental por exemplo, que tipo de conceito gostarias de explorar?

DA: Eu sou bastante fã de metroidvanias e jogos de aventura estilo Zelda, portanto algo dentro desses géneros, mas com uns toques pessoais que gostava de passar. O problema de ambos é mesmo os custos associados a produzir um titulo com qualidade e conteúdo suficiente. No caso do Quest of Dungeons tive um pouco a vantagem do procedural que acaba por ajudar a ter mais conteúdo.

EG: Regressando a Quest for Dungeons, o teu jogo foi lançado no steam em Março de 2014. Consideras diferente o jogador de uma Nintendo Wii U e 3DS do consumidor de jogos de PC?

DA:Sim, cada publico é ligeiramente diferente, e esperam coisas diferentes de cada jogo. Tem muito a ver também com a própria plataforma. Em Steam os jogadores esperam coisas como achievements, na Nintendo isso não existe, mas na Wii U esperam que o jogo tenha suporte para Off-TV, isto de uma forma muito simplicista, existem diversos outros factores, mas isso é umas das coisas que tentei ter em atenção em cada port, conhecer um pouco o publico, e tentar tomar uma decisão mais informada sobre o que eles esperam, e poder tomar decisões mais informadas. Tenho feito o mesmo em cada plataforma, investigo e depois decido se é algo que faz sentido no meu jogo, as vezes pode não fazer, mas quando faz pode ser o factor decisivo de cada jogador pensar que não foi algo feito só por ser.

EG: Há uma composição e estética retro muito grande no teu jogo, mas um conceito algo "hardcore", ou seja, se morreres o jogo acaba e toda a masmorra muda. É como um recomeço limpo. Shovel Knight também é um jogo de inspiração retro com algumas aproximações à série Souls. Achas que os jogos retro e conceitos mais tradicionais beneficiam com estas alterações? É uma forma de os diferenciar?

DA: Penso que sim, eu gosto dessa mistura e dai ter tentado fazer dessa forma. Não só por nostalgia mas pela sua beleza na simplicidade, existem conceitos antigos e modernos bons, e tentar juntar o melhor dos 2 mundos resulta em jogos com o Shovel Knight por exemplo, nota-se logo o factor que diferencia um jogo desses, e dai ele ter tido o sucesso que teve.

2
Uma aventura ao estilo clássico, agora nas plataformas da Nintendo.

EG: Foi fácil o processo de adaptação de Quest for Dungeons na Wii U e 3DS? Qual a versão que defines como mais cómoda ou entendes que ambas estão em plano de igualdade?

DA:Para a Wii U foi relativamente igual a outras plataformas, não mais complicado do que a Xbox One por exemplo. A 3DS foi a mais complicada e a que consumiu mais tempo, devido ao hardware mais modesto da consola em relação à Wii U. Teve de haver um grande trabalho de optimização, eu não queria cortar nenhum conteúdo nem reduzir a qualidade de nada, isso levou a trabalho adicional, acho que no fim compensou, e não parece uma versão reduzida ou inferior.

EG:A Wii U e a 3DS estão a passar por uma fase de menor popularidade e menos lançamentos de jogos da Nintendo (transição para a NX). Gostavas que o teu jogo tivesse sido publicado mais cedo (após o lançamento no steam) ou parece-te que, sem a cadência de grandes títulos a que estávamos habituados, tens aqui uma boa oportunidade para mostrar o teu jogo e ganhar destaque que provavelmente não seria tão destacado noutra altura?

DA: Confesso que isso foi algo que me preocupou, e inicialmente apenas estava projectada a versão 3DS, mas à medida que avancei começou a fazer sentido fazer as duas versões, até porque eu próprio tenho uma Wii U e foi uma motivação extra. Nunca tive grandes preocupações com títulos AAA mas sim com títulos indie de qualidade, e esses ainda continuam a sair, tive o cuidado de não ter o meu lançado no mesmo dia que o Axiom Verge por exemplo, esse sim preocupava-me bastante. Mas espero para uma próxima consola Nintendo conseguir lançar um titulo mais cedo, provavelmente o impacto seria maior.

EG: Como defines esta iniciativa da Nintendo em valorizar as produções indie? Todas as semanas são publicados jogos.

DA:É ótimo, mostra que estão realmente a apoiar, e a escolher os títulos que eles acham que tem qualidade. Fiquei especialmente surpreso por aqueles títulos indie agora a serem publicados em versão física, isso é um passo além do que as outras empresas estão a fazer, e espero que tenham a vontade de "copiar".

EG:Parece-te importante que mais colegas teus deveriam seguir os teus passos neste contacto com a Nintendo como forma de dinamizar a produção nacional de videojogos?

DA:Penso que independentemente da plataforma em que decidam lançar é importante continuar a produzir jogos e tentarmos todos adquirir conhecimento e partilhar entre nós de forma a dinamizar a produção. Seguir os meus passos propriamente pode não fazer sentido para alguns, mas sim para outros, depende muito da situação e jogo, existem diversos casos que acho que faria sentido publicarem em consolas Nintendo pois é claramente o publico alvo dos mesmos.

EG: Queres dar-nos conta sobre os teus futuros projectos, em que pé se encontram?

DA: O QoD tem-me consumido a maioria do tempo nestes últimos anos, tenho algumas ideias e agora com o lançamento na Nintendo espero começar a ter mais tempo para finalmente começar a pegar num projecto novo. Portanto ainda não passam de ideias na minhas cabeça que podem ou não resultar.

David, muito obrigado pelo teu tempo e pela oportunidade de entrevista que nos concedeste. Espero que o teu jogo Quest for Dungeons tenha imenso sucesso nas consolas da Nintendo e que a colaboração com a gigante de Quioto continue na próxima plataforma. Obrigado!

Publicidade

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Mais artigos pelo Vítor Alexandre

Comentários (4)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários

Conteúdos relacionados

Quest of Dungeons chega hoje à Switch

Jogo Português na nova consola da Nintendo.

Quest of Dungeons a caminho da Nintendo Switch

É um jogo português no estilo 16-bits.

Quest of Dungeons já disponível na PlayStation 4

Talento Português na PlayStation Store.

Quest of Dungeons chegará esta semana à Wii U e 3DS

Um jogo português nas consolas da Nintendo.

Publicidade