Guerrilla Games fala sobre os riscos de Horizon

E o apoio que receberam da Sony.

Graças a um acesso especial aos bastidores de Horizon: Zero Dawn, a GameInformer teve a oportunidade de conversar com Jan-Bart van Beek, director de arte, Mathijs de Jonge, director do jogo, e Hermen Hulst director da Guerrilla Games, sobre o desenvolvimento da sua nova propriedade intelectual, e os riscos que isto representou para quem era apenas conhecido pelos jogos Killzone.

Ainda antes do jogo se chamar Horizon: Zero Dawn, Hulst disse que foram apresentados dois projectos completamente diferentes à equipa. Um desses projectos era sobre um jogo em mundo aberto com conceitos nunca explorados pelo estúdio e o mais difícil dos dois. Apesar das dificuldades antevistas, o projecto que hoje é conhecido como Horizon foi o escolhido.

"Este é um RPG de acção, em mundo aberto. Não tínhamos ferramentas, não tínhamos um motor para suportar um mundo aberto. Mas ao mesmo tempo, era um conceito tão entusiasmante que cancelámos o outro projecto e começamos a trabalhar em Horizon," disse de Jonge. De acordo com o homem da Guerrilla, passaram ainda muitos meses a tentar dar forma e sentido ao mundo, já que tudo foi construído do nada.

"Tentámos não restringir o jogador e permitir que se possam expressar. Para conseguir isso, tivemos aqui pessoas da Bethesda, da CD Projekt RED, pessoas que compreendem um pouco melhor o fluir de mundos abertos, e que ajudaram mesmo a moldar o conhecimento da equipa sobre como estes jogos devem ser desenvolvidos e como devem decorrer," disse van Beek.

"Quando trabalhas dentro de uma empresa como a PlayStation, e tens a oportunidade de construir algo que é assim tão radicalmente diferente, e um projecto AAA grandioso. Quem é que tem a oportunidade de trabalhar nisto com pouco mais de 100 pessoas, do nada? Vejo isto como uma oportunidade que não podemos falhar," disse Hulst.

Publicidade

Salta para os comentários (25)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Começaram as promoções de Novo Ano Lunar no Steam

Poupa em centenas de jogos até 27 de Janeiro.

Rumor: Knights of the Old Republic poderá regressar

EA tem planos para vários jogos Star Wars.

Kojima quer fazer jogos mais estranhos

Death Stranding foi demasiado "normal" para ele.

Também no site...

Comentários (25)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários