Monster Hunter Generations - Análise

Novos monstros à vista.

Por esta altura a comemorar 12 anos de existência, a série da Capcom que arrancou em 2004, no Japão, na PlayStation 2, é por esta altura uma das mais importantes parceiras da Nintendo 3DS, a portátil da Nintendo que continua a cumprir o seu trajecto enquanto plataforma dedicada portátil dominante. Não é por acaso que um ano e alguns meses depois de Monster Hunter 4 Ultimate, tenhamos em cena um novo jogo. MH Generations é indicado para os fãs. Um título pleno de recursos, áreas, monstros e novidades de combate que conquistarão o fã de sempre, mas também apresenta uma configuração mais adequada a suscitar o interesse dos novatos, muitos deles desejosos por conhecerem a série, só que muitas vezes afastados por força de um sistema algo complexo de assimilar e que só com dedicação se leva de vencida.

O anterior título da série pode ter sido a porta de entrada para muita gente. MH4U assentou plenamente nas propriedades da 3DS, tirando proveito do c-stick de forma a possibilitar uma gestão mais segura e cómoda da câmara e que proporcionou uma sedimentação das mecânicas. Esta série não encaixa nos moldes típicos da aventura, não é um role play na acepção tradicional da história, é um jogo de "grind" puro, no qual enfrentamos sucessivas vezes os mesmos monstros, em ambientes tão diversos e hostis, muitas vezes só para obter um produto com o qual podemos fabricar uma arma específica ou armadura que nos permite derrotar uma criatura especial e assim colocar um ponto final numa quest que teima em nos atormentar enquanto não estiver terminada. Muitas vezes o périplo nem passa por uma caça aos monstros, mas pela colheita dos ingredientes e materiais certos para se produzir o produto necessário para chegar mais além, tudo isto enquanto percorremos territórios tão díspares.

1
Multiplayer volta a ser destaque em MH.

Há uma motivação grande nesta progressão, a procura pelo melhor equipamento. Só assim asseguramos uma real noção de conquista e avanço, sem aquelas tabelas de pontos de experiência de personagem ou sistemas automáticos. Aqui a composição é altamente manual e depende das armas e armaduras à nossa disposição, com as quais podemos ferir monstros que de outra forma seriam inatingíveis e quebrar as suas defesas. Usando de forma quase inconsciente as múltiplas habilidades, agora que podemos escolher diferentes estilos de caça e adaptar vários ataques às armas. O processo é gradual mas mais rápido no abate dos monstros. Maiores as habilidades, maior é o "grind", podendo tornar-se num processo quase automático cada vez que investimos mais no jogo.

Claro que a campanha adquire uma dimensão crucial. Aliás, a introdução apresentada numa bonita sequência que nos mostra lagos e altas montanhas, inculca a ideia da dimensão dos territórios e áreas por explorar, ainda que muitas delas sejam uma importação do jogo anterior. No entanto e apesar das primeiras horas revelarem forte familiaridade, rapidamente desenvolvem para um sistema mais complexo e marcante, capaz de absorver mais de quarenta horas em campanha. A escala de Generations é imponente e parece residir nesta dimensão uma celebração entre novidade e mérito dos jogos anteriores, um título para novos jogadores e entusiastas da série. Isso fica patente depois de chegarmos a Bherna, uma aldeia no sopé de elevadas montanhas rochosas.

A esse périplo recheado de quests que alternam entre revisitas e descobertas, acresce a nova base jogável, assente nos quatro estilos de caça, um factor preponderante no momento da escolha, ponto a que muitos jogadores poderão regressar na tentativa de descobrirem novos ataques e o fascínio das habilidades. Mas fará sentido toda a experiência de MH Generations apenas como campanha individual ou como alternativa à vertente multiplayer? Com esta se completa o grosso da caça e grande parte da motivação que encontramos para nos ligarmos ao mundo ou aos amigos com quem queremos partilhar as batalhas. A campanha deixa-nos jogar com dois ajudantes, os Felynes (podemos até jogar como Felyne), ao nosso lado durante as batalhas, mas dentro da vertente multiplayer o processo torna-se muito mais interessante, não só pela entreajuda necessária mas sobretudo pela composição mais realista. Embora o jogo esteja bem apetrechado para singrar enquanto experiência individual, é como jogo multiplayer que apresenta a sua melhor vocação e a mais genuína experiência de MH.

2
Alguns estilos são mais indicados para quebrar a defesa dos monstros.

As grandes novidades comparativamente a Monster Hunter 4 Ultimate são, desde logo, os novos monstros, assim como novos territórios, onde os encontramos pela primeira vez. Muitas áreas regressam e receberam apenas alguns retoques visuais que as deixam um pouco mais apelativas, mas nada de muito diferenciador. Aliás, o jogo recebeu um "update" gráfico perceptível, com redefinição ao nível das cores, especialmente nos vales, no fundo uma adaptação visual que embora sem ser retumbante cria um efeito mais agradável à primeira vista.

Mas a grande transformação opera-se por intermédio dos quatro estilos de caça. Não só porque afectam alguns princípios básicos a que estávamos acostumados, contribuíndo para um fortalecimento da personagem num determinado padrão que pode ir da componente mais ofensiva até à prevalência dos ataques aéreos, enquanto que ganhamos mais habilidades e poder de ataque com as armas. No caso do estilo aéreo é particularmente notório o ganho de ataques e todo um novo manancial de combinações e truques que passam para a nossa disposição. Qualquer estilo (do mais tradicional ao avançado) promove novas habilidades e truques que melhoram a nossa organização, ritmo e preferências de ataque.

Esta diversidade de sistemas abre a porta para uma abordagem mais incisiva sobre os monstros ou defensiva, esperando pelo momento oportuno para quebrar a defesa do monstro. As acções são muito diversificadas e com tempo aprendemos a tirar proveito das características prevalecentes em cada um dos estilos. Importa sublinhar que se não estão com propensão para arriscar demasiado e preferem um certo equilíbrio no terreno, então a "Guild Style" será a opção mais indicada. Já o "Aerial" e "Adept Style" revelam-se como as opções mais arriscadas mas recompensadoras do ponto de vista das opções facultadas, com uma série de contra-ataques e alguns truques que permitem evadir com sucesso as investidas dos monstros.

Para lá desta estrutura de combate altamente modificada e encorajadora para os novos jogadores e fãs da série, há todo um conteúdo altamente reconhecido. Muitos vão reconhecer as anteriores quatro vilas, mas também terão novos monstros, entre regressos e reencontros, o mesmo sucedendo com as armas, grande parte uma herança das anteriores caçadas em forma de sistema portátil.

Monster Hunter Generations é um sorvedouro de horas que deixará os fãs deliciados, numa multitude de "quests" que vai do mais tradicional e colheita de ingredientes até à caçada mais complexa, na qual temos que observar muito bem o comportamento do animal e descobrir o seu ponto fraco. Ainda é uma experiência altamente tradicional - e até seria bom que os produtores pudessem simplificar um pouco os menus - mas neste reencontro temos uma redefinição do combate altamente satisfatória e adequada a proporcionar mais truques e subtilezas no momento da batalha, especialmente quando entramos no multiplayer, a opção para a qual Monster Hunter parece realmente existir.

Publicidade

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (3)

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (3)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários