Greg Zeschuk, fundador do estúdio Bioware, falou com o Gamespot sobre a possibilidade de a Sony e a Microsoft lançaram novas versões das suas consolas, a PlayStation 4 e a Xbox One, respectivamente, e como isso seria uma gigante dor de cabeça.

Zeschuck acredita que o grande benefício das consolas, para os estúdios, é saber as especificações de uma plataforma fechada e como tirar melhor proveito delas. Algo que sempre as distinguiu do PC.

"Diria que é uma gigante dor de cabeça que vai contra o propósito das consolas. É engraçado, na verdade existem algumas histórias pro detrás disso. Por exemplo, a Xbox original...a Microsoft tinha várias drives DVD diferentes. Eles não disseram isso a ninguém, mas enquanto estúdio descobres que tens diferente performance e por vezes tens estas caixas com drives reaproveitadas e diferentes marcas e diferente equipamento. Causava uma variabilidade incrível."

"Todo o propósito das consolas é o conjunto de requisitos contra os quais tens que trabalhar numa perspectiva de equipamento. Mudar isso seria loucura completa," acrescentou Zeschuck.

Para o programador, parece que a Microsoft sente que a Sony conseguiu ter mais poder desde o início da geração e que quer agora recuperar, deixando a Sony com uma postura de quem também vai aderir ao jogo. Zeschuck não gosta nada da ideia.

"Penso que é mau. Penso, 'finalizem-na' e deixem os programadores fazerem o seu trabalho. Mas no final do dia, se conseguires focar o teu esforço no desenvolvimento num só conjunto de requisitos de equipamento e alvos, terás melhores resultados. É mais fácil do que o dividir, adicionar mais pessoas, ser forçado a converter as coisas."

"É como molhar o dedo na piscina do PC onde tens que ter em conta todas estas coisas. O bom nas consolas é não ter que considerar opções de performance. É simplesmente louco. Talvez a Sony e a Microsoft sintam essa necessidade."

Publicidade

Sobre o Autor

Ricardo Madeira

Ricardo Madeira

Colaborador

É redator e dá voz à Eurogamer Portugal. É um dos mais antigos membros da equipa, e ao mesmo tempo um dos mais novos. Confusos? É simples.

Mais artigos pelo Ricardo Madeira